Ex-padre é suspeito de abusar crianças e adolescentes em Tubarão

Prisão ocorreu em Tubarão. Homem já tinha sido condenado em São Paulo e em Goiás pelo mesmo crime

Um homem de 62 anos foi preso na última quarta-feira, 18, suspeito de abusar sexualmente de crianças e adolescentes em Tubarão. Segundo a polícia, o ex-padre atraía suas vítimas se apresentando como professor de música e costumava frequentar escolas e salões paroquiais.


O suspeito já tinha sido condenado outras vezes pelo mesmo crime em outros estados, uma em São Paulo e outra em Goiás. Ao todo, as condenações somam quase 30 anos e o ex-padre já tinha cumprido uma parte das penas. Morador de Tubarão há alguns anos, o suspeito estava em liberdade condicional.


No Sul catarinense, o suspeito também já foi condenado há três anos de prisão por abuso sexual. Por se tratar de crimes contra menores, o caso corre em sigilo na justiça e não é possível ter acesso aos detalhes e quantas vítimas teriam sido ao todo na região.


O nome do suspeito não foi divulgado. O ex-padre foi levado para o Presídio Regional de Tubarão, onde segue à disposição da Justiça.

Um homem de 62 anos foi preso na última quarta-feira, 18, suspeito de abusar sexualmente de crianças e adolescentes em Tubarão. Segundo a polícia, o ex-padre atraía suas vítimas se apresentando como professor de música e costumava frequentar escolas e salões paroquiais.

O suspeito já tinha sido condenado outras vezes pelo mesmo crime em outros estados, uma em São Paulo e outra em Goiás. Ao todo, as condenações somam quase 30 anos e o ex-padre já tinha cumprido uma parte das penas. Morador de Tubarão há alguns anos, o suspeito estava em liberdade condicional.

No Sul catarinense, o suspeito também já foi condenado há três anos de prisão por abuso sexual. Por se tratar de crimes contra menores, o caso corre em sigilo na justiça e não é possível ter acesso aos detalhes e quantas vítimas teriam sido ao todo na região.

O nome do suspeito não foi divulgado. O ex-padre foi levado para o Presídio Regional de Tubarão, onde segue à disposição da Justiça.

Compartilhe

Voltar às notícias