Entrada de viajantes brasileiros é barrada nos Estados Unidos

A medida foi anunciada neste domingo, 24, e passa a valer a partir do dia 28 de maio

Por Dyessica Abadi

O governo americano decidiu proibir a entrada de viajantes estrangeiros que estiveram no Brasil nos últimos 14 dias. A medida foi anunciada neste domingo, 24, e passa a valer a partir do dia 28 de maio. O assessor especial do Presidente Jair Bolsonaro, Filipe Martins, se manifestou nesta segunda-feira, 25, pelo Twitter e afirmou que a medida adotada pelos americanos também já foi adotada anteriormente pelo Governo brasileiro. A publicação foi compartilhada pelo Presidente da República.

[caption id="attachment_61851" align="aligncenter" width="644"] Imagem: Print Screen/Twitter[/caption]

Ainda podem entrar nos Estados Unidos quem possuir residência permanente no país, além de cônjuges, filhos e irmãos de americanos e de residentes permanentes. Além desses, estrangeiros que têm vistos específicos (representantes de outros governos) também não serão afetados pela medida.

As ameaças de restrição a estrangeiros no país já era constantemente citada pelo Presidente Donald Trump. Na última sexta-feira, 22, a Casa Branca e o Departamento de Estado americano concordaram em oficializar a proibição. Nas últimas semanas, o Brasil tem ganhado destaque na imprensa internacional por conta do agravamento da pandemia de Covid-19 no país.

O Presidente Donald Trump é considerado o principal aliado internacional do presidente Jair Bolsonaro. Contudo, o americano tem evitado críticas abertas. “Eu não quero pessoas entrando e infectando nosso povo”, afirmou Trump na terça-feira, 19, quando o Brasil ultrapassou a marca de mil mortes diárias por covid-19.

No Twitter, o assessor especial de Jair Bolsonaro afirmou que o posicionamento do governo americano é apenas burocrático e que o país não tem nada contra o Brasil. Além disso, Martins também atacou a imprensa brasileira. "Ao banir temporariamente a entrada de brasileiros nos EUA, o governo americano está seguindo parâmetros quantitativos previamente estabelecidos, que alcançam naturalmente um país tão populoso quanto o nosso. Não há nada específico contra o Brasil. Ignorem a histeria da imprensa", publicou Filipe Martins.

[caption id="attachment_61852" align="aligncenter" width="643"] Imagem: Print Screen/Twitter[/caption]

Por Dyessica Abadi

O governo americano decidiu proibir a entrada de viajantes estrangeiros que estiveram no Brasil nos últimos 14 dias. A medida foi anunciada neste domingo, 24, e passa a valer a partir do dia 28 de maio. O assessor especial do Presidente Jair Bolsonaro, Filipe Martins, se manifestou nesta segunda-feira, 25, pelo Twitter e afirmou que a medida adotada pelos americanos também já foi adotada anteriormente pelo Governo brasileiro. A publicação foi compartilhada pelo Presidente da República.

Imagem: Print Screen/Twitter

Ainda podem entrar nos Estados Unidos quem possuir residência permanente no país, além de cônjuges, filhos e irmãos de americanos e de residentes permanentes. Além desses, estrangeiros que têm vistos específicos (representantes de outros governos) também não serão afetados pela medida.

As ameaças de restrição a estrangeiros no país já era constantemente citada pelo Presidente Donald Trump. Na última sexta-feira, 22, a Casa Branca e o Departamento de Estado americano concordaram em oficializar a proibição. Nas últimas semanas, o Brasil tem ganhado destaque na imprensa internacional por conta do agravamento da pandemia de Covid-19 no país.

O Presidente Donald Trump é considerado o principal aliado internacional do presidente Jair Bolsonaro. Contudo, o americano tem evitado críticas abertas. “Eu não quero pessoas entrando e infectando nosso povo”, afirmou Trump na terça-feira, 19, quando o Brasil ultrapassou a marca de mil mortes diárias por covid-19.

No Twitter, o assessor especial de Jair Bolsonaro afirmou que o posicionamento do governo americano é apenas burocrático e que o país não tem nada contra o Brasil. Além disso, Martins também atacou a imprensa brasileira. “Ao banir temporariamente a entrada de brasileiros nos EUA, o governo americano está seguindo parâmetros quantitativos previamente estabelecidos, que alcançam naturalmente um país tão populoso quanto o nosso. Não há nada específico contra o Brasil. Ignorem a histeria da imprensa”, publicou Filipe Martins.

Imagem: Print Screen/Twitter

Compartilhe

Voltar às notícias