Cortes da União afetam obras catarinenses incluindo conclusão da Serra da Rocinha, segundo DNIT

Reunião da Comissão de Transportes e Desenvolvimento Urbano debateu problemas no orçamento destinado às obras catarinenses

Presidida pelo deputado, João Amin, a Comissão de Transportes e Desenvolvimento Urbano da Assembleia Legislativa de Santa Catarina debateu na tarde desta segunda-feira, 03, os impactos do corte no Orçamento deste ano em importantes obras de infraestrutura no estado. “A ideia foi fazer um debate para saber de qual maneira o estado pode agir para que este corte não aumente ainda mais”, disse o deputado.

Participaram representantes de SC no Congresso Nacional, deputados estaduais, procurador Geral do Estado, secretários do governo e representante da Fiesc. A reunião foi transmitida pelas redes sociais da Alesc e debateu o corte de mais de R$136 mi do Orçamento da União para obras de infraestrutura estaduais. Esse valor afeta principalmente projetos nas BRs 282, 280, 163, 470 e a 285 (Serra da Rocinha) na região de Araranguá.

Em sua fala, o superintendente regional do DNIT no Estado de Santa Catarina, Robaldo Carioni Barbosa, explicou que o projeto mais abalado pela decisão federal é da Serra da Rocinha. “O único empreendimento com possibilidade de entrega é a 285 em Santa Catarina dentro do orçamento. Precisamos de R$30 milhões e mais R$5 milhões para pagar supervisão e investimentos na fiscalização ambiental. Somos gratos pelos recursos de bancada, mas esta é a nossa principal preocupação agora. As demais rodovias tem orçamento - não o desejado, mas continuamos em trabalho para desenvolver. A expectativa do Governo do Estado passar alguns valores para avançar nas obras. Entende que os recursos por mais que sejam aplicadas na infraestrutura, são poucos. Clamo a bancada federal, uma forma de buscar a criação de um rubrica para não deixar esta obra da 285 paralisar”, apelou.

Ficou definido que um documento será encaminhado ao Fórum Parlamentar Catarinense para eu seja criada uma força política com apoio, inclusive, de entidades para lutar pela manutenção dos recursos.

Quer receber notícias pelo WhatsApp? Clique aqui

Presidida pelo deputado, João Amin, a Comissão de Transportes e Desenvolvimento Urbano da Assembleia Legislativa de Santa Catarina debateu na tarde desta segunda-feira, 03, os impactos do corte no Orçamento deste ano em importantes obras de infraestrutura no estado. “A ideia foi fazer um debate para saber de qual maneira o estado pode agir para que este corte não aumente ainda mais”, disse o deputado.

Participaram representantes de SC no Congresso Nacional, deputados estaduais, procurador Geral do Estado, secretários do governo e representante da Fiesc. A reunião foi transmitida pelas redes sociais da Alesc e debateu o corte de mais de R$136 mi do Orçamento da União para obras de infraestrutura estaduais. Esse valor afeta principalmente projetos nas BRs 282, 280, 163, 470 e a 285 (Serra da Rocinha) na região de Araranguá.

Em sua fala, o superintendente regional do DNIT no Estado de Santa Catarina, Robaldo Carioni Barbosa, explicou que o projeto mais abalado pela decisão federal é da Serra da Rocinha. “O único empreendimento com possibilidade de entrega é a 285 em Santa Catarina dentro do orçamento. Precisamos de R$30 milhões e mais R$5 milhões para pagar supervisão e investimentos na fiscalização ambiental. Somos gratos pelos recursos de bancada, mas esta é a nossa principal preocupação agora. As demais rodovias tem orçamento – não o desejado, mas continuamos em trabalho para desenvolver. A expectativa do Governo do Estado passar alguns valores para avançar nas obras. Entende que os recursos por mais que sejam aplicadas na infraestrutura, são poucos. Clamo a bancada federal, uma forma de buscar a criação de um rubrica para não deixar esta obra da 285 paralisar”, apelou.

Ficou definido que um documento será encaminhado ao Fórum Parlamentar Catarinense para eu seja criada uma força política com apoio, inclusive, de entidades para lutar pela manutenção dos recursos.

Quer receber notícias pelo WhatsApp? Clique aqui

Compartilhe

Voltar às notícias