Ladrão que tentou matar PM é condenado em Criciúma

Durante o Tribunal do Júri, os jurados reconheceram qualificadoras e condenaram o homem a 14 anos de prisão

Um homem de 50 anos foi condenado por tentativa de homicídio duplamente qualificado a 14 anos de prisão, em Sessão do Júri da comarca de Criciúma promovida nesta quinta-feira (19/11). Segundo a denúncia, em julho de 2019 o acusado teria roubado uma farmácia no bairro Pio Corrêa, na cidade-sede da comarca, e durante sua fuga teria atirado duas vezes contra um policial militar. 


Na sessão presidida pelo juiz titular da 1ª Vara Criminal da comarca de Criciúma, Júlio César Bernandes, o Conselho de Sentença reconheceu como qualificadoras que a tentativa de homicídio foi cometida para assegurar a impunidade de crime anteriormente praticado e  ter sido cometida contra Policial Militar no exercício da função. O homem foi condenado por tentativa de homicídio duplamente qualificada e roubo qualificado pelo emprego de arma de fogo a 14 anos, seis meses e 23 dias de reclusão, em regime inicial fechado, ao pagamento de 20 dias-multa e teve negado o direito de recorrer em liberdade. Cabe recurso da decisão ao TJSC. (Ação Penal 0005460-98.2019.8.24.0020).
Um homem de 50 anos foi condenado por tentativa de homicídio duplamente qualificado a 14 anos de prisão, em Sessão do Júri da comarca de Criciúma promovida nesta quinta-feira (19/11). Segundo a denúncia, em julho de 2019 o acusado teria roubado uma farmácia no bairro Pio Corrêa, na cidade-sede da comarca, e durante sua fuga teria atirado duas vezes contra um policial militar. 


Na sessão presidida pelo juiz titular da 1ª Vara Criminal da comarca de Criciúma, Júlio César Bernandes, o Conselho de Sentença reconheceu como qualificadoras que a tentativa de homicídio foi cometida para assegurar a impunidade de crime anteriormente praticado e  ter sido cometida contra Policial Militar no exercício da função. O homem foi condenado por tentativa de homicídio duplamente qualificada e roubo qualificado pelo emprego de arma de fogo a 14 anos, seis meses e 23 dias de reclusão, em regime inicial fechado, ao pagamento de 20 dias-multa e teve negado o direito de recorrer em liberdade. Cabe recurso da decisão ao TJSC. (Ação Penal 0005460-98.2019.8.24.0020).

Compartilhe

Voltar às notícias