Ministério do Trabalho pede eleição virtual para sindicato de Arroio do Silva

MPT também solicita imediata remessa da listagem de funcionários filiados a todas as chapas concorrentes ao sindicato

Por Dyessica Abadi

O Ministério Público do Trabalho (MPT) manifestou-se acerca da eleição para presidência do Sindicato dos Servidores Públicos de Balneário Arroio do Silva. Nesta semana, uma liminar foi encaminhada à Justiça do Trabalho pedindo o adiamento da votação por conta da falta de segurança sanitária e alegando irregularidades no processo eleitoral (leia a matéria completa clicando aqui). Agora, o MPT aponta como alternativa a realização do pleito por meios virtuais, bem como a imediata remessa da listagem de funcionários filiados a todas as chapas concorrentes ao sindicato.

A manifestação foi encaminhada à Justiça do Trabalho. O MPT diz que não é possível impor à atual gestão a prorrogação do seu mandato — ao menos que ela e a categoria concordarem. Entretanto, para que todos os funcionários filiados estejam de acordo com isso, uma eleição deveria ser feita, fator que esbarra nas mesmas dificuldades presentes para a realização de uma nova eleição. "Assim, entende-se não ser passível de deferimento o pleito de adiamento das eleições", informa a nota.

O órgão ainda justifica os motivos pelos quais o pleito itinerante não seria uma possibilidade também: "Isso porque, diante do deslocamento da comissão a diversos pontos de votação, permitiria que o vírus fosse transmitido a todos os participantes, assim como se a eleição fosse em apenas um local". Além disso, é destacado também o medo das pessoas em se contaminarem e, portanto, não seria democrático realizar a votação de forma presencial.

O texto ainda solicita a entrega imediata da relação com os nomes dos filiados, telefone e e-mail, às chapas concorrentes. "Diante disso, o Ministério Público do Trabalho, opina pela realização da eleição por meios telepresenciais, com a imediata remessa da listagem postulada", conclui.

Prazo para eleição virtual é questionado


Questionada se a realização do pleito via virtual seria uma boa alternativa às eleições, a presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Balneário Arroio do Silva, Franciele Ramos, respondeu negativamente: "acredito que não". Conforme a gestora, o sindicato já respondeu oficialmente à Justiça do Trabalho. O prazo final de manifestação encerrou-se nesta sexta-feira, 14. Agora, cabe à Justiça decidir pelo futuro do pleito.

O presidente da Chapa Um, Romalino Manoel Júnior, que propôs a eleição ser itinerante, diz que aguarda a decisão da Justiça, pois a viabilidade de uma eleição virtual deverá ser debatida. "Imagina criar agora faltando menos de 10 dias (para a eleição) uma plataforma de votação que seja idônea, à prova de hackeamento e a prova de qualquer irregularidade. É complicado, pois leva um tempo para criar uma plataforma nesse sentido. Na minha opinião ainda é mais seguro três pessoas visitarem as repartições do que todas visitarem a sessão. Vamos esperar o que a promotoria irá decidir", destaca.

O presidente da Chapa Dois, Diomar Souza Velho, também se mostra preocupado com relação ao prazo apertado da eleição. "Até seria uma boa sugestão, mas seria melhor ter um tempo maior para organizar a eleição e nós termos também acesso a relação de funcionários que são filiados no sindicato. Mas é uma boa ideia fazer a eleição de forma virtual, pois aí não compromete a segurança dos servidores", conclui.

Quer receber notícias pelo WhatsApp? Clique aqui

Por Dyessica Abadi

O Ministério Público do Trabalho (MPT) manifestou-se acerca da eleição para presidência do Sindicato dos Servidores Públicos de Balneário Arroio do Silva. Nesta semana, uma liminar foi encaminhada à Justiça do Trabalho pedindo o adiamento da votação por conta da falta de segurança sanitária e alegando irregularidades no processo eleitoral (leia a matéria completa clicando aqui). Agora, o MPT aponta como alternativa a realização do pleito por meios virtuais, bem como a imediata remessa da listagem de funcionários filiados a todas as chapas concorrentes ao sindicato.

A manifestação foi encaminhada à Justiça do Trabalho. O MPT diz que não é possível impor à atual gestão a prorrogação do seu mandato — ao menos que ela e a categoria concordarem. Entretanto, para que todos os funcionários filiados estejam de acordo com isso, uma eleição deveria ser feita, fator que esbarra nas mesmas dificuldades presentes para a realização de uma nova eleição. “Assim, entende-se não ser passível de deferimento o pleito de adiamento das eleições”, informa a nota.

O órgão ainda justifica os motivos pelos quais o pleito itinerante não seria uma possibilidade também: “Isso porque, diante do deslocamento da comissão a diversos pontos de votação, permitiria que o vírus fosse transmitido a todos os participantes, assim como se a eleição fosse em apenas um local”. Além disso, é destacado também o medo das pessoas em se contaminarem e, portanto, não seria democrático realizar a votação de forma presencial.

O texto ainda solicita a entrega imediata da relação com os nomes dos filiados, telefone e e-mail, às chapas concorrentes. “Diante disso, o Ministério Público do Trabalho, opina pela realização da eleição por meios telepresenciais, com a imediata remessa da listagem postulada”, conclui.

Prazo para eleição virtual é questionado

Questionada se a realização do pleito via virtual seria uma boa alternativa às eleições, a presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Balneário Arroio do Silva, Franciele Ramos, respondeu negativamente: “acredito que não”. Conforme a gestora, o sindicato já respondeu oficialmente à Justiça do Trabalho. O prazo final de manifestação encerrou-se nesta sexta-feira, 14. Agora, cabe à Justiça decidir pelo futuro do pleito.

O presidente da Chapa Um, Romalino Manoel Júnior, que propôs a eleição ser itinerante, diz que aguarda a decisão da Justiça, pois a viabilidade de uma eleição virtual deverá ser debatida. “Imagina criar agora faltando menos de 10 dias (para a eleição) uma plataforma de votação que seja idônea, à prova de hackeamento e a prova de qualquer irregularidade. É complicado, pois leva um tempo para criar uma plataforma nesse sentido. Na minha opinião ainda é mais seguro três pessoas visitarem as repartições do que todas visitarem a sessão. Vamos esperar o que a promotoria irá decidir”, destaca.

O presidente da Chapa Dois, Diomar Souza Velho, também se mostra preocupado com relação ao prazo apertado da eleição. “Até seria uma boa sugestão, mas seria melhor ter um tempo maior para organizar a eleição e nós termos também acesso a relação de funcionários que são filiados no sindicato. Mas é uma boa ideia fazer a eleição de forma virtual, pois aí não compromete a segurança dos servidores”, conclui.

Quer receber notícias pelo WhatsApp? Clique aqui

Compartilhe

Voltar às notícias