Blog Rolando Christian Coelho: recado nas urnas não foi entendido em SC 

Em 2018 o notório desconhecido Carlos Moisés da Silva, coronel aposentado do Corpo de Bombeiro, foi eleito governador de Santa Catarina pelo PSL, surfando, escancaradamente, na Onda Bolsonaro. Claro que os catarinenses não votaram no então Coronel Moisés. Votaram, sim, na expectativa de mudança dos paradigmas da política catarinense, pautada no toma lá, da cá, ao longo de sua história, e inflacionada em suas nuances ao logo de dois governos de Raimundo Colombo (PSD).


Basicamente, ao eleger Carlos Moisés, a população catarinense disse que estava de saco cheio dos conchavos, dos cabides de emprego, das amarras do poder. Disse que queria um governo enxuto, resoluto e propositivo. Eleito, Moisés acreditou que, isto, por si só, seria suficiente para blindá-lo na política estadual. Acabou caindo do cavalo e, provavelmente, vai ser desalojado do poder pela Assembleia Legislativa.


O interessante da história é que aqueles tramam, e que irão derrubá-lo, são os mesmos que foram mandados para casa no pleito estadual de 2018, justamente por conta de suas tramas. Subentende-se que o recado das urnas simplesmente não foi assimilado pelos derrotados, afinal de contas, a população disse que não queria conchavos e armações, mas, meramente por conta destas, o governador está à mercê de perder seu poder.


No fim das contas, é muito provável que 2018 não tenha servido para nada, pelo menos para aqueles deputados cujos partidos insistem em pensar que o Palácio do Governo é uma varanda de suas casas.


PSD de Santa Rosa ainda tenta viabilizar candidatura  


Prefeito de Santa Rosa do Sul, Nelson Cardoso de Oliveira (PSD), tem visitado lideranças de seu partido, tentando viabilizar uma candidatura da sigla ao comando do executivo municipal. A situação é para lá de estranha, já que em convenção municipal, no último dia 16, a sigla homologou apenas uma candidatura a vice-prefeito, através do filiado Francisco de Assis Garcia, assim como uma nominata de candidatos a vereador. Estranhamente, não foi homologado nenhum candidato a prefeito, e tampouco citada qualquer tipo de coligação com outra sigla, que pudesse abrir brecha para que o PSD compusesse como vice. Em princípio, se poderá até tentar convencer a Justiça Eleitoral a aceitar a indicação de um candidato a prefeito pelo PSD, sob a alegação de que uma coligação em andamento, no caso, com o Progressistas, não vingou. Questão é saber se esta tese será aceita.


MDB é o partido com mais candidatos a vice na região   


MDB será o partido com mais candidatos a vice em nossa região, no pleito eleitoral deste ano. A sigla disputará oito vice-prefeituras. Em Sombrio, Turvo e Passo de Torres o partido está disputando com chapa pura, tendo, portanto, tanto o candidato a vice, quanto o candidato a prefeito. O segundo partido com mais candidatos a vice é o PSL, com seis candidaturas. Em Balneário Arroio do Silva a sigla disputará com chapa pura. A terceira colocação fica com o PP, que terá cinco candidatos a vice, disputando com chapa pura em dois municípios. PSD, PSDB e PL disputarão com quatro candidaturas a vice cada um. Já o PDT e o PRTB terão três candidatos a vice cada. Por sua vez, PSC, Psol, Avante, Solidariedade e Republicanos disputarão com chapa pura, cada um, em um município. O PT também terá um vice, só que do PDT.


Peri Soares assume presidência da Câmara de Sombrio  


Vereador Peri Soares (PP) foi eleito ontem à noite como novo presidente da Câmara Municipal de Sombrio, mandato que cumprirá até o final do ano. O vice eleito foi o vereador Vilmar Daminelli (PP), que ocupou a presidência ao longo dos últimos meses. O vereador Nano Freitas (PP) foi eleito primeiro secretário e o vereador Fernando Pereira da Silva (PP) segundo secretário. Desde o início do ano o Progressistas vem promovendo um rodízio entre vereadores do partido, para a ocupação do comando do legislativo sombriense. Para Peri, que é candidato à reeleição, a posse é oportuna, por conta da projeção institucional que ele poderá alcançar às vésperas do pleito eleitoral deste ano. Vale lembrar que quanto foi negociar a ordem das eleições para o comando da Mesa Diretora, o vereador preferiu assumir justamente nesta época, por conta da proximidade do pleito eleitoral.


PP se define em Turvo, mas MDB ainda não  


Empresário Sandro Cirimbelli (PP) reviu posição e assumiu, em definitivo, sua candidatura a prefeito de Turvo. Seu candidato a vice será Osvaldo Fávaro (PP). Já o MDB, por sua vez, ainda não chegou a um denominador comum quanto a quem concorrerá como vice de Edson Pisca Dagostin (MDB). Por ora, Cecília Conti (MDB) é a candidata oficial da legenda, mas seu nome deverá ser substituído nos próximos dias. Em princípio o ex-prefeito Heriberto Afonso Schmidt (MDB) vinha sendo cotado para ser o vice de Pisca. O próprio candidato, no entanto, diz que Heriberto não deverá fazer parte da dobradinha. Em Turvo, além de MDB e Progressistas, quem também disputará o comando do executivo é o PSDB, através da candidatura de Laerte Casagrande. Seu vice será Arnildo Steckert Júnior (PSL).

Em 2018 o notório desconhecido Carlos Moisés da Silva, coronel aposentado do Corpo de Bombeiro, foi eleito governador de Santa Catarina pelo PSL, surfando, escancaradamente, na Onda Bolsonaro. Claro que os catarinenses não votaram no então Coronel Moisés. Votaram, sim, na expectativa de mudança dos paradigmas da política catarinense, pautada no toma lá, da cá, ao longo de sua história, e inflacionada em suas nuances ao logo de dois governos de Raimundo Colombo (PSD).

Basicamente, ao eleger Carlos Moisés, a população catarinense disse que estava de saco cheio dos conchavos, dos cabides de emprego, das amarras do poder. Disse que queria um governo enxuto, resoluto e propositivo. Eleito, Moisés acreditou que, isto, por si só, seria suficiente para blindá-lo na política estadual. Acabou caindo do cavalo e, provavelmente, vai ser desalojado do poder pela Assembleia Legislativa.

O interessante da história é que aqueles tramam, e que irão derrubá-lo, são os mesmos que foram mandados para casa no pleito estadual de 2018, justamente por conta de suas tramas. Subentende-se que o recado das urnas simplesmente não foi assimilado pelos derrotados, afinal de contas, a população disse que não queria conchavos e armações, mas, meramente por conta destas, o governador está à mercê de perder seu poder.

No fim das contas, é muito provável que 2018 não tenha servido para nada, pelo menos para aqueles deputados cujos partidos insistem em pensar que o Palácio do Governo é uma varanda de suas casas.

PSD de Santa Rosa ainda tenta viabilizar candidatura  

Prefeito de Santa Rosa do Sul, Nelson Cardoso de Oliveira (PSD), tem visitado lideranças de seu partido, tentando viabilizar uma candidatura da sigla ao comando do executivo municipal. A situação é para lá de estranha, já que em convenção municipal, no último dia 16, a sigla homologou apenas uma candidatura a vice-prefeito, através do filiado Francisco de Assis Garcia, assim como uma nominata de candidatos a vereador. Estranhamente, não foi homologado nenhum candidato a prefeito, e tampouco citada qualquer tipo de coligação com outra sigla, que pudesse abrir brecha para que o PSD compusesse como vice. Em princípio, se poderá até tentar convencer a Justiça Eleitoral a aceitar a indicação de um candidato a prefeito pelo PSD, sob a alegação de que uma coligação em andamento, no caso, com o Progressistas, não vingou. Questão é saber se esta tese será aceita.

MDB é o partido com mais candidatos a vice na região   

MDB será o partido com mais candidatos a vice em nossa região, no pleito eleitoral deste ano. A sigla disputará oito vice-prefeituras. Em Sombrio, Turvo e Passo de Torres o partido está disputando com chapa pura, tendo, portanto, tanto o candidato a vice, quanto o candidato a prefeito. O segundo partido com mais candidatos a vice é o PSL, com seis candidaturas. Em Balneário Arroio do Silva a sigla disputará com chapa pura. A terceira colocação fica com o PP, que terá cinco candidatos a vice, disputando com chapa pura em dois municípios. PSD, PSDB e PL disputarão com quatro candidaturas a vice cada um. Já o PDT e o PRTB terão três candidatos a vice cada. Por sua vez, PSC, Psol, Avante, Solidariedade e Republicanos disputarão com chapa pura, cada um, em um município. O PT também terá um vice, só que do PDT.

Peri Soares assume presidência da Câmara de Sombrio  

Vereador Peri Soares (PP) foi eleito ontem à noite como novo presidente da Câmara Municipal de Sombrio, mandato que cumprirá até o final do ano. O vice eleito foi o vereador Vilmar Daminelli (PP), que ocupou a presidência ao longo dos últimos meses. O vereador Nano Freitas (PP) foi eleito primeiro secretário e o vereador Fernando Pereira da Silva (PP) segundo secretário. Desde o início do ano o Progressistas vem promovendo um rodízio entre vereadores do partido, para a ocupação do comando do legislativo sombriense. Para Peri, que é candidato à reeleição, a posse é oportuna, por conta da projeção institucional que ele poderá alcançar às vésperas do pleito eleitoral deste ano. Vale lembrar que quanto foi negociar a ordem das eleições para o comando da Mesa Diretora, o vereador preferiu assumir justamente nesta época, por conta da proximidade do pleito eleitoral.

PP se define em Turvo, mas MDB ainda não  

Empresário Sandro Cirimbelli (PP) reviu posição e assumiu, em definitivo, sua candidatura a prefeito de Turvo. Seu candidato a vice será Osvaldo Fávaro (PP). Já o MDB, por sua vez, ainda não chegou a um denominador comum quanto a quem concorrerá como vice de Edson Pisca Dagostin (MDB). Por ora, Cecília Conti (MDB) é a candidata oficial da legenda, mas seu nome deverá ser substituído nos próximos dias. Em princípio o ex-prefeito Heriberto Afonso Schmidt (MDB) vinha sendo cotado para ser o vice de Pisca. O próprio candidato, no entanto, diz que Heriberto não deverá fazer parte da dobradinha. Em Turvo, além de MDB e Progressistas, quem também disputará o comando do executivo é o PSDB, através da candidatura de Laerte Casagrande. Seu vice será Arnildo Steckert Júnior (PSL).

Compartilhe

Voltar ao blog