Ressaca do mar ameaça ninhos de tartaruga-de-couro em Balneário Gaivota

Tendência é que a maré se normalize nos próximos dias

Vídeo e fotos: ONG Educamar

A ressaca do mar nós últimos dias no litoral catarinense acendeu o alerta da ONG Educamar, Polícia Militar Ambiental e cuidadores, para os ninhos da tartaruga-de-couro Dermochelys coriacea. A água ficou bem próximo das dunas onde a postura dos ovos foi feita no dia 23 de janeiro. Felizmente, as ondas ainda não atingiram os ninhos, que são monitorados pela equipe do projeto Educamar e pela Polícia Ambiental.

"A água avançou bem próximo do cordão de dunas. Nossa equipe está avaliando a situação, junto a Polícia Ambiental, para verificar se será necessário manejar de local os ovos, para evitarem de serem molhados pela água, ou que o ninho desmorone pela força da ressaca", explica a bióloga Suelen Santos, presidente da ONG Educamar.

O manejo dos ninhos deve ser evitado, porém, se houver necessidade, deverá ser feito. A tendência é que a maré se normalize nos próximos dias. "Estamos na torcida para que tudo normalize e o local continue preservado. A expectativa é grande para os próximos dias, quando 100 tartarugas da espécie tartaruga-de-couro Dermochelys coriacea devem nascer em solo catarinense", finaliza Suelen.

[video width="848" height="480" mp4="https://portalw3.com.br/wp-content/uploads/2021/02/WhatsApp-Video-2021-02-06-at-09.18.54.mp4"][/video]



Fonte: Assessoria de Imprensa

Quer receber notícias pelo WhatsApp? Clique aqui

Vídeo e fotos: ONG Educamar

A ressaca do mar nós últimos dias no litoral catarinense acendeu o alerta da ONG Educamar, Polícia Militar Ambiental e cuidadores, para os ninhos da tartaruga-de-couro Dermochelys coriacea. A água ficou bem próximo das dunas onde a postura dos ovos foi feita no dia 23 de janeiro. Felizmente, as ondas ainda não atingiram os ninhos, que são monitorados pela equipe do projeto Educamar e pela Polícia Ambiental.

“A água avançou bem próximo do cordão de dunas. Nossa equipe está avaliando a situação, junto a Polícia Ambiental, para verificar se será necessário manejar de local os ovos, para evitarem de serem molhados pela água, ou que o ninho desmorone pela força da ressaca”, explica a bióloga Suelen Santos, presidente da ONG Educamar.

O manejo dos ninhos deve ser evitado, porém, se houver necessidade, deverá ser feito. A tendência é que a maré se normalize nos próximos dias. “Estamos na torcida para que tudo normalize e o local continue preservado. A expectativa é grande para os próximos dias, quando 100 tartarugas da espécie tartaruga-de-couro Dermochelys coriacea devem nascer em solo catarinense”, finaliza Suelen.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Quer receber notícias pelo WhatsApp? Clique aqui

Compartilhe

Voltar às notícias