Roubo a banco em Criciúma: 16 pessoas já respondem ação criminal por integrar organização criminosa

Imagem: cidadeazulnoticias.com.br

A ação criminal foi proposta pelo MPSC. Todas as 16 pessoas tiveram prisões preventivas decretadas pelo Judiciário.


A Polícia Civil de Santa Catarina indiciou e o Ministério Público de Santa Catarina já ajuizou ação criminal contra 16 pessoas por organização criminosa. O roubo, que contou com a participação de dezenas de criminosos, ocorreu na noite do dia 30 de novembro de 2020.


A partir da mobilização das Polícias Civil, Militar e Rodoviária Federal, várias pessoas chegaram a ser presas nos primeiros dias após o crime, em Santa Catarina, no Rio Grande do Sul e em São Paulo, além de identificados vários outros suspeitos.

Nesse período, as investigações apuraram, em inquérito policial pela Delegacia de Roubos e Antissequestro da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC/PCSC), com mais de 1.000 páginas, que 16 pessoas integraram a organização criminosa responsável pelo roubo, sendo que pelo menos seis delas também têm relação direta com facção paulista, ocupando funções importantes nesse grupo criminoso.

Todas as 16 pessoas tiveram prisões preventivas decretadas pelo Judiciário e foram denunciadas pelo Ministério Público de SC. Com a ação criminal, proposta no dia 11 de fevereiro,  os envolvidos respondem ao processo perante à Justiça, por crimes previstos na Lei nº 12.850/13. Das 16 pessoas indiciadas e denunciadas, três estão foragidas.

Investigações prosseguem

As investigações realizadas pela Polícia Civil de Santa Catarina, em atuação conjunta com o MPSC, ainda continuam com o objetivo de identificar todos os responsáveis.




Fonte: Assessoria do MPSC e PC
A ação criminal foi proposta pelo MPSC. Todas as 16 pessoas tiveram prisões preventivas decretadas pelo Judiciário.
A Polícia Civil de Santa Catarina indiciou e o Ministério Público de Santa Catarina já ajuizou ação criminal contra 16 pessoas por organização criminosa. O roubo, que contou com a participação de dezenas de criminosos, ocorreu na noite do dia 30 de novembro de 2020.

A partir da mobilização das Polícias Civil, Militar e Rodoviária Federal, várias pessoas chegaram a ser presas nos primeiros dias após o crime, em Santa Catarina, no Rio Grande do Sul e em São Paulo, além de identificados vários outros suspeitos.

Nesse período, as investigações apuraram, em inquérito policial pela Delegacia de Roubos e Antissequestro da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC/PCSC), com mais de 1.000 páginas, que 16 pessoas integraram a organização criminosa responsável pelo roubo, sendo que pelo menos seis delas também têm relação direta com facção paulista, ocupando funções importantes nesse grupo criminoso.

Todas as 16 pessoas tiveram prisões preventivas decretadas pelo Judiciário e foram denunciadas pelo Ministério Público de SC. Com a ação criminal, proposta no dia 11 de fevereiro,  os envolvidos respondem ao processo perante à Justiça, por crimes previstos na Lei nº 12.850/13. Das 16 pessoas indiciadas e denunciadas, três estão foragidas.

Investigações prosseguem

As investigações realizadas pela Polícia Civil de Santa Catarina, em atuação conjunta com o MPSC, ainda continuam com o objetivo de identificar todos os responsáveis.

Fonte: Assessoria do MPSC e PC

Compartilhe

Voltar às notícias