Rolando Christian Coelho: PRTB de Araranguá está tentando se desgrudar do PP 

BR 285 está na pauta de campanha de três municípios  


Candidatos a prefeito de Timbé do Sul, Turvo e Ermo estão tendo que inovar em seus discursos de campanha neste ano. É que muito provavelmente, já no ano que vem, a BR 285, em nossa região, no trecho entre Timbé e Sanga da Toca, em Araranguá, já deverá estar consolidada. Vale lembrar que a 285 não se restringirá a pavimentação asfáltica da Serra da Rocinha. Descendo a serra, em direção a BR 101, haverá várias obras rodoviárias para facilitar o tráfego de cerca de 4500 veículos por dia. Em Timbé, o anel viário que contornará o centro da cidade já está pronto. O mesmo será feito em Turvo e Ermo. Basicamente, o trânsito que virá da Serra não passará pelo centro das cidades, mas muito próximos a eles. É aí que a criatividade dos futuros prefeitos precisará prevalecer.


Por conta disto, a grande maioria dos candidatos a prefeito dos municípios supracitados já incorporaram em sua retórica de campanha questões ligadas a 285. O objetivo principal, naturalmente, é o de propor alternativas para que parte do tráfego da Rodovia entre nos municípios para consumir em postos de combustíveis, restaurantes, lanchonetes, e no comércio de um modo geral, gerando emprego e renda para as populações locais.


É a primeira vez que esta “promessa de campanha” entra em pauta em Timbé, Turvo de Ermo, de forma concreta. Em eleições passadas, o que havia em relação da BR 285 era uma mera expectativa. Hoje a realidade de sua concretização é eminente, e, por conta disto, o tema está cotidianamente na boca dos candidatos, pelo menos daqueles mais atentos a coisa pública.


Finais 


Debates tem afugentado quem supostamente está na frente  


Fenômeno interessante está acontecendo neste ano na região. Um a um, candidatos a prefeito, que supostamente lideram a corrida sucessória em seus respectivos municípios, estão abrindo mão de participar de debates eleitorais. Basicamente, usam a estratégia de não se expor, para não se queimar junto ao eleitorado, diante das famosas perguntas ferinas de seus adversários. Com o cenário eleitoral consolidado, cada vez menos os líderes na corrida sucessória irão se expor. Por conta disto, cada vez menos participarão de enfrentamentos públicos. Prática é antiga, inaugurada no Brasil por Collor de Mello em 1989, durante corrida presidencial. Na maioria dos casos acaba dando certo.


PRTB de Araranguá está tentando se desgrudar do PP 


Estratégia do PRTB de Araranguá, que tem como candidato a prefeito Ricardo Ghellere, é para lá de clara: bater na gestão municipal de primeira a quinta, para desgastar a candidatura de Daniel Viriato Afonso (PP) ao executivo municipal. Em princípio, o PRTB está usando o caminho mais curto para se despregar das demais candidaturas com perfil conservador e liberal, de modo a se nivelar a candidatura social democrata de César Cesa (MDB), apostando numa disputa entre Ricardo e o emedebista na reta final da campanha. O que chama a atenção nesta história é o fato da campanha de Daniel não estar indo para o ataque também, obviamente, contra o PRTB. Se não reagir, é muito provável que as estratégias de marketing adotadas pelo pessoal de Ghellere acabem dando certo, nesta etapa da campanha.


Em Jacinto, os dois lados não querem debates  


Em Jacinto Machado, nem o prefeito João Batista Mezzari, o Gaiola (MDB), nem a vereadora Maria Terezinha Zanatta (PP), que estão disputando o executivo municipal neste ano, estão dispostos a participar de debates eleitorais. Ambos alegam que preferem dedicar o tempo de campanha ao corpo a corpo com o eleitorado. Suas assessorias têm dedicado os dias a organização de uma extensa agenda de visitas a lideranças políticas e comunitárias, e a visitas a residências. Interessante observar que uma das exigências de Terezinha para aceitar ser candidata a prefeita foi justamente não precisar participar de debates. Expediente é pouco comum, em se tratando de uma candidatura de oposição, mas, como dizem os antigos, “cada um, cada um”.


Seis mulheres disputam majoritárias em nossa região  


Seis mulheres estão disputando chapas majoritárias em nossa região neste ano. São candidatas a prefeita Gislaine Cunha (MDB), em Sombrio, e Maria Terezinha Zanatta (PP), em Jacinto Machado. Já a vice-prefeitura, estão disputando Claudete Bianchi (PRTB), em Araranguá, Fernanda Campos (PRTB) e Alessandra Melo (Avante), em Balneário Gaivota, e Santina Izé (PDT), em Meleiro. Nunca em nossa região houve um contingente tão grande de candidaturas femininas majoritárias em uma só eleição. Até hoje, infelizmente, apenas uma mulher foi eleita prefeitura aqui no Extremo Sul. Trata-se de Geci Gertrudes Casagrande (MDB), que administrou Santa Rosa do Sul em duas ocasiões. Já tivemos várias vice-prefeitas, o que inclui duas na atualidade: Gislaine Cunha, em Sombrio, e Tati Alexandre (PSDB), em Timbé do Sul.

BR 285 está na pauta de campanha de três municípios  

Candidatos a prefeito de Timbé do Sul, Turvo e Ermo estão tendo que inovar em seus discursos de campanha neste ano. É que muito provavelmente, já no ano que vem, a BR 285, em nossa região, no trecho entre Timbé e Sanga da Toca, em Araranguá, já deverá estar consolidada. Vale lembrar que a 285 não se restringirá a pavimentação asfáltica da Serra da Rocinha. Descendo a serra, em direção a BR 101, haverá várias obras rodoviárias para facilitar o tráfego de cerca de 4500 veículos por dia. Em Timbé, o anel viário que contornará o centro da cidade já está pronto. O mesmo será feito em Turvo e Ermo. Basicamente, o trânsito que virá da Serra não passará pelo centro das cidades, mas muito próximos a eles. É aí que a criatividade dos futuros prefeitos precisará prevalecer.

Por conta disto, a grande maioria dos candidatos a prefeito dos municípios supracitados já incorporaram em sua retórica de campanha questões ligadas a 285. O objetivo principal, naturalmente, é o de propor alternativas para que parte do tráfego da Rodovia entre nos municípios para consumir em postos de combustíveis, restaurantes, lanchonetes, e no comércio de um modo geral, gerando emprego e renda para as populações locais.

É a primeira vez que esta “promessa de campanha” entra em pauta em Timbé, Turvo de Ermo, de forma concreta. Em eleições passadas, o que havia em relação da BR 285 era uma mera expectativa. Hoje a realidade de sua concretização é eminente, e, por conta disto, o tema está cotidianamente na boca dos candidatos, pelo menos daqueles mais atentos a coisa pública.

Finais 

Debates tem afugentado quem supostamente está na frente  

Fenômeno interessante está acontecendo neste ano na região. Um a um, candidatos a prefeito, que supostamente lideram a corrida sucessória em seus respectivos municípios, estão abrindo mão de participar de debates eleitorais. Basicamente, usam a estratégia de não se expor, para não se queimar junto ao eleitorado, diante das famosas perguntas ferinas de seus adversários. Com o cenário eleitoral consolidado, cada vez menos os líderes na corrida sucessória irão se expor. Por conta disto, cada vez menos participarão de enfrentamentos públicos. Prática é antiga, inaugurada no Brasil por Collor de Mello em 1989, durante corrida presidencial. Na maioria dos casos acaba dando certo.

PRTB de Araranguá está tentando se desgrudar do PP 

Estratégia do PRTB de Araranguá, que tem como candidato a prefeito Ricardo Ghellere, é para lá de clara: bater na gestão municipal de primeira a quinta, para desgastar a candidatura de Daniel Viriato Afonso (PP) ao executivo municipal. Em princípio, o PRTB está usando o caminho mais curto para se despregar das demais candidaturas com perfil conservador e liberal, de modo a se nivelar a candidatura social democrata de César Cesa (MDB), apostando numa disputa entre Ricardo e o emedebista na reta final da campanha. O que chama a atenção nesta história é o fato da campanha de Daniel não estar indo para o ataque também, obviamente, contra o PRTB. Se não reagir, é muito provável que as estratégias de marketing adotadas pelo pessoal de Ghellere acabem dando certo, nesta etapa da campanha.

Em Jacinto, os dois lados não querem debates  

Em Jacinto Machado, nem o prefeito João Batista Mezzari, o Gaiola (MDB), nem a vereadora Maria Terezinha Zanatta (PP), que estão disputando o executivo municipal neste ano, estão dispostos a participar de debates eleitorais. Ambos alegam que preferem dedicar o tempo de campanha ao corpo a corpo com o eleitorado. Suas assessorias têm dedicado os dias a organização de uma extensa agenda de visitas a lideranças políticas e comunitárias, e a visitas a residências. Interessante observar que uma das exigências de Terezinha para aceitar ser candidata a prefeita foi justamente não precisar participar de debates. Expediente é pouco comum, em se tratando de uma candidatura de oposição, mas, como dizem os antigos, “cada um, cada um”.

Seis mulheres disputam majoritárias em nossa região  

Seis mulheres estão disputando chapas majoritárias em nossa região neste ano. São candidatas a prefeita Gislaine Cunha (MDB), em Sombrio, e Maria Terezinha Zanatta (PP), em Jacinto Machado. Já a vice-prefeitura, estão disputando Claudete Bianchi (PRTB), em Araranguá, Fernanda Campos (PRTB) e Alessandra Melo (Avante), em Balneário Gaivota, e Santina Izé (PDT), em Meleiro. Nunca em nossa região houve um contingente tão grande de candidaturas femininas majoritárias em uma só eleição. Até hoje, infelizmente, apenas uma mulher foi eleita prefeitura aqui no Extremo Sul. Trata-se de Geci Gertrudes Casagrande (MDB), que administrou Santa Rosa do Sul em duas ocasiões. Já tivemos várias vice-prefeitas, o que inclui duas na atualidade: Gislaine Cunha, em Sombrio, e Tati Alexandre (PSDB), em Timbé do Sul.

Compartilhe

Voltar às notícias