Laboratório Privado de Maracajá esclarece polêmicas sobre exames

Com o aumento dos casos no município nos últimos dias, especulações surgiram, mas informações que circulam na rede não procedem

Nos últimos dias, o número de casos de COVID-19 em Maracajá aumentou consideravelmente. O município soma, segundo o último boletim de quarta, 20, dezesseis casos - com a maioria dos supostos pacientes configurando trabalhadores de empresas instaladas nas margens da BR-101.

Inclusive, algumas medidas foram impostas pela secretaria de Saúde do município para tentar conter o contágio do novo vírus, as quais foram tema de matéria aqui no Portal W3 (https://bit.ly/2TpKqjV). A reportagem mostra ainda, que uma das medidas será a prisão daqueles municípios que desrespeitarem a quarentena.

Mas o aumento de casos refletiu também no trabalho do único laboratório privado da cidade, o Laboratório Bioanálises, que foi alvo de críticas nas redes sociais sobre ter apresentado resultados divergentes da realidade, detectando que alguns pacientes negativos para o vírus eram positivos.

Em nota, a direção da rede de laboratórios que possui unidades em outros quatro municípios, afirma que nenhuma das testagens realizadas na unidade deu positivo e este resultado divulgado. Confira a nota:

“Devido as informações que circulavam na cidade de Maracajá, afirmando que testes de COVID-19, realizados por um laboratório da cidade, estavam com resultados incorretos ao detectar que alguns pacientes testaram positivo, nós do Laboratório Bioanálises de Maracajá, viemos por meio deste comunicado, esclarecer que até o presente momento não obtivemos nenhum resultado positivo nos testes rápidos de COVID-19 realizados na unidade, não havendo nenhuma notificação positiva da doença para a vigilância epidemiológica do município. Reafirmamos nosso compromisso com a qualidade e confiabilidade dos nossos resultados e estamos à disposição para quaisquer dúvidas que possam surgir”.

A reportagem entrou em contato com o secretário de Saúde do Município, Diogo Copetti, nesta manhã, para prestar esclarecimentos sobre o assunto antes da publicação da matéria, mas não obtivemos retorno.

Nos últimos dias, o número de casos de COVID-19 em Maracajá aumentou consideravelmente. O município soma, segundo o último boletim de quarta, 20, dezesseis casos – com a maioria dos supostos pacientes configurando trabalhadores de empresas instaladas nas margens da BR-101.

Inclusive, algumas medidas foram impostas pela secretaria de Saúde do município para tentar conter o contágio do novo vírus, as quais foram tema de matéria aqui no Portal W3 (https://bit.ly/2TpKqjV). A reportagem mostra ainda, que uma das medidas será a prisão daqueles municípios que desrespeitarem a quarentena.

Mas o aumento de casos refletiu também no trabalho do único laboratório privado da cidade, o Laboratório Bioanálises, que foi alvo de críticas nas redes sociais sobre ter apresentado resultados divergentes da realidade, detectando que alguns pacientes negativos para o vírus eram positivos.

Em nota, a direção da rede de laboratórios que possui unidades em outros quatro municípios, afirma que nenhuma das testagens realizadas na unidade deu positivo e este resultado divulgado. Confira a nota:

“Devido as informações que circulavam na cidade de Maracajá, afirmando que testes de COVID-19, realizados por um laboratório da cidade, estavam com resultados incorretos ao detectar que alguns pacientes testaram positivo, nós do Laboratório Bioanálises de Maracajá, viemos por meio deste comunicado, esclarecer que até o presente momento não obtivemos nenhum resultado positivo nos testes rápidos de COVID-19 realizados na unidade, não havendo nenhuma notificação positiva da doença para a vigilância epidemiológica do município. Reafirmamos nosso compromisso com a qualidade e confiabilidade dos nossos resultados e estamos à disposição para quaisquer dúvidas que possam surgir”.

A reportagem entrou em contato com o secretário de Saúde do Município, Diogo Copetti, nesta manhã, para prestar esclarecimentos sobre o assunto antes da publicação da matéria, mas não obtivemos retorno.

Compartilhe

Voltar às notícias