Parto raro é realizado em Criciúma

Um bebê nasceu ainda na bolsa e envolto no líquido amniótico durante um parto normal de gêmeos

Fotos: Divulgação/SES

Por Dyessica Abadi

Um bebê nasceu ainda na bolsa e envolto no líquido amniótico durante um parto normal de gêmeos. O procedimento raro aconteceu no Hospital Materno-Infantil Santa Catarina, em Criciúma, nesta quinta-feira, 05.

O chamado "parto empelicado" ocorra uma vez a cada 80 mil nascimentos — por se tratar de parto gemelar, que na grande maioria das vezes é feito por cesariana e com rompimento da bolsa, o nascimento foi ainda mais raro.

Os gêmeos Brayan e Emanuel são filhos de Keila Barbon Henrique e de Gilmar Concatto da Silva, de Forquilhinha. Brayan nasceu às 9h32min e Emanuel às 9h41min – e ainda na bolsa amniótica. Ambos os bebês pesam cerca de 2 kg e medem 44 cm.

“Parto empelicado é quando o bebê nasce dentro da bolsa de líquido amniótico, sem rompê-la. Enquanto o bebê está dentro da bolsa, ele continua recebendo todos os nutrientes e oxigênio através do cordão umbilical, não existindo qualquer risco para a sua sobrevivência. No entanto, ele precisa ser retirado da bolsa para que o médico possa avaliar se está saudável”, explica o doutor Allan Fagundes Pacheco, coordenador de ginecologia e obstetrícia do hospital.

A mãe Keila e os recém-nascidos passam bem.



Fonte: Assessoria de Comunicação/SES

 Quer receber notícias pelo WhatsApp? Clique aqui

Fotos: Divulgação/SES

Por Dyessica Abadi

Um bebê nasceu ainda na bolsa e envolto no líquido amniótico durante um parto normal de gêmeos. O procedimento raro aconteceu no Hospital Materno-Infantil Santa Catarina, em Criciúma, nesta quinta-feira, 05.

O chamado “parto empelicado” ocorra uma vez a cada 80 mil nascimentos — por se tratar de parto gemelar, que na grande maioria das vezes é feito por cesariana e com rompimento da bolsa, o nascimento foi ainda mais raro.

Os gêmeos Brayan e Emanuel são filhos de Keila Barbon Henrique e de Gilmar Concatto da Silva, de Forquilhinha. Brayan nasceu às 9h32min e Emanuel às 9h41min – e ainda na bolsa amniótica. Ambos os bebês pesam cerca de 2 kg e medem 44 cm.

“Parto empelicado é quando o bebê nasce dentro da bolsa de líquido amniótico, sem rompê-la. Enquanto o bebê está dentro da bolsa, ele continua recebendo todos os nutrientes e oxigênio através do cordão umbilical, não existindo qualquer risco para a sua sobrevivência. No entanto, ele precisa ser retirado da bolsa para que o médico possa avaliar se está saudável”, explica o doutor Allan Fagundes Pacheco, coordenador de ginecologia e obstetrícia do hospital.

A mãe Keila e os recém-nascidos passam bem.

Fonte: Assessoria de Comunicação/SES

 Quer receber notícias pelo WhatsApp? Clique aqui

Compartilhe

Voltar às notícias