Vítima de feminicídio será sepultada em Araranguá

Rosane foi assassinada na madrugada de domingo, em Forquilhinha, pelo esposo

Morta pelo marido na madrugada de domingo, 20, Rosane Apolinário Dahmer, 42 anos, será sepultada às 17h desta segunda-feira, 21, no Cemitério Jardim da Paz, em Araranguá. Ela morava em Forquilhinha com o filho e o marido J.V.S.D, de 54 anos. Ao retornar de uma viagem para São Paulo, ela foi estrangulada pelo esposo, que abandonou o corpo em um matagal às margens da SC-446.


Segundo informações da Polícia Militar, moradores acionaram a guarnição depois que encontraram um veículo abandonado na região, com marcas de sangue no interior. O carro pertence ao companheiro da vítima, e ele foi até a delegacia prestar depoimento. Ele disse que os dois estavam em processo de separação, e confessou o assassinato da companheira.


Depois de confessar o crime, o homem indicou aos policiais onde tinha deixado o corpo. Como a área era de difícil acesso, foi necessária a utilização de cão farejador e o apoio do Serviço Aeropolicial (Saer), de acordo com o major Eduardo Moreno do 9º Batalhão da Polícia Militar (BPM) de Criciúma.


Rosane foi estrangulada e depois degolada, e o laudo pericial apontou hemorragia como a causa da morte. O homem está recolhido no Presídio Regional de Criciúma, e vai passar por audiência de custódia na tarde desta segunda-feira. Ele vai responder por feminicídio e ocultação de cadáver.


A Polícia Civil orienta que testemunhas ou vítimas de violência doméstica que precisarem de atendimento podem entrar em contato pelo telefone 181, o disque-denúncia.

Morta pelo marido na madrugada de domingo, 20, Rosane Apolinário Dahmer, 42 anos, será sepultada às 17h desta segunda-feira, 21, no Cemitério Jardim da Paz, em Araranguá. Ela morava em Forquilhinha com o filho e o marido J.V.S.D, de 54 anos. Ao retornar de uma viagem para São Paulo, ela foi estrangulada pelo esposo, que abandonou o corpo em um matagal às margens da SC-446.

Segundo informações da Polícia Militar, moradores acionaram a guarnição depois que encontraram um veículo abandonado na região, com marcas de sangue no interior. O carro pertence ao companheiro da vítima, e ele foi até a delegacia prestar depoimento. Ele disse que os dois estavam em processo de separação, e confessou o assassinato da companheira.

Depois de confessar o crime, o homem indicou aos policiais onde tinha deixado o corpo. Como a área era de difícil acesso, foi necessária a utilização de cão farejador e o apoio do Serviço Aeropolicial (Saer), de acordo com o major Eduardo Moreno do 9º Batalhão da Polícia Militar (BPM) de Criciúma.

Rosane foi estrangulada e depois degolada, e o laudo pericial apontou hemorragia como a causa da morte. O homem está recolhido no Presídio Regional de Criciúma, e vai passar por audiência de custódia na tarde desta segunda-feira. Ele vai responder por feminicídio e ocultação de cadáver.

A Polícia Civil orienta que testemunhas ou vítimas de violência doméstica que precisarem de atendimento podem entrar em contato pelo telefone 181, o disque-denúncia.

Compartilhe

Voltar às notícias