“Para minha surpresa, meu exame deu positivo”, diz araranguaense que contraiu COVID-19

Richard Dassoler foi um paciente assintomático de coronavírus

Desde o início da pandemia, se fala sobre as possibilidades de existir portadores assintomáticos de coronavírus. O Araranguaense Richard Dassoler foi um deles. Embora tenha contraído o vírus, ele teve a sorte de não ter qualquer manifestação da doença.

Atualmente, Dassoler se encontra curado e livre de qualquer risco de infecção, mas origem do contágio ainda é desconhecida. “Não sei onde peguei, talvez alguma ida ao supermercado, farmácia, barbearia. Alguns amigos próximos que tive contato fizeram o exame, mas deu negativo”, salienta.

Dassoler descobriu que possuía o COVID-19 ao participar de uma pesquisa. O convite surgiu da namorada de um amigo e por estar sem nenhum sintoma negou, mas acabou fazendo e se surpreendeu com o resultado. “Como eu estava normal falei que não precisava, mas ela insistiu e acabei participando. Para minha surpresa, no outro dia me ligaram e falaram que meu exame tinha dado positivo. Na hora não acreditei, acabei indo na Unimed e fiz um particular para tirar a dúvida e novamente deu positivo. Depois disso fiquei em isolamento”.

Dassoler tem 29 anos e não pertence a nenhum grupo de risco. Mesmo com o nível transmissão sendo menor em pacientes assintomáticos – já que não tossem ou espirram, quando descobriu, cumpriu 14 dias de isolamento e teve todo seu ciclo social testado. “Estou assintomático desde quando peguei. Acabo até achando estranho pois pelos casos que já soube sempre deu algum sintoma, mas eu graças a Deus não tive nenhum”, destaca.

[caption id="attachment_62803" align="alignnone" width="418"] Exame com o resultado positivo[/caption]

Ao terminar a entrevista, Richard pediu para deixar um recado aos leitores da matéria. “Se puderem ficar em casa, fiquem. Muita gente está fazendo pouco caso, mas isso não é brincadeira. Estamos vendo o número de mortes que está acontecendo no país. Eu fui um paciente assintomático, mas muitas pessoas não terão a mesma sorte. Então pense em você e nas pessoas que vocês amam”, finaliza.

 

Desde o início da pandemia, se fala sobre as possibilidades de existir portadores assintomáticos de coronavírus. O Araranguaense Richard Dassoler foi um deles. Embora tenha contraído o vírus, ele teve a sorte de não ter qualquer manifestação da doença.

Atualmente, Dassoler se encontra curado e livre de qualquer risco de infecção, mas origem do contágio ainda é desconhecida. “Não sei onde peguei, talvez alguma ida ao supermercado, farmácia, barbearia. Alguns amigos próximos que tive contato fizeram o exame, mas deu negativo”, salienta.

Dassoler descobriu que possuía o COVID-19 ao participar de uma pesquisa. O convite surgiu da namorada de um amigo e por estar sem nenhum sintoma negou, mas acabou fazendo e se surpreendeu com o resultado. “Como eu estava normal falei que não precisava, mas ela insistiu e acabei participando. Para minha surpresa, no outro dia me ligaram e falaram que meu exame tinha dado positivo. Na hora não acreditei, acabei indo na Unimed e fiz um particular para tirar a dúvida e novamente deu positivo. Depois disso fiquei em isolamento”.

Dassoler tem 29 anos e não pertence a nenhum grupo de risco. Mesmo com o nível transmissão sendo menor em pacientes assintomáticos – já que não tossem ou espirram, quando descobriu, cumpriu 14 dias de isolamento e teve todo seu ciclo social testado. “Estou assintomático desde quando peguei. Acabo até achando estranho pois pelos casos que já soube sempre deu algum sintoma, mas eu graças a Deus não tive nenhum”, destaca.

Exame com o resultado positivo

Ao terminar a entrevista, Richard pediu para deixar um recado aos leitores da matéria. “Se puderem ficar em casa, fiquem. Muita gente está fazendo pouco caso, mas isso não é brincadeira. Estamos vendo o número de mortes que está acontecendo no país. Eu fui um paciente assintomático, mas muitas pessoas não terão a mesma sorte. Então pense em você e nas pessoas que vocês amam”, finaliza.

 

Compartilhe

Voltar às notícias