Hemosc continua precisando de doadores de sangue na pandemia

Os tipos A-, A+, B-, O- e O+, estão com níveis reduzidos no estoque

O domingo, 15, foi marcado pelo Dia Mundial do Doador de Sangue. Na região Sul Catarinense, o Hemosc de Criciúma é o responsável pelas coletas, e tem reforçado para a necessidade dos voluntários colaborarem com a causa.

Apesar da pandemia, a rotina no hemocentro - situado há quase 35 quilômetros do centro de Araranguá, é a mesma de antes. Em torno de 60 doações são registradas por dia. O material coletado vai para o estoque do Estado de Santa Catarina que tem um sistema integrado e que permite atender todas as regiões.

Desde março com o Covid-19, o atendimento mudou em poucos aspectos: além de  aceitar doação somente por agendamento, uma pré-triagem é feita em uma estrutura equipada pela Defesa Civil em frente ao Hemocentro onde é verificada a temperatura e análise primária de possíveis características do novo vírus. Medidas estas que tem como objetivo evitar a aglomeração de pessoas e orientar.



Atualmente os tipos B+, AB+ e AB- estão com níveis ideais de estoque. Já os tipos A-, A+, B-, O- e O+ reduzidos. De acordo com coordenador da divisão técnica, Rafael Luiz da Silva, a situação não é crítica, mas precisa melhorar. “Registramos queda nas doações durante a pandemia, mas também foram suspensas as cirurgias eletivas e diminuiu as transfusões, por isso, caiu o consumo. Mas o serviço está voltando gradualmente então precisamos manter o estoque equilibrado. Os componentes do sangue tem validades diferentes de 5 dias a 1 ano, então importante o doador não deixar de nos procurar”, explicou.

Quer doar sangue?

  • Informe-se através do site http://www.hemosc.org.br/

  • Ligue no Hemosc Criciúma no (48) 34447410 e 34447414

  • Agende seu horário entre 8h15 e 18h30

O domingo, 15, foi marcado pelo Dia Mundial do Doador de Sangue. Na região Sul Catarinense, o Hemosc de Criciúma é o responsável pelas coletas, e tem reforçado para a necessidade dos voluntários colaborarem com a causa.

Apesar da pandemia, a rotina no hemocentro – situado há quase 35 quilômetros do centro de Araranguá, é a mesma de antes. Em torno de 60 doações são registradas por dia. O material coletado vai para o estoque do Estado de Santa Catarina que tem um sistema integrado e que permite atender todas as regiões.

Desde março com o Covid-19, o atendimento mudou em poucos aspectos: além de  aceitar doação somente por agendamento, uma pré-triagem é feita em uma estrutura equipada pela Defesa Civil em frente ao Hemocentro onde é verificada a temperatura e análise primária de possíveis características do novo vírus. Medidas estas que tem como objetivo evitar a aglomeração de pessoas e orientar.

Atualmente os tipos B+, AB+ e AB- estão com níveis ideais de estoque. Já os tipos A-, A+, B-, O- e O+ reduzidos. De acordo com coordenador da divisão técnica, Rafael Luiz da Silva, a situação não é crítica, mas precisa melhorar. “Registramos queda nas doações durante a pandemia, mas também foram suspensas as cirurgias eletivas e diminuiu as transfusões, por isso, caiu o consumo. Mas o serviço está voltando gradualmente então precisamos manter o estoque equilibrado. Os componentes do sangue tem validades diferentes de 5 dias a 1 ano, então importante o doador não deixar de nos procurar”, explicou.

Quer doar sangue?

  • Informe-se através do site http://www.hemosc.org.br/
  • Ligue no Hemosc Criciúma no (48) 34447410 e 34447414
  • Agende seu horário entre 8h15 e 18h30

Compartilhe

Voltar às notícias