Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres e PM discutem aplicativo de denúncia para violência doméstica

O software é voltado para mulheres que se sintam ameaçadas por seus parceiros

O Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres (CMDM) se reuniu nesta terça-feira (19), no salão Ouro Negro no Paço Municipal Marcos Rovaris, para discutir sobre o aplicativo PMSC Cidadão, da Rede Catarina de Proteção à Mulher, que possui o botão do pânico. O recurso é voltado a mulheres em situação de violência, que se sintam ameaçadas por seus parceiros. Os soldados Tessália e Tachinski, do Batalhão da Polícia Militar de Criciúma explicaram para os conselheiros como o aplicativo funciona e como pode ser usado em casos de vulnerabilidade.

O software pode ser usado por qualquer pessoa. Além do recurso voltado a violência doméstica, o aplicativo possui recursos de denúncia para ocorrências diversas, como furtos. Ao acionar o botão do pânico, a denúncia é direcionada para a central da Polícia Militar, e repassadas para a Patrulha Maria da Penha que esteja mais próxima da vítima. "Nós da Rede Catarina estamos disponíveis principalmente para acolher a mulher que foi violentada. Nosso papel é proteger a vítima, fiscalizar medidas e dar todo o suporte necessário para que ela siga sua vida com segurança", ressaltou Tessália.

"Esse recurso é de extrema importância para mulheres que são vítimas de violência doméstica. Ficamos muito felizes em ter a Polícia Militar no conselho auxiliando nessa luta", ponderou a presidente do conselho, Maria Estela Costa da Silva.

Sobre a Rede Catarina de Proteção à Mulher

É um programa da Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC), que tem o objetivo de prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Pautada em políticas de proximidade e buscando conferir maior efetividade às ações de proteção à mulher. O programa possui ações como o policiamento direcionado da Patrulha Maria da Penha e disseminação de soluções tecnológicas, como o aplicativo PMSC Cidadão.

O Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres (CMDM) se reuniu nesta terça-feira (19), no salão Ouro Negro no Paço Municipal Marcos Rovaris, para discutir sobre o aplicativo PMSC Cidadão, da Rede Catarina de Proteção à Mulher, que possui o botão do pânico. O recurso é voltado a mulheres em situação de violência, que se sintam ameaçadas por seus parceiros. Os soldados Tessália e Tachinski, do Batalhão da Polícia Militar de Criciúma explicaram para os conselheiros como o aplicativo funciona e como pode ser usado em casos de vulnerabilidade.

O software pode ser usado por qualquer pessoa. Além do recurso voltado a violência doméstica, o aplicativo possui recursos de denúncia para ocorrências diversas, como furtos. Ao acionar o botão do pânico, a denúncia é direcionada para a central da Polícia Militar, e repassadas para a Patrulha Maria da Penha que esteja mais próxima da vítima. “Nós da Rede Catarina estamos disponíveis principalmente para acolher a mulher que foi violentada. Nosso papel é proteger a vítima, fiscalizar medidas e dar todo o suporte necessário para que ela siga sua vida com segurança”, ressaltou Tessália.

Esse recurso é de extrema importância para mulheres que são vítimas de violência doméstica. Ficamos muito felizes em ter a Polícia Militar no conselho auxiliando nessa luta”, ponderou a presidente do conselho, Maria Estela Costa da Silva.

Sobre a Rede Catarina de Proteção à Mulher

É um programa da Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC), que tem o objetivo de prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Pautada em políticas de proximidade e buscando conferir maior efetividade às ações de proteção à mulher. O programa possui ações como o policiamento direcionado da Patrulha Maria da Penha e disseminação de soluções tecnológicas, como o aplicativo PMSC Cidadão.

Compartilhe

Voltar às notícias