Blog Rosane Machado: Parabéns, Harry!

Quem nunca brincou de faz-de-conta? Nunca desejou ter uma varinha mágica ou voar? Tapete voador, pó de pirlimpimpim, abracadabra... Quem nunca?

Hoje ao ler minha Zero Hora, sim estou assinando a versão em papel e a edição do final de semana é tri-legal, vi que Harry Potter está completando 40 anos. Segundo a sua história, ele nasceu em 31 de julho de 1980.

Li todos os livros e assisti a todos os filmes. Até hoje assisto quando há alguma reprise ou uma maratona nos canais fechados. E sempre descubro algo diferente e me encanto.

Muitas pessoas não gostam por se tratar de uma narrativa que conta a história de um bruxo, de magia, mas o meu lado que nunca cresceu, ama. Quantas vezes imaginei-me indo pra Hogwarts! Uma vez uma querida amiga fez uma cartinha-convite, bem aos moldes da história, e colocou debaixo da porta de meu escritório. Por minutos embarquei naquela gostosa fantasia... Obrigada, Denize!

Antigamente o Sítio do Pica-pau Amarelo fazia nosso imaginário fluir. Lembro das duas séries: a antiga e a versão mais moderninha. Tanta coisa havia por trás das reinações, das férias infindáveis do Pedrinho... Mais tarde, quando me tornei professora de Letras, fui a fundo nas histórias e percebi a riqueza que há ali. Lobato era e continua sendo 'o cara'!

Creio ser do ser humano esta atração pelo fantástico, pela magia, pela fantasia, pois o dia a dia não anda fácil pra ninguém e viajar, mas não fisicamente, ainda é possível. Podemos optar por maratonar séries incríveis, ler livros... contudo Harry Potter tornou-se um vício.

Nos Estados Unidos, quando a autora lançava seus livros, havia filas nas livrarias à meia-noite. Os fãs-leitores fantasiados como personagens aguardando adquirir em primeira mão a continuação da saga.

Porém, tudo acaba. A série terminou. A gurizada cresceu, casou, seus filhos foram matriculados na mesma escola, subiram no mesmo trem da mesma plataforma 9 3/4... E os atores já figuraram em meia dúzia de filmes com um certo destaque. Mas não adianta, sempre associaremos aos bruxinhos de J.K. Rowling.

E ele fez 40 anos. Onde estão as maratonas? Onde estão as festas temáticas? Ah, tempos de pandemia que nos impedem os aglomeros, as idas ao cinema... Tempos que nos pedem pra acalmarmos os ímpetos, sermos prudentes e ficarmos em casa.

Vamos folhear as páginas dos livros que ainda temos, buscar as reprises na TV a cabo e lembrarmos de onde estávamos quando tudo isso começou. Quando Harry se descobriu bruxo, onde estávamos, o que fazíamos?

Ah, relembrar, sonhar, viajar, recarregar as baterias pro que ainda nos aguarda... Espero que sejam dias infinitamente melhores.

Vai uma cerveja amanteigada aí???? Brindemos.

 

Quem nunca brincou de faz-de-conta? Nunca desejou ter uma varinha mágica ou voar? Tapete voador, pó de pirlimpimpim, abracadabra… Quem nunca?

Hoje ao ler minha Zero Hora, sim estou assinando a versão em papel e a edição do final de semana é tri-legal, vi que Harry Potter está completando 40 anos. Segundo a sua história, ele nasceu em 31 de julho de 1980.

Li todos os livros e assisti a todos os filmes. Até hoje assisto quando há alguma reprise ou uma maratona nos canais fechados. E sempre descubro algo diferente e me encanto.

Muitas pessoas não gostam por se tratar de uma narrativa que conta a história de um bruxo, de magia, mas o meu lado que nunca cresceu, ama. Quantas vezes imaginei-me indo pra Hogwarts! Uma vez uma querida amiga fez uma cartinha-convite, bem aos moldes da história, e colocou debaixo da porta de meu escritório. Por minutos embarquei naquela gostosa fantasia… Obrigada, Denize!

Antigamente o Sítio do Pica-pau Amarelo fazia nosso imaginário fluir. Lembro das duas séries: a antiga e a versão mais moderninha. Tanta coisa havia por trás das reinações, das férias infindáveis do Pedrinho… Mais tarde, quando me tornei professora de Letras, fui a fundo nas histórias e percebi a riqueza que há ali. Lobato era e continua sendo ‘o cara’!

Creio ser do ser humano esta atração pelo fantástico, pela magia, pela fantasia, pois o dia a dia não anda fácil pra ninguém e viajar, mas não fisicamente, ainda é possível. Podemos optar por maratonar séries incríveis, ler livros… contudo Harry Potter tornou-se um vício.

Nos Estados Unidos, quando a autora lançava seus livros, havia filas nas livrarias à meia-noite. Os fãs-leitores fantasiados como personagens aguardando adquirir em primeira mão a continuação da saga.

Porém, tudo acaba. A série terminou. A gurizada cresceu, casou, seus filhos foram matriculados na mesma escola, subiram no mesmo trem da mesma plataforma 9 3/4… E os atores já figuraram em meia dúzia de filmes com um certo destaque. Mas não adianta, sempre associaremos aos bruxinhos de J.K. Rowling.

E ele fez 40 anos. Onde estão as maratonas? Onde estão as festas temáticas? Ah, tempos de pandemia que nos impedem os aglomeros, as idas ao cinema… Tempos que nos pedem pra acalmarmos os ímpetos, sermos prudentes e ficarmos em casa.

Vamos folhear as páginas dos livros que ainda temos, buscar as reprises na TV a cabo e lembrarmos de onde estávamos quando tudo isso começou. Quando Harry se descobriu bruxo, onde estávamos, o que fazíamos?

Ah, relembrar, sonhar, viajar, recarregar as baterias pro que ainda nos aguarda… Espero que sejam dias infinitamente melhores.

Vai uma cerveja amanteigada aí???? Brindemos.

 

Compartilhe

Voltar ao blog