Plantão Coronavírus: 12% dos presos do Santa Augusta estão contaminados

A semana começa com 130 presos contaminados e mais 21 aguardando resultado dos exames

Foto Thathiana Gurgel/DPRJ

A semana começou com a confirmação de que no Presídio Santa Augusta, em Criciúma, 130 presos estão contaminados com o Covid-19. Destes, 21 já se recuperaram e os demais se mantem em isolamento. O número chega a 12,7% da população carcerária do local. A capacidade do Santa Augusta é de 700 presos, mas a unidade conta atualmente com 1020 e boa parte é de preso encaminhado pela região da Amesc já que o Presídio Regional de Araranguá está interditado pela superlotação.

De acordo com a juíza corregedora, Débora Zanini, responsável pela Comarca de Criciúma, a contaminação foi provocada pelos novos presos recebidos no período de pandemia. “Nenhum dos contaminados precisou ser levado ao hospital. Todos estão com sintomas leves, alguns até assintomáticos e mantidos em isolamento. A criminalidade não parou e foram recebidos novos presos que provavelmente estavam com o vírus e contaminaram os demais”, contou esclarecendo ainda que o isolamento destes presos acontece no próprio presídio, mas em espaço separado dos demais sem contaminação.

A juíza também esclareceu que o projeto de construção de uma nova unidade prisional com capacidade para mais 500 homens foi paralisado em função do Covid-19, mas que depende do Governo do Estado.

Já na Penitenciária Feminina com capacidade para 300 mulheres e a Penitanciária Sul para 800 homens, não tem registro da doença. “Na Penitenciaria Sul logo no inicio da pandemia um preso testou positivo mas já se curou”, contou a juíza que também responde pelas unidades.

O Portal W3 também apurou a situação do Presídio Regional, e até o momento, nenhum preso foi contaminado.

 

Foto Thathiana Gurgel/DPRJ

A semana começou com a confirmação de que no Presídio Santa Augusta, em Criciúma, 130 presos estão contaminados com o Covid-19. Destes, 21 já se recuperaram e os demais se mantem em isolamento. O número chega a 12,7% da população carcerária do local. A capacidade do Santa Augusta é de 700 presos, mas a unidade conta atualmente com 1020 e boa parte é de preso encaminhado pela região da Amesc já que o Presídio Regional de Araranguá está interditado pela superlotação.

De acordo com a juíza corregedora, Débora Zanini, responsável pela Comarca de Criciúma, a contaminação foi provocada pelos novos presos recebidos no período de pandemia. “Nenhum dos contaminados precisou ser levado ao hospital. Todos estão com sintomas leves, alguns até assintomáticos e mantidos em isolamento. A criminalidade não parou e foram recebidos novos presos que provavelmente estavam com o vírus e contaminaram os demais”, contou esclarecendo ainda que o isolamento destes presos acontece no próprio presídio, mas em espaço separado dos demais sem contaminação.

A juíza também esclareceu que o projeto de construção de uma nova unidade prisional com capacidade para mais 500 homens foi paralisado em função do Covid-19, mas que depende do Governo do Estado.

Já na Penitenciária Feminina com capacidade para 300 mulheres e a Penitanciária Sul para 800 homens, não tem registro da doença. “Na Penitenciaria Sul logo no inicio da pandemia um preso testou positivo mas já se curou”, contou a juíza que também responde pelas unidades.

O Portal W3 também apurou a situação do Presídio Regional, e até o momento, nenhum preso foi contaminado.

 

Compartilhe

Voltar às notícias