Série Prefeitos: Arlindo Rocha diz que sai de cabeça erguida do governo de Maracajá

Prefeito fala de situações polêmicas que marcaram seu mandato e afirma não ter frustrações como comandante do município de quase 7 mil habitantes  

O Parque Ecológico reaberto na terça, 17, foi o cenário para a entrevista concedida pelo prefeito de Maracajá, Arlindo Rocha, que é advogado de formação e não concorre à reeleição neste ano. Ele respondeu as perguntas do Portal W3 acompanhado de assessores no momento que anunciava também o retorno das atividades do principal ponto turístico do município que tem um pouco mais de 6.784 habitantes. Parque ecológico volta a receber visitantes.

De todos os questionamentos feitos pela reportagem, não se absteve de responder nenhum. Confira:

 Sugestões dos cidadãos:

 Portal W3: Em abril o senhor anunciou a redução dos salários dos servidores comissionados. Até agora, quanto de economia isso gerou para o município? Vai estender a ideia até o final do ano?

Arlindo Rocha: Isso gerou 20% de economia dos salários dos cargos comissionados e estabelecemos até este mês a proposta. Em virtude da recuperação fiscal que tivemos no município a ideia de reduzir os salários serviu mais como didática, exemplo para as pessoas. Não resolveu, claro, o problema do caixa do município mas foi uma postura que tomamos para dar exemplo.

Portal W3: Por que o município não assinou a renovação do contrato com a Casan? O que isso implica na prestação do serviço a população?

Arlindo Rocha: Ainda estamos finalizando a negociação com a Casan. Este contrato vem sendo discutido há dois anos. As condições estão estabelecidas. Importante destacar que isso vai gerar em torno de R$30 milhões de investimentos para o saneamento básico nos próximos nove anos. Temos compensação da Casan com contrapartida para pavimentação e rua, e 5% de tudo que o serviço faturar no município vai ficar no município. E ficou estabelecido que a rede de água seja levada às comunidades que não tem abastecimento que é a do Cedro, Encruzo do Barro Vermelho e Encruzo. Não foi assinado na semana passada porque justamente alguns pontos precisavam ser estabelecidos

Portal W3: Embates com uma pedreira e uma jazida com atividades ligadas a Maracajá foram marcas do seu mandato. Quando dizem que foi promoção pessoal e política por ter interesses como advogado sindicalista, qual a resposta pra isso?

Arlindo Rocha: Eu diria que entre o corajoso e o que falta juízo e chamado de louco, é o resultado. E tivemos resultado com isso: um termo de ajustamento de conduta com as pedreiras que resultou no acesso norte de quase 3 quilômetros de R$3 milhões e que custou para o município apenas R$250 mil. Além disso, cedidos gratuitamente para o município 400 toneladas de material britado para as estradas que não são pavimentadas. Também criamos um imposto de 0,75% depositado em um fundo para a recuperação da área, e mais ainda, ao final da exploração toda a área minerada passa para o município criar uma reserva ambiental, parque ou algum projeto para a comunidade. Até então não tinha compensação nenhuma por parte destas empresas.

Portal W3: Qual a principal frustração como chefe do Poder Executivo municipal?

Arlindo Rocha: Muito pelo contrário, ser escolhido para dirigir o seu município e implementar o que prometi na campanha junto de uma equipe especializada e comprometida só nos fez colher bons resultados. Inclusive, existe uma pesquisa que aponta que a população tem aprovação do nosso governo em quase 80%. A confiança da população é extraordinária. Só temos que agradecer e finalizar o mandato. Não critico os gestores anteriores, mas pegamos o município de maneira lastimável e vamos apresentar as contas ao final do governo e esperamos que a população escolha um novo gestor para dar continuidade.

 Coronavírus:

 Portal W3: Qual foi a principal dificuldade enfrentada pelo Governo nesta crise do Coronavírus?

Arlindo Rocha: A restrição do isolamento que atingiu o Comércio, Indústrias e Turismo foi preocupante. Na questão de saúde, fizemos estrutura com os recursos disponíveis e os vindos do Governo Federal. A população soube se comportar exemplarmente e graças a Deus não registramos nenhum óbito. Aumentou a Assistência no Social, que dobrou, em torno de duzentas famílias que perderam suas rendas, mas criamos um comitê com a comunidade para tentar ajuda-los, porque tem alguns moradores que tem vergonha de procurar ajuda, mas queremos minimizar essa situação.  

Portal W3: Quais medidas diferenciadas que o município tomou para combater a pandemia?

 Arlindo Rocha: O trabalho de equipe e de conscientização na saúde e social. Os servidores colaboraram também para suspender o mínimo possível os serviços públicos.

Portal W3:Veio verba para o município especificamente para o combate da pandemia? Quantos e de que forma foram distribuídos os valores (ou quais ações)?

 Arlindo Rocha: Nós gastamos menos de 10% do dinheiro que vio para o município. Estamos projetando as ações. Veio em torno de R$950 mil reais para o municípios, parte vinculada a saúde e o restante livre para gastar, mas vamos tentar aplicar em ações para minimizar os efeitos do Coranavírus. 

 Eleições 2020:

 Portal W3: O senhor já manifestou que não concorre a reeleição? Por que?

 Arlindo Rocha: Justamente pela coerência. Durante toda a campanha e no mandato não me preparei para a eleição optando por uma gestão técnica e profissional. Desde sempre manifestei que não vejo com bons olhos o instituto da reeleição, principalmente nos municípios pequenos. Respeito meus colegas que fazem mandatos de segunda eleição, mas continuo defendendo esta tese. Reeleição não faz bem para o Brasil e para o município. Serve mais de projeto pessoal que pensando no coletivo, tanto é que hoje nem filiado a partido político estou. Até porque não acho que devo ser o prefeito de partido “a” ou “b”, a partir da eleição devo defender todas as ideologias. Se voltar a ser candidato, sonho em ser em partido. O cidadão precisa ter esse direito, porque a maioria dos partidos viraram verdadeiras quadrilhas de dinheiro público legalizada com fundo de campanha e partidário.  

Portal W3:  Caso não seja o candidato, quem seria o seu nome na disputa?

Arlindo Rocha: Tenho um grande parceiro que sempre me acompanhou que é o Luiz Volnei Martinello, mas temos outras lideranças também. Importante que isso não seja personalizado, precisamos unir forças no coletivo porque não existe nenhum super-herói. Precisamos pensar no coletivo e não em projetos pessoais.

 Portal W3: Como avalia o cenário em Maracajá neste momento?

 Arlindo Rocha: Totalmente indefinido. Havia uma impressão nos moradores e lideranças que a afirmação que não iriamos à reeleição era como mera argumentação política. Muitos não acreditava, e com minha afirmação de não me candidatar movimentou os grupos para encaminhar suas possíveis lideranças.

Portal W3: Como avalia o comportamento dos opositores que criticam seu governo nas redes sociais?

Arlindo Rocha: Quem esta em um cargo público precisa se preparar para elogios e críticas. Evidentemente estas críticas não podem ser no campo pessoal. Procuro rebater e ser firmes quando elas extrapolam, mas quando tem coerência tenho que absorver e buscar corrigir. Nossos maiores adversários nos fizeram crescer, e tenho muito a agradecer. Infelizmente muitos deles não alcançaram seus objetivos porque apostaram numa gestão negativa, e que não conseguiríamos unir o grupo.

Última:

 Portal W3: Faltando seis meses para encerrar o mandato? Quais principais projetos que fará neste tempo. Ou qual estratégia adotará para os últimos momentos do governo?

Arlindo Rocha:  Estamos finalizando o contrato com a Casan, na próxima semana assinatura de um convênio om o Governo do Estado para a rodovia Jacob Westrup que liga o município a Forquilhinha - este é um desafio e vamos dar início ao processo. Temos conclusões da pavimentação de rodovias tais como a que liga a comunidade de Garajuva, a Alcindo de Freitas, a José Elisandro dos Santos e finalizando a Aneglino Acorde. Iniciaremos a pavimentação da Rodovia Demétrio Rocha, e na próxima semana a construção da pPraça Central, além da garagem das máquinas. Conclusão de salas para a Educação Infantil e diversas obras de infraestrutura. Vamos concluir o governo não com o “pé no freio”, mas acelerados mesmo diante da pandemia. Estamos trabalhando muito para mostrar uma política de gestão, e que otimiza recursos com legalidade, moralidade e transparência.  

O Parque Ecológico reaberto na terça, 17, foi o cenário para a entrevista concedida pelo prefeito de Maracajá, Arlindo Rocha, que é advogado de formação e não concorre à reeleição neste ano. Ele respondeu as perguntas do Portal W3 acompanhado de assessores no momento que anunciava também o retorno das atividades do principal ponto turístico do município que tem um pouco mais de 6.784 habitantes. Parque ecológico volta a receber visitantes.

De todos os questionamentos feitos pela reportagem, não se absteve de responder nenhum. Confira:

 Sugestões dos cidadãos:

 Portal W3: Em abril o senhor anunciou a redução dos salários dos servidores comissionados. Até agora, quanto de economia isso gerou para o município? Vai estender a ideia até o final do ano?

Arlindo Rocha: Isso gerou 20% de economia dos salários dos cargos comissionados e estabelecemos até este mês a proposta. Em virtude da recuperação fiscal que tivemos no município a ideia de reduzir os salários serviu mais como didática, exemplo para as pessoas. Não resolveu, claro, o problema do caixa do município mas foi uma postura que tomamos para dar exemplo.

Portal W3: Por que o município não assinou a renovação do contrato com a Casan? O que isso implica na prestação do serviço a população?

Arlindo Rocha: Ainda estamos finalizando a negociação com a Casan. Este contrato vem sendo discutido há dois anos. As condições estão estabelecidas. Importante destacar que isso vai gerar em torno de R$30 milhões de investimentos para o saneamento básico nos próximos nove anos. Temos compensação da Casan com contrapartida para pavimentação e rua, e 5% de tudo que o serviço faturar no município vai ficar no município. E ficou estabelecido que a rede de água seja levada às comunidades que não tem abastecimento que é a do Cedro, Encruzo do Barro Vermelho e Encruzo. Não foi assinado na semana passada porque justamente alguns pontos precisavam ser estabelecidos

Portal W3: Embates com uma pedreira e uma jazida com atividades ligadas a Maracajá foram marcas do seu mandato. Quando dizem que foi promoção pessoal e política por ter interesses como advogado sindicalista, qual a resposta pra isso?

Arlindo Rocha: Eu diria que entre o corajoso e o que falta juízo e chamado de louco, é o resultado. E tivemos resultado com isso: um termo de ajustamento de conduta com as pedreiras que resultou no acesso norte de quase 3 quilômetros de R$3 milhões e que custou para o município apenas R$250 mil. Além disso, cedidos gratuitamente para o município 400 toneladas de material britado para as estradas que não são pavimentadas. Também criamos um imposto de 0,75% depositado em um fundo para a recuperação da área, e mais ainda, ao final da exploração toda a área minerada passa para o município criar uma reserva ambiental, parque ou algum projeto para a comunidade. Até então não tinha compensação nenhuma por parte destas empresas.

Portal W3: Qual a principal frustração como chefe do Poder Executivo municipal?

Arlindo Rocha: Muito pelo contrário, ser escolhido para dirigir o seu município e implementar o que prometi na campanha junto de uma equipe especializada e comprometida só nos fez colher bons resultados. Inclusive, existe uma pesquisa que aponta que a população tem aprovação do nosso governo em quase 80%. A confiança da população é extraordinária. Só temos que agradecer e finalizar o mandato. Não critico os gestores anteriores, mas pegamos o município de maneira lastimável e vamos apresentar as contas ao final do governo e esperamos que a população escolha um novo gestor para dar continuidade.

 Coronavírus:

 Portal W3: Qual foi a principal dificuldade enfrentada pelo Governo nesta crise do Coronavírus?

Arlindo Rocha: A restrição do isolamento que atingiu o Comércio, Indústrias e Turismo foi preocupante. Na questão de saúde, fizemos estrutura com os recursos disponíveis e os vindos do Governo Federal. A população soube se comportar exemplarmente e graças a Deus não registramos nenhum óbito. Aumentou a Assistência no Social, que dobrou, em torno de duzentas famílias que perderam suas rendas, mas criamos um comitê com a comunidade para tentar ajuda-los, porque tem alguns moradores que tem vergonha de procurar ajuda, mas queremos minimizar essa situação.  

Portal W3: Quais medidas diferenciadas que o município tomou para combater a pandemia?

 Arlindo Rocha: O trabalho de equipe e de conscientização na saúde e social. Os servidores colaboraram também para suspender o mínimo possível os serviços públicos.

Portal W3:Veio verba para o município especificamente para o combate da pandemia? Quantos e de que forma foram distribuídos os valores (ou quais ações)?

 Arlindo Rocha: Nós gastamos menos de 10% do dinheiro que vio para o município. Estamos projetando as ações. Veio em torno de R$950 mil reais para o municípios, parte vinculada a saúde e o restante livre para gastar, mas vamos tentar aplicar em ações para minimizar os efeitos do Coranavírus. 

 Eleições 2020:

 Portal W3: O senhor já manifestou que não concorre a reeleição? Por que?

 Arlindo Rocha: Justamente pela coerência. Durante toda a campanha e no mandato não me preparei para a eleição optando por uma gestão técnica e profissional. Desde sempre manifestei que não vejo com bons olhos o instituto da reeleição, principalmente nos municípios pequenos. Respeito meus colegas que fazem mandatos de segunda eleição, mas continuo defendendo esta tese. Reeleição não faz bem para o Brasil e para o município. Serve mais de projeto pessoal que pensando no coletivo, tanto é que hoje nem filiado a partido político estou. Até porque não acho que devo ser o prefeito de partido “a” ou “b”, a partir da eleição devo defender todas as ideologias. Se voltar a ser candidato, sonho em ser em partido. O cidadão precisa ter esse direito, porque a maioria dos partidos viraram verdadeiras quadrilhas de dinheiro público legalizada com fundo de campanha e partidário.  

Portal W3:  Caso não seja o candidato, quem seria o seu nome na disputa?

Arlindo Rocha: Tenho um grande parceiro que sempre me acompanhou que é o Luiz Volnei Martinello, mas temos outras lideranças também. Importante que isso não seja personalizado, precisamos unir forças no coletivo porque não existe nenhum super-herói. Precisamos pensar no coletivo e não em projetos pessoais.

 Portal W3: Como avalia o cenário em Maracajá neste momento?

 Arlindo Rocha: Totalmente indefinido. Havia uma impressão nos moradores e lideranças que a afirmação que não iriamos à reeleição era como mera argumentação política. Muitos não acreditava, e com minha afirmação de não me candidatar movimentou os grupos para encaminhar suas possíveis lideranças.

Portal W3: Como avalia o comportamento dos opositores que criticam seu governo nas redes sociais?

Arlindo Rocha: Quem esta em um cargo público precisa se preparar para elogios e críticas. Evidentemente estas críticas não podem ser no campo pessoal. Procuro rebater e ser firmes quando elas extrapolam, mas quando tem coerência tenho que absorver e buscar corrigir. Nossos maiores adversários nos fizeram crescer, e tenho muito a agradecer. Infelizmente muitos deles não alcançaram seus objetivos porque apostaram numa gestão negativa, e que não conseguiríamos unir o grupo.

Última:

 Portal W3: Faltando seis meses para encerrar o mandato? Quais principais projetos que fará neste tempo. Ou qual estratégia adotará para os últimos momentos do governo?

Arlindo Rocha:  Estamos finalizando o contrato com a Casan, na próxima semana assinatura de um convênio om o Governo do Estado para a rodovia Jacob Westrup que liga o município a Forquilhinha – este é um desafio e vamos dar início ao processo. Temos conclusões da pavimentação de rodovias tais como a que liga a comunidade de Garajuva, a Alcindo de Freitas, a José Elisandro dos Santos e finalizando a Aneglino Acorde. Iniciaremos a pavimentação da Rodovia Demétrio Rocha, e na próxima semana a construção da pPraça Central, além da garagem das máquinas. Conclusão de salas para a Educação Infantil e diversas obras de infraestrutura. Vamos concluir o governo não com o “pé no freio”, mas acelerados mesmo diante da pandemia. Estamos trabalhando muito para mostrar uma política de gestão, e que otimiza recursos com legalidade, moralidade e transparência.  

Compartilhe

Voltar às notícias