Blog Rolando Christian Coelho: sobe para quatro número de candidatos em Arroio do Silva 

Balneário Arroio do Silva vai contar com uma quarta candidatura majoritária neste ano. Trata-se de um projeto bancado, de forma autoral, pelo Solidariedade, através da candidatura de Daniel Mota a prefeito, e do pastor Ranieri Cardoso a vice. A dupla irá enfrentar as candidaturas de Evandro Scaini (PSL) e Carlos Scarsanella (PSL), além de Everton Pinto (PDT) e Nito de Paula (PT), e ainda de Edmilson Aguiar (PP) e Dionatan Giusti (PP). Everton e Nito são apoiados pelo prefeito Juscelino Guimarães, o Mineiro (PSDB), e pelo presidente do legislativo arroiosilvense, Everaldo Chapelão (PSDB). O Progressistas estava próximo a este grupo, mas foi para a oposição. Já o PSL é escancaradamente contrário a atual gestão, caminho que também deverá ser seguido pelo Solidariedade.


PP de Santa Rosa do Sul vai de chapa pura 


Numa decisão para lá de inusitada, Progressistas de Santa Rosa do Sul decidiu que irá disputar o executivo municipal com chapa pura. Ao longo dos últimos meses, uma intenção queda de braços entre o partido, e o PSD, do prefeito Nelson Cardoso de Oliveira, acabou sendo travada nos bastidores da política local. Basicamente, o PSD queria que o Progressistas continuasse sendo seu vice, a exemplo das eleições de 2012 e 2016. Por sua vez, justamente por já ter cedido a cabeça de chapa nas duas últimas eleições, o Progressistas insistia na tese de disputar o comando da prefeitura, tendo o PSD como seu vice.


No último dia 16, data derradeira para a realização das convenções municipais, as duas legendas acabaram chegando a um acordo quanto a composição da majoritária. Na ocasião, já a altas horas da noite, o PSD aceitou indicar o vice em uma chapa a ser encabeçada pelo atual vice-prefeito Nelmo Emerim (PP). Todavia, houve muita dificuldade em se chegar a um denominador comum quanto a quem seria este vice. Em princípio, as opções eram o ex-vereador Dorinha de Oliveira (PSD) e o atual vereador Higor de Souza Teixeira (PSD), mas ambos declinaram da possibilidade. Por fim, foi referendado o nome do vereador Moisés Réus (PSD) como vice de Nelmo.


No fim da história, no entanto, a dobradinha Nelmo e Moisés não foi levada adiante. Por conta da necessidade de fechar sua ata de convenção, o Progressistas optou por chapa pura, com Nelmo na cabeça, e o economista e comunicador Alex Bristot (PP) compondo como seu vice. Já o PSD acabou registrando o nome de Francisco de Assis Garcia como candidato a vice, de forma autônoma. O problema é que os partidos não podem concorrer somente com candidato a vice, e, por conta disto, a majoritária do PSD deverá ser impugnada pela Justiça Eleitoral. Diante dos fatos, a legenda deverá concorrer apenas com candidatos a vereador.


A questão, agora, é saber se o PSD irá apoiar, de forma branca, a candidatura de Nelmo e Alex, ou se irá abraçar a dobradinha composta por Almides da Rosa (PSDB) e Pedro Dávila da Cunha (MDB). O partido também tem a opção de simplesmente liberar seus filiados e simpatizantes para manifestarem apoio a quem bem entenderem.


Históricos do MDB não aceitam aliança com PP 


Dobradinha majoritária formada por Progressistas e MDB, em Morro Grande, não foi nenhum pouco digerido pela ala histórica dos emedebistas. Ex-prefeito Ênio Zuchinalli (MDB) já disse que não concorda com a aliança, e deverá apoiar a candidatura de Oscar Coral (PSDB), que concorrerá com Édio Tomazi (PL) como seu candidato a vice. De acordo com Ênio, o MDB está cometendo um erro histórico, ao se aliar a seu principal adversário em nível local. “Esta aliança vai custar muito cara ao MDB, que tinha todas as possibilidades de vencer a eleição deste ano com candidato próprio”, comentou. Conforme o ex-prefeito, “se fosse para concorrer como vice, a aliança deveria ser feita com o PSDB, que é um partido irmão, não com um adversário escancarado”.


Gaivota e Praia Grande têm maiores coligações da região  


As duas maiores coligações de nossa região, com vistas à disputa majoritária e proporcional deste ano, estão em Balneário Gaivota e em Praia Grande. Ambas contarão com oito partidos cada. Em Gaivota, o candidato a prefeito Kekinha dos Santos, e seu candidato a vice, Jonatã Coelho, concorrerão com o apoio de PSDB e de PSL, que são seus respectivos partidos, e ainda com o aval de PDT, PTB, PSB, PL, Podemos e Democratas. Já em Praia Grande, Fanica Machado e Rodrigo Mariani, que são filiados respectivamente ao Progressistas e ao PSDB, terão o apoio do PSD, PDT, PT, PSL, PL e Podemos.


Mesmo com convenções, situação ainda é indefinida em Turvo  


MDB de Turvo vai com chapa pura para a eleição deste ano. A composição majoritária do partido, no entanto, ainda não está fechada. O vice-prefeito Edson Pisca Dagostin foi confirmado em convenção como candidato a prefeito, tendo Cecilia Ferreira Conti como sua candidata a vice. O nome de Cecília, no entanto, deverá ser substituído nos próximos dias. Por sua vez, o Progressistas turvense homologou os nomes de Osvaldo Fávaro e Carlos Stefani, o Neguinho, como seus candidatos a prefeito e vice. Ambos, no entanto, também devem ser substituídos nos próximos dias. O Progressistas estava apostando suas fichas na candidatura de Sandro Cirimbelli, que havia se apresentado como pré-candidato ao executivo. Ele, no entanto, acabou declinando da possibilidade de concorrer.


Quer receber notícias pelo WhatsApp? Clique aqui

Balneário Arroio do Silva vai contar com uma quarta candidatura majoritária neste ano. Trata-se de um projeto bancado, de forma autoral, pelo Solidariedade, através da candidatura de Daniel Mota a prefeito, e do pastor Ranieri Cardoso a vice. A dupla irá enfrentar as candidaturas de Evandro Scaini (PSL) e Carlos Scarsanella (PSL), além de Everton Pinto (PDT) e Nito de Paula (PT), e ainda de Edmilson Aguiar (PP) e Dionatan Giusti (PP). Everton e Nito são apoiados pelo prefeito Juscelino Guimarães, o Mineiro (PSDB), e pelo presidente do legislativo arroiosilvense, Everaldo Chapelão (PSDB). O Progressistas estava próximo a este grupo, mas foi para a oposição. Já o PSL é escancaradamente contrário a atual gestão, caminho que também deverá ser seguido pelo Solidariedade.

PP de Santa Rosa do Sul vai de chapa pura 

Numa decisão para lá de inusitada, Progressistas de Santa Rosa do Sul decidiu que irá disputar o executivo municipal com chapa pura. Ao longo dos últimos meses, uma intenção queda de braços entre o partido, e o PSD, do prefeito Nelson Cardoso de Oliveira, acabou sendo travada nos bastidores da política local. Basicamente, o PSD queria que o Progressistas continuasse sendo seu vice, a exemplo das eleições de 2012 e 2016. Por sua vez, justamente por já ter cedido a cabeça de chapa nas duas últimas eleições, o Progressistas insistia na tese de disputar o comando da prefeitura, tendo o PSD como seu vice.

No último dia 16, data derradeira para a realização das convenções municipais, as duas legendas acabaram chegando a um acordo quanto a composição da majoritária. Na ocasião, já a altas horas da noite, o PSD aceitou indicar o vice em uma chapa a ser encabeçada pelo atual vice-prefeito Nelmo Emerim (PP). Todavia, houve muita dificuldade em se chegar a um denominador comum quanto a quem seria este vice. Em princípio, as opções eram o ex-vereador Dorinha de Oliveira (PSD) e o atual vereador Higor de Souza Teixeira (PSD), mas ambos declinaram da possibilidade. Por fim, foi referendado o nome do vereador Moisés Réus (PSD) como vice de Nelmo.

No fim da história, no entanto, a dobradinha Nelmo e Moisés não foi levada adiante. Por conta da necessidade de fechar sua ata de convenção, o Progressistas optou por chapa pura, com Nelmo na cabeça, e o economista e comunicador Alex Bristot (PP) compondo como seu vice. Já o PSD acabou registrando o nome de Francisco de Assis Garcia como candidato a vice, de forma autônoma. O problema é que os partidos não podem concorrer somente com candidato a vice, e, por conta disto, a majoritária do PSD deverá ser impugnada pela Justiça Eleitoral. Diante dos fatos, a legenda deverá concorrer apenas com candidatos a vereador.

A questão, agora, é saber se o PSD irá apoiar, de forma branca, a candidatura de Nelmo e Alex, ou se irá abraçar a dobradinha composta por Almides da Rosa (PSDB) e Pedro Dávila da Cunha (MDB). O partido também tem a opção de simplesmente liberar seus filiados e simpatizantes para manifestarem apoio a quem bem entenderem.

Históricos do MDB não aceitam aliança com PP 

Dobradinha majoritária formada por Progressistas e MDB, em Morro Grande, não foi nenhum pouco digerido pela ala histórica dos emedebistas. Ex-prefeito Ênio Zuchinalli (MDB) já disse que não concorda com a aliança, e deverá apoiar a candidatura de Oscar Coral (PSDB), que concorrerá com Édio Tomazi (PL) como seu candidato a vice. De acordo com Ênio, o MDB está cometendo um erro histórico, ao se aliar a seu principal adversário em nível local. “Esta aliança vai custar muito cara ao MDB, que tinha todas as possibilidades de vencer a eleição deste ano com candidato próprio”, comentou. Conforme o ex-prefeito, “se fosse para concorrer como vice, a aliança deveria ser feita com o PSDB, que é um partido irmão, não com um adversário escancarado”.

Gaivota e Praia Grande têm maiores coligações da região  

As duas maiores coligações de nossa região, com vistas à disputa majoritária e proporcional deste ano, estão em Balneário Gaivota e em Praia Grande. Ambas contarão com oito partidos cada. Em Gaivota, o candidato a prefeito Kekinha dos Santos, e seu candidato a vice, Jonatã Coelho, concorrerão com o apoio de PSDB e de PSL, que são seus respectivos partidos, e ainda com o aval de PDT, PTB, PSB, PL, Podemos e Democratas. Já em Praia Grande, Fanica Machado e Rodrigo Mariani, que são filiados respectivamente ao Progressistas e ao PSDB, terão o apoio do PSD, PDT, PT, PSL, PL e Podemos.

Mesmo com convenções, situação ainda é indefinida em Turvo  

MDB de Turvo vai com chapa pura para a eleição deste ano. A composição majoritária do partido, no entanto, ainda não está fechada. O vice-prefeito Edson Pisca Dagostin foi confirmado em convenção como candidato a prefeito, tendo Cecilia Ferreira Conti como sua candidata a vice. O nome de Cecília, no entanto, deverá ser substituído nos próximos dias. Por sua vez, o Progressistas turvense homologou os nomes de Osvaldo Fávaro e Carlos Stefani, o Neguinho, como seus candidatos a prefeito e vice. Ambos, no entanto, também devem ser substituídos nos próximos dias. O Progressistas estava apostando suas fichas na candidatura de Sandro Cirimbelli, que havia se apresentado como pré-candidato ao executivo. Ele, no entanto, acabou declinando da possibilidade de concorrer.

Quer receber notícias pelo WhatsApp? Clique aqui

Compartilhe

Voltar às notícias