Projeto para o Novo Parque Belinzoni é apresentado pelo Samae

Estrutura vai incluir espaço para caminhada e lazer. Responsáveis pela obra justificaram a situação das árvores retiradas, que foram substituídas

Em uma cerimônia que contou com poucos convidados e autoridades como o prefeito, Mariano Mazzuco, e o presidente da Câmara de Vereadores, Daniel Viriato Afonso, o Samae apresentou oficialmente ontem, 29, o projeto para o Parque Belinzoni.

Em uma área de 200 mil metros quadrados o novo parque que já está recebendo cercado e portais de acesso desde o final do ano passado, ganhará uma estrutura que promete preservar o meio ambiente e também proporcionar um espaço para as pessoas aproveitarem com atividades saudáveis.

Em um vídeo de apresentação, que minutos depois de lançado já circulava nas redes sociais, os detalhes deste projeto elaborado pelo arquiteto, Diego Daniel (que  assina um blog aqui no Portal W3 link) mostram um verdadeiro sonho para a comunidade local. Parte da área pertence ao município e isso facilitou a idealização do projeto.

O vídeo relata que além da estrutura e portais de entrada, os recursos hídricos também serão valorizados com 2 chafarizes, 1 playground aquático e 2 espelhos d’água. Outro atrativo será um passeio com percurso de mais de três mil metros. O projeto conta ainda com 6 quiosques, 6 banheiros, 2 parques infantis e 2 academias ao ar livre. “Este é um sonho que tenho desde criança. Em 2009 na gestão anterior do prefeito, Mariano Mazzuco, já tinha conversado com o seu secretário de Administração, Daniel Viriato Afonso a respeito deste projeto que desenvolvi para a nossa cidade”, contou o arquiteto.



A expectativa é que a conclusão do projeto seja em no máximo dois anos. Os responsáveis pela obra afirmam que a estrutura não vai prejudicar os mananciais de água, tampouco abrange a área de preservação ambiental que permanecerá protegida. Com relação a retirada de 300 árvores exóticas, o Samae justifica que fez todo o trabalho dentro da legalidade, e que no lugar foram plantadas 500 mudas de árvores frutíferas e também nativas.

Segundo o engenheiro ambiental contratado para dar o suporte na obra, Jonatan Piazzoli, a retirada das árvores foi legal. “Fizemos um plano de supressão destas espécies exóticas. Tudo de acordo com a legislação ambiental e sem prejudicar o próprio açude que é um reservatório artificial”, justificou. O superintendente da Fundação Ambiental, a Fama, Luiz Leme, também manteve sua fala neste sentido. “A fundação acompanhou o processo de remoção dos pinos que está prevista nas orientações dos órgãos ambientais”.



Para o diretor do Samae, José Hilson Sasso, o projeto é um sonho antigo, da própria família Belinzoni, antiga proprietária da área. “Tomamos todo o cuidado para atender as necessidades da comunidade, do meio ambiente e dos projetos da própria família Belinzoni para o local. Eles plantaram este sonho e estamos regando agora. Lideranças, vereadores, entidades e empresas especializadas foram consultadas antes de fazermos o projeto”, contou.

Sasso ainda explicou na cerimônia de lançamento do projeto que aquela região e os moradores do entorno vinham sofrendo alguns problemas em razão da falta de cuidados com o parque. “No parque tinham invasões e gente jogando lixo, então começamos pela segurança. Investimos neste primeiro momento R$1,450 milhões para cercar, criar os portais e nas calçadas e estacionamento. Importante às pessoas entenderem que desenvolvemos um projeto com atrativos para as famílias, escolas, para que os adolescentes interajam com natureza e nos ajudem a preservar o local que é de toda a cidade”.

Em uma cerimônia que contou com poucos convidados e autoridades como o prefeito, Mariano Mazzuco, e o presidente da Câmara de Vereadores, Daniel Viriato Afonso, o Samae apresentou oficialmente ontem, 29, o projeto para o Parque Belinzoni.

Em uma área de 200 mil metros quadrados o novo parque que já está recebendo cercado e portais de acesso desde o final do ano passado, ganhará uma estrutura que promete preservar o meio ambiente e também proporcionar um espaço para as pessoas aproveitarem com atividades saudáveis.

Em um vídeo de apresentação, que minutos depois de lançado já circulava nas redes sociais, os detalhes deste projeto elaborado pelo arquiteto, Diego Daniel (que  assina um blog aqui no Portal W3 link) mostram um verdadeiro sonho para a comunidade local. Parte da área pertence ao município e isso facilitou a idealização do projeto.

O vídeo relata que além da estrutura e portais de entrada, os recursos hídricos também serão valorizados com 2 chafarizes, 1 playground aquático e 2 espelhos d’água. Outro atrativo será um passeio com percurso de mais de três mil metros. O projeto conta ainda com 6 quiosques, 6 banheiros, 2 parques infantis e 2 academias ao ar livre. “Este é um sonho que tenho desde criança. Em 2009 na gestão anterior do prefeito, Mariano Mazzuco, já tinha conversado com o seu secretário de Administração, Daniel Viriato Afonso a respeito deste projeto que desenvolvi para a nossa cidade”, contou o arquiteto.

A expectativa é que a conclusão do projeto seja em no máximo dois anos. Os responsáveis pela obra afirmam que a estrutura não vai prejudicar os mananciais de água, tampouco abrange a área de preservação ambiental que permanecerá protegida. Com relação a retirada de 300 árvores exóticas, o Samae justifica que fez todo o trabalho dentro da legalidade, e que no lugar foram plantadas 500 mudas de árvores frutíferas e também nativas.

Segundo o engenheiro ambiental contratado para dar o suporte na obra, Jonatan Piazzoli, a retirada das árvores foi legal. “Fizemos um plano de supressão destas espécies exóticas. Tudo de acordo com a legislação ambiental e sem prejudicar o próprio açude que é um reservatório artificial”, justificou. O superintendente da Fundação Ambiental, a Fama, Luiz Leme, também manteve sua fala neste sentido. “A fundação acompanhou o processo de remoção dos pinos que está prevista nas orientações dos órgãos ambientais”.

Para o diretor do Samae, José Hilson Sasso, o projeto é um sonho antigo, da própria família Belinzoni, antiga proprietária da área. “Tomamos todo o cuidado para atender as necessidades da comunidade, do meio ambiente e dos projetos da própria família Belinzoni para o local. Eles plantaram este sonho e estamos regando agora. Lideranças, vereadores, entidades e empresas especializadas foram consultadas antes de fazermos o projeto”, contou.

Sasso ainda explicou na cerimônia de lançamento do projeto que aquela região e os moradores do entorno vinham sofrendo alguns problemas em razão da falta de cuidados com o parque. “No parque tinham invasões e gente jogando lixo, então começamos pela segurança. Investimos neste primeiro momento R$1,450 milhões para cercar, criar os portais e nas calçadas e estacionamento. Importante às pessoas entenderem que desenvolvemos um projeto com atrativos para as famílias, escolas, para que os adolescentes interajam com natureza e nos ajudem a preservar o local que é de toda a cidade”.

Compartilhe

Voltar às notícias