Segundo especialista, busca por dentistas na pandemia mais que dobra na região

Amolecimento, quebra de dentes e infecções estão entre as principais demandas

Mesmo sem estatísticas oficiais, o número de pessoas que busca as clínicas odontológicas e relatam ansiedade, depressão, insônia e anomalias na saúde bucal mais que dobrou desde o início da Pandemia. O nível de estresse reflete em mais casos de traumas, cáries e até perda de dentes. E assim como em todo o país, as clínicas odontológicas do sul de Santa Catarina também percebem este panorama de diagnóstico.

Para a dentista Juliana de Fáveri, responsável técnica pela Oral Unic em Criciúma e Araranguá, a principal queixa de pacientes é pelo amolecimento dos dentes. “As pessoas estão mais em casa, estressadas e tudo isso provoca um aumento da ansiedade. Consideramos como os fatores principais a infecção bacteriana de tecidos, conhecidas como doenças periodontais e porque principalmente durante o isolamento muitos pacientes deixaram de visitar os consultórios odontológicos”, pontua a especialista.



Procedimentos específicos

As pessoas que buscam por restaurar o sorriso e a colocação de implantes por perdas de dentes também cresceu tanto em Criciúma como Araranguá. Se a proporção de pacientes acima dos 40 anos era de que havia a falta de metade dos dentes em um estudo no último ano pelo Conselho Federal de Odontologia (CFO), o índice deve aumentar nos próximos meses. “Com o receio de sair de casa, a maioria se preocupou com a saúde na Pandemia mas deixou de visitar as clínicas odontológicas”, opina Juliana.

Segundo o dentista Murilo Regalo, que também atua pela Oral Unic, a tecnologia colabora para que os dentes possam ser repostos por meio de implantes. “Antigamente o receio era grande de passar por meses e meses de tratamento. Nos últimos anos, a Odontologia evoluiu muito e o implante se transformou numa opção segura e confortável para jovens, adultos e idosos”, pondera.

Mesmo sem estatísticas oficiais, o número de pessoas que busca as clínicas odontológicas e relatam ansiedade, depressão, insônia e anomalias na saúde bucal mais que dobrou desde o início da Pandemia. O nível de estresse reflete em mais casos de traumas, cáries e até perda de dentes. E assim como em todo o país, as clínicas odontológicas do sul de Santa Catarina também percebem este panorama de diagnóstico.

Para a dentista Juliana de Fáveri, responsável técnica pela Oral Unic em Criciúma e Araranguá, a principal queixa de pacientes é pelo amolecimento dos dentes. “As pessoas estão mais em casa, estressadas e tudo isso provoca um aumento da ansiedade. Consideramos como os fatores principais a infecção bacteriana de tecidos, conhecidas como doenças periodontais e porque principalmente durante o isolamento muitos pacientes deixaram de visitar os consultórios odontológicos”, pontua a especialista.

Procedimentos específicos

As pessoas que buscam por restaurar o sorriso e a colocação de implantes por perdas de dentes também cresceu tanto em Criciúma como Araranguá. Se a proporção de pacientes acima dos 40 anos era de que havia a falta de metade dos dentes em um estudo no último ano pelo Conselho Federal de Odontologia (CFO), o índice deve aumentar nos próximos meses. “Com o receio de sair de casa, a maioria se preocupou com a saúde na Pandemia mas deixou de visitar as clínicas odontológicas”, opina Juliana.

Segundo o dentista Murilo Regalo, que também atua pela Oral Unic, a tecnologia colabora para que os dentes possam ser repostos por meio de implantes. “Antigamente o receio era grande de passar por meses e meses de tratamento. Nos últimos anos, a Odontologia evoluiu muito e o implante se transformou numa opção segura e confortável para jovens, adultos e idosos”, pondera.

Compartilhe

Voltar às notícias