Políticas públicas trabalham incentivo à cultura em Araranguá durante a pandemia

Departamento de Cultura e Conselho Municipal realizam cadastramento de artistas e agentes culturais para recebimento de repasse da Lei Aldir Blanc

Por Dyessica Abadi

O ano de 2020 está sendo singular em suas vivências. A pandemia de Covid-19 instaurou uma nova crise econômica mundial e transformou os mais diversos hábitos sociais. Nesse cenário, o setor cultural foi imensamente impactado, tanto pela questão de fomento, quanto pela sua preservação. Em Araranguá, o Departamento de Cultura e o Conselho Municipal de Cultura estão trabalhando unidos com o objetivo de auxiliar artistas locais e preservar a cultura em meio à grande crise social que estamos vivenciando.

O Departamento de Cultura é o setor responsável pela definição, promoção e execução de políticas culturais em Araranguá, bem como a preservação e restauração do patrimônio histórico das raízes culturais municipais. Já em outra instância, o Conselho Municipal de Políticas Culturais tem o objetivo de incentivar o desenvolvimento cultural da cidade por meio de ações provenientes da sociedade civil — ou seja, a comunidade local propõe de forma colaborativa junto ao município diretrizes e ações para a cultura municipal.

Com eventos cancelados, Cultura foca na preservação histórica e cultural de Araranguá


Durante o período de isolamento social, o Departamento de Cultura continua realizando suas atividades internas normalmente. São feitos trabalhos de reserva técnica de inventário, higienização, digitalizando de documentos, entre outras atividades do setor cultural administrativo que não pararam durante o período de pandemia da Covid-19. A diretora do Departamento de Cultura de Araranguá, Michelini Vargas, explica que o setor centrou as suas atividades na preservação do patrimônio histórico. "Intensificamos os trabalhos no arquivo histórico do Museu de Araranguá e demos continuidade ao trabalho de catalogar o acervos do museu e inclusive realizar pesquisas", destaca.

Entretanto, todas as ações e e eventos culturais do Departamento Cultural programadas para 2020 foram canceladas. "Diversos eventos foram interrompidos dentro de um formato presencial, como o aniversário da cidade e a festa junina. Neste momento, não temos nenhuma possibilidade presencial com público — o que temos é um novo olhar para estar realizando atividades por meio de lives, contações de história, tudo em ambiente virtual. É isso que nós estamos nos programando agora: uma nova roupagem para estar difundindo e preservando a cultura", explica Michelini.
Teremos eventos culturais, porém respeitando o momento de pandemia e realizando de forma virtual todas as ações em todos os segmentos das artes". Micheline Vargas, diretora do Departamento de Cultura de Araranguá.

Além dos eventos, outro projeto denominado Educação Patrimonial Museu na Escola foi interrompido devido ao cancelamento das aulas presenciais na educação. Contudo, de acordo com a gestora, o momento serviu para dar continuidade a projetos mais antigos do setor, como a digitalização do acervo documental, que se iniciou em 2018. "Esse projeto também se torna público e está disponível o acesso para as pessoas, tanto para pesquisa, como para quem tem nenhuma afinidade grande com a história", destaca Michelini. O projeto se mantém durante a pandemia de Covid-19, justamente pela importância do compromisso com a história e a sua preservação.

Artistas devem fazer cadastro para receber repasse da Lei Aldir Blanc


Na semana passada, o Portal W3 publicou uma reportagem especial sobre a atual situação da cultura araranguaenses em meio ao cenário de pandemia do Covid-19 e trazia a informação do repasse de R$ 1,6 milhão para os municípios da região do Extremo Sul Catarinense por meio da Lei Aldir Blanc. De acordo com a AMESC (Associação dos Municípios do Extremo Sul Catarinense), a estimativa é que Araranguá receba o repasse de mais de R$ 475 mil reais provenientes da Lei, conforme critérios de rateio do Fundo de Participação dos Municípios e população local.

Durante as primeiras semanas de quarentena, Departamento e Conselho de Cultura iniciaram o processo de mapeamento cultural da cidade, com o objetivo de implementar políticas de auxílio aos artistas locais durante o momento emergencial. Segundo a diretora do Departamento de Cultura de Araranguá, Michelini Vargas, a ação antecedeu a chegada da notícia da Lei Aldir Blanc. "Nós intensificamos o processo de cadastramento, pois é fundamental nós nos unirmos nesse momento para que os artistas realizem o cadastro e estejam aptos a receber o auxílio", destaca.

De acordo com a representante do Departamento de Cultura, a Lei Aldir Blanc já foi sancionada, mas ela ainda não foi regulamentada e seu repasse ainda não foi feito aos municípios. "Nós estamos nos antecipando, pois o dinheiro ainda não chegou nos municípios e o prazo de 60 dias é contado a partir de quando o recurso chega. Então, nós estamos fazendo o mapeamento, elaborando editais pautados pela Conferência de Cultura, para poder antecipar esse processo", diz Michelini.

O presidente do Conselho Municipal de Políticas Culturais, professor e músico, Neto Nunes, revela que, por meio dos dados de cadastros do mapeamento cultural, é possível levantar as principais e possíveis ações relacionadas ao fomento da cultura no município. O objetivo é viabilizar recursos aos artistas locais para financiamento de lives, exposição artística virtual, entre outros. "Na verdade, são os artistas que vão tem que propor o trabalho que será financiado pelo edital do município", destaca Neto.

Além do mapeamento de artistas locais, o Departamento e Conselho de Cultura trabalham na elaboração de editais que visam fomentar a cultura local em meio à crise sanitária de Covid-19. "A Lei Aldir Blanc também possibilita a abertura de editais no setor cultural, então estamos alinhados na missão de fazer esse repasse, que vem para contribuir com o setor cultural nesse momento emergencial de Covid-19", salienta Michelini Vargas. A representante ainda destaca o trabalho Colegiado de Cultura da AMESC, que contribui com a troca de experiências entre os setores culturais dos 15 municípios da região Extremo Sul.
Precisamos que os artistas façam o seu cadastro, tanto no município, quanto no estado, para que possam ter acesso a este recurso. Além disso, também estamos elaborando editais do inciso desta Lei. Ou seja, neste momento, o Departamento e o Conselho de Cultura de Araranguá estão antecipando ações para que, quando o Governo Federal disponibilizar esse recurso, nós já possamos estar prontos para fazer os repasses aos editais e aos artistas cadastrados". Micheline Vargas, diretora do Departamento de Cultura de Araranguá.

Se você é artista ou agente cultural em Araranguá e deseja receber o auxílio emergencial proveniente da Lei Aldir Blanc, cadastre-se no site do município através do link: https://www.ararangua.sc.gov.br. Também é necessário completar o cadastro no mapeamento cultural do governo do Estado através do link: http://mapacultural.sc.gov.br.

[caption id="attachment_63638" align="aligncenter" width="600"] Imagem: Divulgação/Departamento de Cultura de Araranguá[/caption]

Por Dyessica Abadi

O ano de 2020 está sendo singular em suas vivências. A pandemia de Covid-19 instaurou uma nova crise econômica mundial e transformou os mais diversos hábitos sociais. Nesse cenário, o setor cultural foi imensamente impactado, tanto pela questão de fomento, quanto pela sua preservação. Em Araranguá, o Departamento de Cultura e o Conselho Municipal de Cultura estão trabalhando unidos com o objetivo de auxiliar artistas locais e preservar a cultura em meio à grande crise social que estamos vivenciando.

O Departamento de Cultura é o setor responsável pela definição, promoção e execução de políticas culturais em Araranguá, bem como a preservação e restauração do patrimônio histórico das raízes culturais municipais. Já em outra instância, o Conselho Municipal de Políticas Culturais tem o objetivo de incentivar o desenvolvimento cultural da cidade por meio de ações provenientes da sociedade civil — ou seja, a comunidade local propõe de forma colaborativa junto ao município diretrizes e ações para a cultura municipal.

Com eventos cancelados, Cultura foca na preservação histórica e cultural de Araranguá

Durante o período de isolamento social, o Departamento de Cultura continua realizando suas atividades internas normalmente. São feitos trabalhos de reserva técnica de inventário, higienização, digitalizando de documentos, entre outras atividades do setor cultural administrativo que não pararam durante o período de pandemia da Covid-19. A diretora do Departamento de Cultura de Araranguá, Michelini Vargas, explica que o setor centrou as suas atividades na preservação do patrimônio histórico. “Intensificamos os trabalhos no arquivo histórico do Museu de Araranguá e demos continuidade ao trabalho de catalogar o acervos do museu e inclusive realizar pesquisas”, destaca.

Entretanto, todas as ações e e eventos culturais do Departamento Cultural programadas para 2020 foram canceladas. “Diversos eventos foram interrompidos dentro de um formato presencial, como o aniversário da cidade e a festa junina. Neste momento, não temos nenhuma possibilidade presencial com público — o que temos é um novo olhar para estar realizando atividades por meio de lives, contações de história, tudo em ambiente virtual. É isso que nós estamos nos programando agora: uma nova roupagem para estar difundindo e preservando a cultura”, explica Michelini.

Teremos eventos culturais, porém respeitando o momento de pandemia e realizando de forma virtual todas as ações em todos os segmentos das artes”. Micheline Vargas, diretora do Departamento de Cultura de Araranguá.

Além dos eventos, outro projeto denominado Educação Patrimonial Museu na Escola foi interrompido devido ao cancelamento das aulas presenciais na educação. Contudo, de acordo com a gestora, o momento serviu para dar continuidade a projetos mais antigos do setor, como a digitalização do acervo documental, que se iniciou em 2018. “Esse projeto também se torna público e está disponível o acesso para as pessoas, tanto para pesquisa, como para quem tem nenhuma afinidade grande com a história”, destaca Michelini. O projeto se mantém durante a pandemia de Covid-19, justamente pela importância do compromisso com a história e a sua preservação.

Artistas devem fazer cadastro para receber repasse da Lei Aldir Blanc

Na semana passada, o Portal W3 publicou uma reportagem especial sobre a atual situação da cultura araranguaenses em meio ao cenário de pandemia do Covid-19 e trazia a informação do repasse de R$ 1,6 milhão para os municípios da região do Extremo Sul Catarinense por meio da Lei Aldir Blanc. De acordo com a AMESC (Associação dos Municípios do Extremo Sul Catarinense), a estimativa é que Araranguá receba o repasse de mais de R$ 475 mil reais provenientes da Lei, conforme critérios de rateio do Fundo de Participação dos Municípios e população local.

Durante as primeiras semanas de quarentena, Departamento e Conselho de Cultura iniciaram o processo de mapeamento cultural da cidade, com o objetivo de implementar políticas de auxílio aos artistas locais durante o momento emergencial. Segundo a diretora do Departamento de Cultura de Araranguá, Michelini Vargas, a ação antecedeu a chegada da notícia da Lei Aldir Blanc. “Nós intensificamos o processo de cadastramento, pois é fundamental nós nos unirmos nesse momento para que os artistas realizem o cadastro e estejam aptos a receber o auxílio”, destaca.

De acordo com a representante do Departamento de Cultura, a Lei Aldir Blanc já foi sancionada, mas ela ainda não foi regulamentada e seu repasse ainda não foi feito aos municípios. “Nós estamos nos antecipando, pois o dinheiro ainda não chegou nos municípios e o prazo de 60 dias é contado a partir de quando o recurso chega. Então, nós estamos fazendo o mapeamento, elaborando editais pautados pela Conferência de Cultura, para poder antecipar esse processo”, diz Michelini.

O presidente do Conselho Municipal de Políticas Culturais, professor e músico, Neto Nunes, revela que, por meio dos dados de cadastros do mapeamento cultural, é possível levantar as principais e possíveis ações relacionadas ao fomento da cultura no município. O objetivo é viabilizar recursos aos artistas locais para financiamento de lives, exposição artística virtual, entre outros. “Na verdade, são os artistas que vão tem que propor o trabalho que será financiado pelo edital do município”, destaca Neto.

Além do mapeamento de artistas locais, o Departamento e Conselho de Cultura trabalham na elaboração de editais que visam fomentar a cultura local em meio à crise sanitária de Covid-19. “A Lei Aldir Blanc também possibilita a abertura de editais no setor cultural, então estamos alinhados na missão de fazer esse repasse, que vem para contribuir com o setor cultural nesse momento emergencial de Covid-19”, salienta Michelini Vargas. A representante ainda destaca o trabalho Colegiado de Cultura da AMESC, que contribui com a troca de experiências entre os setores culturais dos 15 municípios da região Extremo Sul.

Precisamos que os artistas façam o seu cadastro, tanto no município, quanto no estado, para que possam ter acesso a este recurso. Além disso, também estamos elaborando editais do inciso desta Lei. Ou seja, neste momento, o Departamento e o Conselho de Cultura de Araranguá estão antecipando ações para que, quando o Governo Federal disponibilizar esse recurso, nós já possamos estar prontos para fazer os repasses aos editais e aos artistas cadastrados”. Micheline Vargas, diretora do Departamento de Cultura de Araranguá.

Se você é artista ou agente cultural em Araranguá e deseja receber o auxílio emergencial proveniente da Lei Aldir Blanc, cadastre-se no site do município através do link: https://www.ararangua.sc.gov.br. Também é necessário completar o cadastro no mapeamento cultural do governo do Estado através do link: http://mapacultural.sc.gov.br.

Imagem: Divulgação/Departamento de Cultura de Araranguá

Compartilhe

Voltar às notícias