Vistoria determina ações contra enchentes em Maracajá

Localidade de Vila Beatriz foi umas das mais atingidas do município


A Vila Beatriz, uma das regiões de Maracajá duramente afetadas pelas chuvas extraordinárias da semana passada, foi visitada na manhã desta quinta-feira, 30, pelo prefeito Arlindo Rocha, para determinar obras, ações e serviços que possam minimizar ou eliminar problemas emergenciais. Outras regiões da cidade também estão sendo vistoriadas.


"A solução definitiva para esta comunidade passa por uma obra que prevê canalização de mais de 500 metros para resolver um problema que não é novo e se agravou com as obras de duplicação da BR-101 e com a natural impermeabilização do solo com pavimentação de ruas e construção de casas", comenta o prefeito de Maracajá.


Acompanhado do diretor de Obras, Everaldo Pereira, da chefe do Setor de Planejamento, engenheira Vanessa Jerônimo e da vereadora Maria Lúcia, que mora na Vila Beatriz, Arlindo Rocha vistoriou locais que foram alagados na sexta-feira, 24, invadindo propriedades particulares, em virtude de tubulações rompidas ou entupidas.



"Assim que tivermos uma estiagem que permita a execução dos serviços, vamos apurar a extensão dos danos, os materiais necessários e as obras serão realizadas", garantiu o prefeito, ressaltando que o projeto de drenagem de toda área está concluído e em fase final de orçamento dos custos de materiais e de implantação da canalização.


Após a vistoria da situação na Vila Beatriz, o prefeito de Maracajá se reuniu com a diretora do Departamento de Assistência e Bem Estar Social, Suelen Zandonadi, com secretária de Administração Marluci Vitali e com a chefe do Setor de Planejamento, engenheira Vanessa Jerônimo, quando ficou definida a assistência municipal para reconstruir a casa de uma família em desvantagem social.



Segundo Suelen, a situação de vulnerabilidade da família foi confirmada tecnicamente por assistentes sociais, os riscos à integridade da residência à família foi constatada pelo coordenadoria da Defesa Civil Municipal e as condições legais foram atestadas pela Assessoria Jurídica municipal. A Administração Municipal comprará materiais de construção até o valor de R$ 5 mil e a família, em mutirão, executará a obra, acompanhada por fiscalização da Prefeitura.


A Vila Beatriz, uma das regiões de Maracajá duramente afetadas pelas chuvas extraordinárias da semana passada, foi visitada na manhã desta quinta-feira, 30, pelo prefeito Arlindo Rocha, para determinar obras, ações e serviços que possam minimizar ou eliminar problemas emergenciais. Outras regiões da cidade também estão sendo vistoriadas.

“A solução definitiva para esta comunidade passa por uma obra que prevê canalização de mais de 500 metros para resolver um problema que não é novo e se agravou com as obras de duplicação da BR-101 e com a natural impermeabilização do solo com pavimentação de ruas e construção de casas”, comenta o prefeito de Maracajá.

Acompanhado do diretor de Obras, Everaldo Pereira, da chefe do Setor de Planejamento, engenheira Vanessa Jerônimo e da vereadora Maria Lúcia, que mora na Vila Beatriz, Arlindo Rocha vistoriou locais que foram alagados na sexta-feira, 24, invadindo propriedades particulares, em virtude de tubulações rompidas ou entupidas.

“Assim que tivermos uma estiagem que permita a execução dos serviços, vamos apurar a extensão dos danos, os materiais necessários e as obras serão realizadas”, garantiu o prefeito, ressaltando que o projeto de drenagem de toda área está concluído e em fase final de orçamento dos custos de materiais e de implantação da canalização.

Após a vistoria da situação na Vila Beatriz, o prefeito de Maracajá se reuniu com a diretora do Departamento de Assistência e Bem Estar Social, Suelen Zandonadi, com secretária de Administração Marluci Vitali e com a chefe do Setor de Planejamento, engenheira Vanessa Jerônimo, quando ficou definida a assistência municipal para reconstruir a casa de uma família em desvantagem social.

Segundo Suelen, a situação de vulnerabilidade da família foi confirmada tecnicamente por assistentes sociais, os riscos à integridade da residência à família foi constatada pelo coordenadoria da Defesa Civil Municipal e as condições legais foram atestadas pela Assessoria Jurídica municipal. A Administração Municipal comprará materiais de construção até o valor de R$ 5 mil e a família, em mutirão, executará a obra, acompanhada por fiscalização da Prefeitura.

Compartilhe

Voltar às notícias