Quarentena Produtiva: como pais e filhos podem tornar a rotina em casa mais leve

Especialista dá dicas de como entreter e informar as crianças durante o isolamento domiciliar de prevenção ao Coronavírus

Por Dyessica Abadi


Nesta semana, diversas famílias entraram em quarentena domiciliar e estão vivenciando uma nova experiência. Agora, pais, mães e filhos compartilham apenas um único ambiente para estudar, trabalhar, entreter e relaxar. O lar alcançou novas potências e adaptar-se a essa rotina inusitada é o desafio de milhares de famílias brasileiras.

Muitas empresas adotaram o home office como alternativa à gestão e ao seguimento da rotina de negócios. Pais e mães estão adaptando-se ao trabalho remoto em suas casas, enquanto conciliam os cuidados com os filhos. Jana Carla de Souza trabalha em um escritório de contabilidade e é mãe do Guilherme, de 9 anos. Atualmente, ela está fazendo home office e aprendendo a administrar seu tempo. “Preciso ter paciência, pois ele quer a minha atenção. Então estou sempre explicando que estou trabalhando e dando dicas de coisas pra ele fazer, mas ele fica entediado facilmente”, comenta Jana.

Como a situação é nova, as famílias ainda estão tentando se adaptar da melhor maneira possível. Fabiana Magagnin é professora e mãe da Isadora, de 10 anos. As duas moram em um apartamento e tentam incluir alguma atividade física ao local.  “Apesar dela ser uma criança bastante calma, ela gosta de correr, de brincar, de jogar. Nós não estamos saindo para a rua, nem pra caminhar dentro da quadra, então só estamos dentro de casa comendo, e isso é complicado”, explica Fabiana.

Juliana da Silva Teixeira, é estudante de administração e ex-professora de jiu-jitsu infantil. A faixa preta é mãe do Pedro, de 4 anos, e está tentando conciliar estudos com os cuidados e atenção ao pequeno. Acostumada com uma rotina diária cheia de exercícios físicos, Juliana considera que também é difícil para os adultos se adaptarem à situação: “Para nós adultos a tortura é ter que ficar presos, sem poder sair para fazer alguma atividade física. Eu amo treinar jiu-jitsu, mas o contato impossibilita os treinos. Sabemos que é para o bem maior, então nos mantemos firmes e fazendo o que dá para fazer de casa, evitando o máximo ir na rua”, avalia.

ALTERNATIVAS ENCONTRADAS PELAS FAMÍLIAS

Juliana analisa que, sem a escola, é mais difícil manter o Pedro entretido em casa. “Temos toda uma rotina de brincadeiras, cineminha com pipoca, produção de bolos, mas ainda estamos no terceiro dia de quarentena em um apartamento, então acredito que vai ficar ainda mais difícil” avalia a mãe. Ela também comenta que, apesar do espaço ser limitado, a família conseguiu adaptar o apartamento para brincadeiras com estilo circuito funcional, usando os ursos e brinquedos do Pedro.

Já a Isadora, filha de Fabiana, conseguiu incluir na sua rotina uma das suas atividades preferidas. “Hoje ela colocou um vídeo de dança do Just Dance e ficou dançando uns 20 minutos. Vou incentivar ela a dançar alguns minutinhos por dia, para gastar um pouco de energia”, explica a mãe. Fabiana ainda ressalta a importância de organizar uma rotina diária para a pequena também. “Eu combinei com ela que nós vamos sentar e organizar duas atividades diferentes pela manhã e mais duas à tarde, algo na área de estudos e outro da diversão. Porque só televisão, internet e Youtube não é suficiente para entreter ela todos os dias, ela vai ficar entediada”, pontua. Para complementar a rotina dos pequenos em casa, algumas escolas continuarão a enviar materiais de estudos e atividades curriculares pela internet.

Para não diminuir o ritmo dos estudos do Guilherme, Jana reservou a próxima semana para preparar e revisar matérias e atividades escolares. Além disso, o pequeno também está adaptando uma rotina de atividades físicas. “Ele é bem ativo. Voltou a brincar com os brinquedos, usa o computador para jogar com os amigos online e jogar bola no pátio de casa. Também inclui ele nas minhas atividades físicas a noite. Ele me ajuda até brincando de pular corda”, salienta a mãe.

DICAS PARA UMA QUARENTENA MAIS LEVE

Com o objetivo de ajudar as famílias a enfrentarem esse momento delicado de uma maneira mais leve, a redação W3 entrevistou a mestre em educação e diretora do Centro Educacional My Space, Melissa Machado Orige. A recreadora garante que atividades programadas e uma rotina estruturada ajudam as famílias a gerir da melhor maneira possível o tempo e a energia dos pequenos. “É preciso lembrar que estamos vivendo algo que nunca vivemos antes. Não é como nas férias e nem como no final de semana – é preciso organização e respeito. Sugestões como o ‘relógio no papel’, que mostra os horários para as atividades do dia, ajudam muito, pois as crianças precisam saber o que irão fazer”, reforça Melissa.

Para a especialista, a melhor divisão de atividades seria:

  1. Reservar um momento para a organização da casa, no qual todos devem ajudar a organizar tudo;

  2. Tempo para atividade individual. Pode ser brincar, bater bola, fazer de conta, ler um livro, montar, imaginar, etc. Neste momento, os pais também devem aproveitar para realizar suas próprias atividades;

  3. Hora da família, quando os pais devem reservar um momento do dia para fazer atividades escolares e brincadeiras orientadas em família.


Redação W3: Como os pais podem explicar aos pequenos a atual situação que vivemos, sem deixá-los muito estressados?

Melissa: É necessário considerar a idade de cada criança, mas uma boa alternativa é explicar que há um vírus (um bichinho que não conseguimos enxergar) que deixa as pessoas doentes e que ele não consegue nos achar em casa, porque é o lugar que estamos mais seguros agora. Podemos também explicar que o vírus não caminha e sim pega carona nas mãos das pessoas, no rosto, na boca, e é por isso temos que ficar cada um em sua casa. Essa é uma maneira de nos proteger, de proteger os amigos, os avós. Tenho certeza que as crianças irão entender e querer permanecer em casa. Foi assim que expliquei para os meus próprios filhos. Também ressaltei que ainda não há a vacina. Aliás, este é um ótimo momento para explicarmos sobre a importância das vacinas!

Redação W3: Quais atividades físicas são mais indicadas para as famílias que moram em apartamentos? E as que moram em casa?

Melissa: Nos apartamentos, é importante explorar toda parte da casa e até a área de serviço pode ser aproveitada para uma atividade (brincadeira com bonecas tomando banho na bacia, com bolhas de sabão, etc) e isso pode tornar tudo mais leve. É ótimo colocar os brinquedos separados e não deixar tudo à disposição. Ir trocando por dia ou por semana e na medida que haja interesse e necessidade. Porém, é preciso cuidar para que a criança organize um caixa primeiro para depois pegar a outra. É possível brincar no corredor de circuito com lã, almofadas ou potes, fazer cabana com cortinas, usar a lanterna para fazer leituras e separar um cantinho sagrado para os estudos.

Isso sem falar que é possível resgatar atividades que os pais gostam como: músicas, brincadeiras, danças e desenhos da época de sua infância. Os filhos podem adorar conhecer tudo isso mais a fundo! E os pais podem assistir filmes, vídeos, fazer brincadeiras que as crianças fazem com seus amigos. Será ótimo para todos. É nesse período que as coisas simples podem ajudar: avião de papel e outras dobraduras, máscara de jornal, mímica, rolhada, bolha de sabão com canudo ou arame, dominó, etc.

É preciso se virar: se em casa dá para brincar de esconder, no apartamento dá para brincar de esconder algo; se em casa dá para jogar bola, no apartamento dá para fazer cesta com bola de papel (nem que a cesta seja a de roupa suja). É preciso ser criativo e aproveitar a companhia e tudo que está a nossa volta.

Redação W3: Como manter saudável a saúde física e mental dos pequenos nesse momento de tensão?

Melissa: Primeiro, é importante não deixá-los escutar todas as notícias e os vídeos e não comentar todas as preocupações na frente deles. Depois, é preciso reservar espaço para atividades que relaxam, como leitura (o mesmo livro pode ganhar um final diferente, pode ser contado pela criança baseado nas figuras), massinha de modelar, brincadeiras que envolvam montagens. E sempre cuidar para escutá-los. É fundamental você estar ao lado deles e dar atenção... não vale ficar com um olho neles e outro no celular. Se você reservou um tempo para eles, então cumpra!

Para aqueles que moram em casa é preciso que a criança faça atividades com a bicicleta, patinete, com a bola, com a corda e com dança. E para aqueles que moram em apartamento vale tudo que faz exercitar. Se em há um colchão de molas programe-se para que um dia, por um tempo, ela possa fazer brincadeira com você ali. Atividades que envolvam dança, que envolvam movimentos (como a brincadeira da cadeira ou almofada), circuito com as cadeiras e tudo que faça a criança se movimentar, liberar energia sem correr riscos. Contudo, atenção – essas atividades devem ser permitidas por você, pois o desejo do seu filho não deve ser um ordem.

Além disso, manter o hábito alimentar saudável é imprescindível. Relembro que a rotina estruturada vale também para a alimentação. Então é preciso ter o horário da fruta, o horário das refeições e lanches. Não é legal a criança viver abrindo armário e geladeira. O Segredo é organização e respeito.

Redação W3: Quais alternativas os pais podem buscar para entreter os pequenos caso essa quarentena se estenda para muitos meses?

Melissa: Além de todas as atividades que já comentei, vale o suporte das escolas e das atividades que envolvam arte e escrita. Este é um período em que os pais irão valorizar mais ainda as atividades escolares, pois, com essas atividades, as crianças poderão relaxar, externar suas emoções e evoluir diante dos olhos dos pais atentos e esforçados. Não esqueçam do espaço sagrado para atividades escolares. Com o tempo teremos que nos adaptar e criar soluções para nos mantermos no melhor caminho. Mas um caminho certo é o amor e o respeito. É preciso que o filho respeite o momento em que o pai quer ficar quieto, e os pais entendam o momento que os filhos querem descontrair e o momento de parar tudo e dar atenção apenas para ele – olhe nos olhos dos seus filhos, valorize esse tempo, reconheça a valor da companhia e aproveite para ensinar coisas que não havia sobrado tempo até agora.

Redação W3: Há alguma outra dica que tu considere importante dar às famílias preocupadas neste momento?

Melissa: O que considero mais importante neste momento é nos mantermos saudável de hábitos e sentimentos. Estruture sua casa e uma rotina saudável: acordem, abram as janelas e arrumem as camas, guardem os cobertores, troquem de roupas, tomem café juntos (façam a mesa e recolham juntos), organizem tudo, limpem o pátio, molhem as plantas, alimentem os animais, distribuam funções (os pequenos podem secar a louça que não quebra e não é pontiaguda, podem ajudar a estender a roupa no varal de chão, etc).

Cuidem para que haja espaço para a conversa, para os olhares, para a oração, para fazer ligações, cartinhas, ou enviar vídeos com demonstrações de amor e cuidado para os parentes e amigos. Também não esqueça de liberar espaço para as brincadeiras, mas não permita a desordem – “nos divertimos e fizemos essa bagunça, agora iremos colocar tudo nos seus lugares”. Tudo precisa ter um início, meio e fim... inclusive este período. Espero que logo possamos nos encontrar por aí. Cuidem-se e fiquem bem.

Por Dyessica Abadi

Nesta semana, diversas famílias entraram em quarentena domiciliar e estão vivenciando uma nova experiência. Agora, pais, mães e filhos compartilham apenas um único ambiente para estudar, trabalhar, entreter e relaxar. O lar alcançou novas potências e adaptar-se a essa rotina inusitada é o desafio de milhares de famílias brasileiras.

Muitas empresas adotaram o home office como alternativa à gestão e ao seguimento da rotina de negócios. Pais e mães estão adaptando-se ao trabalho remoto em suas casas, enquanto conciliam os cuidados com os filhos. Jana Carla de Souza trabalha em um escritório de contabilidade e é mãe do Guilherme, de 9 anos. Atualmente, ela está fazendo home office e aprendendo a administrar seu tempo. “Preciso ter paciência, pois ele quer a minha atenção. Então estou sempre explicando que estou trabalhando e dando dicas de coisas pra ele fazer, mas ele fica entediado facilmente”, comenta Jana.

Como a situação é nova, as famílias ainda estão tentando se adaptar da melhor maneira possível. Fabiana Magagnin é professora e mãe da Isadora, de 10 anos. As duas moram em um apartamento e tentam incluir alguma atividade física ao local.  “Apesar dela ser uma criança bastante calma, ela gosta de correr, de brincar, de jogar. Nós não estamos saindo para a rua, nem pra caminhar dentro da quadra, então só estamos dentro de casa comendo, e isso é complicado”, explica Fabiana.

Juliana da Silva Teixeira, é estudante de administração e ex-professora de jiu-jitsu infantil. A faixa preta é mãe do Pedro, de 4 anos, e está tentando conciliar estudos com os cuidados e atenção ao pequeno. Acostumada com uma rotina diária cheia de exercícios físicos, Juliana considera que também é difícil para os adultos se adaptarem à situação: “Para nós adultos a tortura é ter que ficar presos, sem poder sair para fazer alguma atividade física. Eu amo treinar jiu-jitsu, mas o contato impossibilita os treinos. Sabemos que é para o bem maior, então nos mantemos firmes e fazendo o que dá para fazer de casa, evitando o máximo ir na rua”, avalia.

ALTERNATIVAS ENCONTRADAS PELAS FAMÍLIAS

Juliana analisa que, sem a escola, é mais difícil manter o Pedro entretido em casa. “Temos toda uma rotina de brincadeiras, cineminha com pipoca, produção de bolos, mas ainda estamos no terceiro dia de quarentena em um apartamento, então acredito que vai ficar ainda mais difícil” avalia a mãe. Ela também comenta que, apesar do espaço ser limitado, a família conseguiu adaptar o apartamento para brincadeiras com estilo circuito funcional, usando os ursos e brinquedos do Pedro.

Já a Isadora, filha de Fabiana, conseguiu incluir na sua rotina uma das suas atividades preferidas. “Hoje ela colocou um vídeo de dança do Just Dance e ficou dançando uns 20 minutos. Vou incentivar ela a dançar alguns minutinhos por dia, para gastar um pouco de energia”, explica a mãe. Fabiana ainda ressalta a importância de organizar uma rotina diária para a pequena também. “Eu combinei com ela que nós vamos sentar e organizar duas atividades diferentes pela manhã e mais duas à tarde, algo na área de estudos e outro da diversão. Porque só televisão, internet e Youtube não é suficiente para entreter ela todos os dias, ela vai ficar entediada”, pontua. Para complementar a rotina dos pequenos em casa, algumas escolas continuarão a enviar materiais de estudos e atividades curriculares pela internet.

Para não diminuir o ritmo dos estudos do Guilherme, Jana reservou a próxima semana para preparar e revisar matérias e atividades escolares. Além disso, o pequeno também está adaptando uma rotina de atividades físicas. “Ele é bem ativo. Voltou a brincar com os brinquedos, usa o computador para jogar com os amigos online e jogar bola no pátio de casa. Também inclui ele nas minhas atividades físicas a noite. Ele me ajuda até brincando de pular corda”, salienta a mãe.

DICAS PARA UMA QUARENTENA MAIS LEVE

Com o objetivo de ajudar as famílias a enfrentarem esse momento delicado de uma maneira mais leve, a redação W3 entrevistou a mestre em educação e diretora do Centro Educacional My Space, Melissa Machado Orige. A recreadora garante que atividades programadas e uma rotina estruturada ajudam as famílias a gerir da melhor maneira possível o tempo e a energia dos pequenos. “É preciso lembrar que estamos vivendo algo que nunca vivemos antes. Não é como nas férias e nem como no final de semana – é preciso organização e respeito. Sugestões como o ‘relógio no papel’, que mostra os horários para as atividades do dia, ajudam muito, pois as crianças precisam saber o que irão fazer”, reforça Melissa.

Para a especialista, a melhor divisão de atividades seria:

  1. Reservar um momento para a organização da casa, no qual todos devem ajudar a organizar tudo;
  2. Tempo para atividade individual. Pode ser brincar, bater bola, fazer de conta, ler um livro, montar, imaginar, etc. Neste momento, os pais também devem aproveitar para realizar suas próprias atividades;
  3. Hora da família, quando os pais devem reservar um momento do dia para fazer atividades escolares e brincadeiras orientadas em família.

Redação W3: Como os pais podem explicar aos pequenos a atual situação que vivemos, sem deixá-los muito estressados?

Melissa: É necessário considerar a idade de cada criança, mas uma boa alternativa é explicar que há um vírus (um bichinho que não conseguimos enxergar) que deixa as pessoas doentes e que ele não consegue nos achar em casa, porque é o lugar que estamos mais seguros agora. Podemos também explicar que o vírus não caminha e sim pega carona nas mãos das pessoas, no rosto, na boca, e é por isso temos que ficar cada um em sua casa. Essa é uma maneira de nos proteger, de proteger os amigos, os avós. Tenho certeza que as crianças irão entender e querer permanecer em casa. Foi assim que expliquei para os meus próprios filhos. Também ressaltei que ainda não há a vacina. Aliás, este é um ótimo momento para explicarmos sobre a importância das vacinas!

Redação W3: Quais atividades físicas são mais indicadas para as famílias que moram em apartamentos? E as que moram em casa?

Melissa: Nos apartamentos, é importante explorar toda parte da casa e até a área de serviço pode ser aproveitada para uma atividade (brincadeira com bonecas tomando banho na bacia, com bolhas de sabão, etc) e isso pode tornar tudo mais leve. É ótimo colocar os brinquedos separados e não deixar tudo à disposição. Ir trocando por dia ou por semana e na medida que haja interesse e necessidade. Porém, é preciso cuidar para que a criança organize um caixa primeiro para depois pegar a outra. É possível brincar no corredor de circuito com lã, almofadas ou potes, fazer cabana com cortinas, usar a lanterna para fazer leituras e separar um cantinho sagrado para os estudos.

Isso sem falar que é possível resgatar atividades que os pais gostam como: músicas, brincadeiras, danças e desenhos da época de sua infância. Os filhos podem adorar conhecer tudo isso mais a fundo! E os pais podem assistir filmes, vídeos, fazer brincadeiras que as crianças fazem com seus amigos. Será ótimo para todos. É nesse período que as coisas simples podem ajudar: avião de papel e outras dobraduras, máscara de jornal, mímica, rolhada, bolha de sabão com canudo ou arame, dominó, etc.

É preciso se virar: se em casa dá para brincar de esconder, no apartamento dá para brincar de esconder algo; se em casa dá para jogar bola, no apartamento dá para fazer cesta com bola de papel (nem que a cesta seja a de roupa suja). É preciso ser criativo e aproveitar a companhia e tudo que está a nossa volta.

Redação W3: Como manter saudável a saúde física e mental dos pequenos nesse momento de tensão?

Melissa: Primeiro, é importante não deixá-los escutar todas as notícias e os vídeos e não comentar todas as preocupações na frente deles. Depois, é preciso reservar espaço para atividades que relaxam, como leitura (o mesmo livro pode ganhar um final diferente, pode ser contado pela criança baseado nas figuras), massinha de modelar, brincadeiras que envolvam montagens. E sempre cuidar para escutá-los. É fundamental você estar ao lado deles e dar atenção… não vale ficar com um olho neles e outro no celular. Se você reservou um tempo para eles, então cumpra!

Para aqueles que moram em casa é preciso que a criança faça atividades com a bicicleta, patinete, com a bola, com a corda e com dança. E para aqueles que moram em apartamento vale tudo que faz exercitar. Se em há um colchão de molas programe-se para que um dia, por um tempo, ela possa fazer brincadeira com você ali. Atividades que envolvam dança, que envolvam movimentos (como a brincadeira da cadeira ou almofada), circuito com as cadeiras e tudo que faça a criança se movimentar, liberar energia sem correr riscos. Contudo, atenção – essas atividades devem ser permitidas por você, pois o desejo do seu filho não deve ser um ordem.

Além disso, manter o hábito alimentar saudável é imprescindível. Relembro que a rotina estruturada vale também para a alimentação. Então é preciso ter o horário da fruta, o horário das refeições e lanches. Não é legal a criança viver abrindo armário e geladeira. O Segredo é organização e respeito.

Redação W3: Quais alternativas os pais podem buscar para entreter os pequenos caso essa quarentena se estenda para muitos meses?

Melissa: Além de todas as atividades que já comentei, vale o suporte das escolas e das atividades que envolvam arte e escrita. Este é um período em que os pais irão valorizar mais ainda as atividades escolares, pois, com essas atividades, as crianças poderão relaxar, externar suas emoções e evoluir diante dos olhos dos pais atentos e esforçados. Não esqueçam do espaço sagrado para atividades escolares. Com o tempo teremos que nos adaptar e criar soluções para nos mantermos no melhor caminho. Mas um caminho certo é o amor e o respeito. É preciso que o filho respeite o momento em que o pai quer ficar quieto, e os pais entendam o momento que os filhos querem descontrair e o momento de parar tudo e dar atenção apenas para ele – olhe nos olhos dos seus filhos, valorize esse tempo, reconheça a valor da companhia e aproveite para ensinar coisas que não havia sobrado tempo até agora.

Redação W3: Há alguma outra dica que tu considere importante dar às famílias preocupadas neste momento?

Melissa: O que considero mais importante neste momento é nos mantermos saudável de hábitos e sentimentos. Estruture sua casa e uma rotina saudável: acordem, abram as janelas e arrumem as camas, guardem os cobertores, troquem de roupas, tomem café juntos (façam a mesa e recolham juntos), organizem tudo, limpem o pátio, molhem as plantas, alimentem os animais, distribuam funções (os pequenos podem secar a louça que não quebra e não é pontiaguda, podem ajudar a estender a roupa no varal de chão, etc).

Cuidem para que haja espaço para a conversa, para os olhares, para a oração, para fazer ligações, cartinhas, ou enviar vídeos com demonstrações de amor e cuidado para os parentes e amigos. Também não esqueça de liberar espaço para as brincadeiras, mas não permita a desordem – “nos divertimos e fizemos essa bagunça, agora iremos colocar tudo nos seus lugares”. Tudo precisa ter um início, meio e fim… inclusive este período. Espero que logo possamos nos encontrar por aí. Cuidem-se e fiquem bem.

Compartilhe

Voltar às notícias