Distribuição de medicamentos para o Vale do Araranguá é tema de reunião na AMESC

O objetivo é encontrar alternativas em distribuidoras para evitar que a população sinta mais impactos diante da crise

por Dyessica Abadi

Com o objetivo de evitar o desabastecimento de medicamentos, o Consórcio Intermunicipal de Saúde da AMESC (CISAMESC) e a Associação dos Municípios do Extremo-Sul Catarinense (AMESC), reuniram-se na manhã de hoje, 1º de maio, para debater possíveis ações que visem manter a distribuição de produtos farmacêuticos para o Vale do Araranguá.

Frente ao desabastecimento de matérias-primas necessárias para a produção de remédios, o mercado farmacêutico brasileiro encontra-se em crise. Os insumos provenientes de países como China e Índia estão tendo problemas de importação. De acordo com o presidente do CISAMESC, Aldoir Cadorin, prefeito de Ermo, a meta é encontrar alternativas em distribuidoras para evitar que a população sinta mais impactos diante da crise.

O secretário-executivo do CISAMESC, Leandro Fernandes, salienta que há esforços para manter o máximo possível do fluxo de entregas na região — porém, momentaneamente, não é possível encontrar soluções, mas, sim, formas de amenizar a situação. O presidente da AMESC, Ronaldo Pereira da Silva, garante que as instituições estão dialogando entre si com a finalidade de encontrar soluções e todos estarem a par dos fatos.

por Dyessica Abadi

Com o objetivo de evitar o desabastecimento de medicamentos, o Consórcio Intermunicipal de Saúde da AMESC (CISAMESC) e a Associação dos Municípios do Extremo-Sul Catarinense (AMESC), reuniram-se na manhã de hoje, 1º de maio, para debater possíveis ações que visem manter a distribuição de produtos farmacêuticos para o Vale do Araranguá.

Frente ao desabastecimento de matérias-primas necessárias para a produção de remédios, o mercado farmacêutico brasileiro encontra-se em crise. Os insumos provenientes de países como China e Índia estão tendo problemas de importação. De acordo com o presidente do CISAMESC, Aldoir Cadorin, prefeito de Ermo, a meta é encontrar alternativas em distribuidoras para evitar que a população sinta mais impactos diante da crise.

O secretário-executivo do CISAMESC, Leandro Fernandes, salienta que há esforços para manter o máximo possível do fluxo de entregas na região — porém, momentaneamente, não é possível encontrar soluções, mas, sim, formas de amenizar a situação. O presidente da AMESC, Ronaldo Pereira da Silva, garante que as instituições estão dialogando entre si com a finalidade de encontrar soluções e todos estarem a par dos fatos.

Compartilhe

Voltar às notícias