Documentário “Saberes da Pesca” mostra a atual realidade de pescadores em Araranguá

Projeto desenvolvido por Flávio Filho aborda questões culturais e ambientais

Por Dyessica Abadi

Este conteúdo faz parte da série de reportagens especiais do Portal W3 sobre os projetos culturais de artistas araranguaenses que foram contemplados pela lei Aldir Blanc no ano passado. São inúmeros projetos musicais, de teatro, artesanato, foto, vídeo, entre outras formas de expressão artística. A equipe do Portal buscou selecionar ao menos um artista de cada segmento para fomentar cada vez mais as riquezas culturais locais. Você pode conferir o último texto da série clicando aqui.

Uma das profissões mais antigas da humanidade está passando por diversas dificuldades aqui em Araranguá. Com o objetivo de valorizar a cultura pesqueira e dar voz aos pescadores, Flávio Filho desenvolveu o projeto audiovisual Saberes da Pesca. O documentário acompanha o pescador Vivaldo Antônio da Costa em um breve relato da história da profissão no Rio Araranguá até os dias de hoje. Desenvolvido através da lei de incentivo a cultura Aldir Blanc, o projeto Saberes da Pesca visa resgatar e valorizar a tradição das famílias pesqueiras na região.

"A minha família sempre teve uma ligação cultural tanto com a pesca, como com o campo, com a natureza. Eu acredito que esse é um dos maiores valores que temos na nossa região e está sendo esquecido, então foi por isso que eu escolhi levantar o saber da pesca: como acontece a pesca na nossa região. A partir dessa pergunta, eu tive a certeza de fazer o projeto", revela Flávio Filho em entrevista ao Portal W3.

Ele conta que o projeto foi focado na pesca enquanto trabalho e forma de sustentar a família, pois é essa a tradição que está se perdendo nos dias de hoje. Atualmente, a pesca tornou-se opção de lazer e prática esportiva para turísticas que visitam a região. "Resgatei um pouco da história da pesca, porque a pesca está se perdendo. Não se pesca mais de redão e há vários tipos de peixe que não tem mais no rio, mas que tinham antes", lamenta Flávio.

Para a gravação do documentário, Flávio acompanhou o pescador Vivaldo durante um dia inteiro de trabalho. "É um pescador antigo, de uma família tradicional pesqueira: o pai, o avó e o bisavó eram pescadores, então por isso escolhemos ele. Ele é um dos pescadores mais antigos ali da região da colônia de pesca", destaca. O diretor do curta ainda conta que, para não intimidar Vivaldo, teve que gravar tudo sozinho, com a menor quantidade possível de apetrechos: "foi um lance bem eu e ele conversando, foi bem legal".

O local escolhido para as gravações foi na antiga região de pesqueiros, na colônia de pescadores de Balneário de Ilhas. Hoje, porém, não existe mais. Na divulgação do projeto Saberes da Pesca, Flávio defende que o curta é sobre uma experiência "que não sabemos até quando vai estar presente, pois o rio e o pescador clamam para ser ouvidos... Para que não fiquem apenas na saudade".

Sobre o incentivo da lei Aldir Blanc, Flávio considera que foi importante sim para apoiar os artistas locais, mas principal para apoiar a cultura. "Veio também para despertar as pessoas a querer e ter o interesse de fazer um projeto cultural, porque muitas pessoas não tinham esse incentivo. A questão da cultura é sempre levada em segundo plano, então acredito que foi importante esse incentivo", finaliza.

Flávio Filho é fotógrafo e videomaker. Atualmente, ele gerencia uma produtora de vídeo, a IMUP Estúdio Criativo. Para saber mais, clique aqui.

Assista ao documentário Saberes da Pesca completo abaixo:





Quer receber notícias pelo WhatsApp? Clique aqui


Por Dyessica Abadi

Este conteúdo faz parte da série de reportagens especiais do Portal W3 sobre os projetos culturais de artistas araranguaenses que foram contemplados pela lei Aldir Blanc no ano passado. São inúmeros projetos musicais, de teatro, artesanato, foto, vídeo, entre outras formas de expressão artística. A equipe do Portal buscou selecionar ao menos um artista de cada segmento para fomentar cada vez mais as riquezas culturais locais. Você pode conferir o último texto da série clicando aqui.

Uma das profissões mais antigas da humanidade está passando por diversas dificuldades aqui em Araranguá. Com o objetivo de valorizar a cultura pesqueira e dar voz aos pescadores, Flávio Filho desenvolveu o projeto audiovisual Saberes da Pesca. O documentário acompanha o pescador Vivaldo Antônio da Costa em um breve relato da história da profissão no Rio Araranguá até os dias de hoje. Desenvolvido através da lei de incentivo a cultura Aldir Blanc, o projeto Saberes da Pesca visa resgatar e valorizar a tradição das famílias pesqueiras na região.

“A minha família sempre teve uma ligação cultural tanto com a pesca, como com o campo, com a natureza. Eu acredito que esse é um dos maiores valores que temos na nossa região e está sendo esquecido, então foi por isso que eu escolhi levantar o saber da pesca: como acontece a pesca na nossa região. A partir dessa pergunta, eu tive a certeza de fazer o projeto”, revela Flávio Filho em entrevista ao Portal W3.

Ele conta que o projeto foi focado na pesca enquanto trabalho e forma de sustentar a família, pois é essa a tradição que está se perdendo nos dias de hoje. Atualmente, a pesca tornou-se opção de lazer e prática esportiva para turísticas que visitam a região. “Resgatei um pouco da história da pesca, porque a pesca está se perdendo. Não se pesca mais de redão e há vários tipos de peixe que não tem mais no rio, mas que tinham antes”, lamenta Flávio.

Para a gravação do documentário, Flávio acompanhou o pescador Vivaldo durante um dia inteiro de trabalho. “É um pescador antigo, de uma família tradicional pesqueira: o pai, o avó e o bisavó eram pescadores, então por isso escolhemos ele. Ele é um dos pescadores mais antigos ali da região da colônia de pesca”, destaca. O diretor do curta ainda conta que, para não intimidar Vivaldo, teve que gravar tudo sozinho, com a menor quantidade possível de apetrechos: “foi um lance bem eu e ele conversando, foi bem legal”.

O local escolhido para as gravações foi na antiga região de pesqueiros, na colônia de pescadores de Balneário de Ilhas. Hoje, porém, não existe mais. Na divulgação do projeto Saberes da Pesca, Flávio defende que o curta é sobre uma experiência “que não sabemos até quando vai estar presente, pois o rio e o pescador clamam para ser ouvidos… Para que não fiquem apenas na saudade”.

Sobre o incentivo da lei Aldir Blanc, Flávio considera que foi importante sim para apoiar os artistas locais, mas principal para apoiar a cultura. “Veio também para despertar as pessoas a querer e ter o interesse de fazer um projeto cultural, porque muitas pessoas não tinham esse incentivo. A questão da cultura é sempre levada em segundo plano, então acredito que foi importante esse incentivo”, finaliza.

Flávio Filho é fotógrafo e videomaker. Atualmente, ele gerencia uma produtora de vídeo, a IMUP Estúdio Criativo. Para saber mais, clique aqui.

Assista ao documentário Saberes da Pesca completo abaixo:

Quer receber notícias pelo WhatsApp? Clique aqui

Compartilhe

Voltar às notícias