Declaração polêmica de vereador de Sombrio vaza na rede

Durante votação de projeto que permitirá distribuição de absorventes ele disse que a ideia é sem futuro e trecho da fala repercutiu no município

A prefeita de Sombrio, Gislaine Cunha (MDB) iniciou a um mês o planejamento de implantação do Projeto Liberdade Feminina que trata de diretrizes para a Política Municipal de Conscientização Sobre a Menstruação e a Universalização do Acesso a Absorventes Higiênicos a população feminina. Para que ele seja efetivamente implantado, foi necessário que a Câmara de Vereadores aprovasse a proposta, que já foi sancionado pela chefe do Poder Executivo.

Na justificativa da Lei, a prefeita diz que “o projeto será voltado às mulheres que se encontram em estado de vulnerabilidade social, no caso pessoas que moram em abrigos ou até mesmo pessoas em situação de rua”, e que é uma necessidade de saúde pública.

Mas durante a votação na casa na última semana, o áudio de um dos vereadores acabou vazando na rede e causando repercussão. O projeto foi colocado na pauta na quinta-feira,15, quando o vereador, José Soares, o Peri (PP) manifestou sua opinião desagradado. “Acho o projeto sem futuro, um absorvente custa $2,90”, disse.

Um vídeo com imagens da manifestação do vereador tem circulado em diversos grupos de um app de conversa virtual.

A equipe W3 News entrou em contato com o representante progressista na casa vereador querendo entender a respeito do seu posicionamento. Apesar da manifestação polêmica, ele foi favorável a preposição, que foi aprovada por unanimidade. “Houve má interpretação na minha fala. Na verdade a minha indagação foi a respeito dos exames preventivos que não são dados a mesma atenção que o assunto deste projeto”, justificou, Peri.

[video width="640" height="352" mp4="https://portalw3.com.br/wp-content/uploads/2021/07/WhatsApp-Video-2021-07-21-at-15.36.22.mp4"][/video]

Sobre o projeto

A lei foi sancionada e deve ser implementado assim que as aulas retomarem após o recesso deste mês. Será incluído kits de absorventes nas cestas básicas, distribuídos em postos de saúde e nas escolas.

Ainda na justificativa do projeto a administração municipal inclui o incentivo à palestras e cursos em escolas municipais a partir do ensino fundamental para abordar sobre menstruação como um processo natural do corpo feminino para combater a evasão escolar em decorrência dessa questão.

O governo também divulgou que fará a distribuição de cartilhas e folhetos explicativos que abordem o tema para os demais públicos como forma de combater o preconceito. “O objetivo também será promover a realização de campanhas de arrecadação de recursos que possibilitem a disponibilização e distribuição gratuita de absorventes pelo Poder Público por meio de doações ou outras formas, mediante parcerias com a iniciativa privada, organizações não governamentais, ou pelo próprio Poder Público”, diz um dos artigos da lei.

Quer receber notícias pelo WhatsApp? Clique aqui

A prefeita de Sombrio, Gislaine Cunha (MDB) iniciou a um mês o planejamento de implantação do Projeto Liberdade Feminina que trata de diretrizes para a Política Municipal de Conscientização Sobre a Menstruação e a Universalização do Acesso a Absorventes Higiênicos a população feminina. Para que ele seja efetivamente implantado, foi necessário que a Câmara de Vereadores aprovasse a proposta, que já foi sancionado pela chefe do Poder Executivo.

Na justificativa da Lei, a prefeita diz que “o projeto será voltado às mulheres que se encontram em estado de vulnerabilidade social, no caso pessoas que moram em abrigos ou até mesmo pessoas em situação de rua”, e que é uma necessidade de saúde pública.

Mas durante a votação na casa na última semana, o áudio de um dos vereadores acabou vazando na rede e causando repercussão. O projeto foi colocado na pauta na quinta-feira,15, quando o vereador, José Soares, o Peri (PP) manifestou sua opinião desagradado. “Acho o projeto sem futuro, um absorvente custa $2,90”, disse.

Um vídeo com imagens da manifestação do vereador tem circulado em diversos grupos de um app de conversa virtual.

A equipe W3 News entrou em contato com o representante progressista na casa vereador querendo entender a respeito do seu posicionamento. Apesar da manifestação polêmica, ele foi favorável a preposição, que foi aprovada por unanimidade. “Houve má interpretação na minha fala. Na verdade a minha indagação foi a respeito dos exames preventivos que não são dados a mesma atenção que o assunto deste projeto”, justificou, Peri.

Sobre o projeto

A lei foi sancionada e deve ser implementado assim que as aulas retomarem após o recesso deste mês. Será incluído kits de absorventes nas cestas básicas, distribuídos em postos de saúde e nas escolas.

Ainda na justificativa do projeto a administração municipal inclui o incentivo à palestras e cursos em escolas municipais a partir do ensino fundamental para abordar sobre menstruação como um processo natural do corpo feminino para combater a evasão escolar em decorrência dessa questão.

O governo também divulgou que fará a distribuição de cartilhas e folhetos explicativos que abordem o tema para os demais públicos como forma de combater o preconceito. “O objetivo também será promover a realização de campanhas de arrecadação de recursos que possibilitem a disponibilização e distribuição gratuita de absorventes pelo Poder Público por meio de doações ou outras formas, mediante parcerias com a iniciativa privada, organizações não governamentais, ou pelo próprio Poder Público”, diz um dos artigos da lei.

Quer receber notícias pelo WhatsApp? Clique aqui

Compartilhe

Voltar às notícias