Blog Rolando Christian Coelho: O dilema do vice de Gislaine Cunha

MDB de Sombrio vive um dilema quanto a quem concorrerá como vice de Gislaine Cunha, candidata do partido ao executivo municipal, apoiada pelo prefeito Zênio Cardoso (MDB). Dentro do MDB, há dois grupos bem distintos. Um quer que a sigla concorra com chapa pura. Neste sentido, o vice teria que ser do MDB também. Já um outro grupo defende a tese de que o vice deva vir de outra legenda, de modo a ampliar o leque de alianças, evitando, também o fortalecimento da oposição.

Se o vice for do próprio MDB, é provável que a escolha recaia sobre as figuras do atual presidente da sigla, Jeriel Isoppo, ou do vereador afastado Nego Gomes. Caso outra sigla seja convidada para a majoritária, o rosário de postulantes é quase incomensurável.

Na atual conjuntura política sombriense, quase dez partidos lançaram pré-candidatos a prefeito, a grande maioria buscando espaço na majoritária de uma coligação que seja capitaneada por uma sigla mais estruturada. Para ser vice de Gislaine, por exemplo, não faltam nomes no Democratas, PDT, PSB, PSDB, PL, PTB, e por ai afora. A grande questão é que, ao escolher um, o MDB exclui os outros, o que poderia levar a uma debandada de um conjunto de siglas para a oposição, que, irmanadas ao Progressistas, do pré-candidato Cristian Rosa, passaria a ficar mais evidenciada no cenário político local.

O MDB precisará ter muita habilidade neste processo de escolha. Precisará, aliás, ter sabedoria, de modo a não criar celeumas em uma eleição que, em princípio, se mostra, no mínimo, positiva para o partido.

 Almides será lançado candidato em Santa Rosa

 Ex-secretário de Governo da Prefeitura de Santa Rosa do Sul, Almides da Rosa (PSDB), deve ser lançado nos próximos dias como pré-candidato a prefeito de seu município. Almides tem costurado uma aliança com o MDB, e espera ter o partido como seu vice. A proposta ecoa de maneira distinta dentro do MDB. Parte da sigla já está trabalhando para ser vice dos tucanos, mas há um outro grupo que ainda aposta que o PSDB possa ser vice do MDB. Em princípio, a única certeza que tanto um partido quanto o outro parece ter, é que separados nenhum dos dois ganha. A dobradinha, que representaria a oposição, deve enfrentar uma aliança entre PSD e Progressistas. Estes dois partidos, no entanto, também estão tendo dificuldades em acordar quem será o cabeça de chapa e quem será o vice na majoritária.

 Líder progressista acredita ter facilitado vinda do MDB

 Fora do processo eleitoral em Balneário Gaivota, engenheiro Carlinhos Gomes, que era a aposta do Progressistas para a eleição municipal deste ano, disse que, depois de muito refletir, optou por permanecer na iniciativa privada, onde, de acordo com ele, “os negócios estão muito bem encaminhados”. Carlinhos também acredita que, ao se retirar do processo, tenha facilitado a construção da dobradinha entre o PSD e o MDB, que pretender lançar o vice-prefeito Evânio Machado, o Machadinho (PSD), como candidato a prefeito, e o vereador Guidi Matos (MDB), como candidato a vice, com apoio de sua legenda. Várias lideranças de expressão do Progressistas estão ressentidas, pelo fato do partido não participar da majoritária neste ano. Conforme Carlinhos, no entanto, a sigla terá seu espaço em uma eventual gestão PSD/MDB.

 Justiça que não é neutra se torna um problema para o país

 Que o Supremo Tribunal Federal sempre foi um órgão político, disso ninguém parece que ter dúvidas. Não fosse assim seus membros não seriam indicados pelo próprio

presidente da República. A total politização do STF em suas decisões, neste momento, no entanto, é algo para lá de perigoso para o país. O Supremo tem deixado muito evidenciado suas preferencias, o que pode acabar dando razão mesmo aos irracionais. Não cabe a juízes proposições, nem juízo de valor. Suas competências se resumem ao julgamento a luz da legislação. Se cada macaco ficar no seu galho, pelo menos a árvore suporta os ventos que a acometem. Com muitos macacos num galho só, a tendência é que a árvore quebre.

 Controlador diz que Controladoria não pode controlar(!)

Situação seria irônica se não fosse trágica. Controlador-geral do Estado, Luiz Felipe Ferreira, disse que o órgão, que está sob sua responsabilidade, não consegue acompanhar processos de compra, do Governo do Estado, feitos através de dispensa de licitação. A função primordial da Controladoria Geral do Estado é justamente a de barrar irregularidades financeiras nas Secretarias de Estado, como a que aconteceu na Secretaria da Saúde, envolvendo a compra de 200 respiradores, não entregues, ao custo de R$ 33 milhões para a população catarinense. Como a compra se deu através de dispensa de licitação, a Controladoria, então, não tem controle. O detalhe é que são justamente nas dispensas de licitações aonde acontecem as maiores fraudes. Na prática, o controle, que deveria ser muito maior, simplesmente não existe nestes casos.

MDB de Sombrio vive um dilema quanto a quem concorrerá como vice de Gislaine Cunha, candidata do partido ao executivo municipal, apoiada pelo prefeito Zênio Cardoso (MDB). Dentro do MDB, há dois grupos bem distintos. Um quer que a sigla concorra com chapa pura. Neste sentido, o vice teria que ser do MDB também. Já um outro grupo defende a tese de que o vice deva vir de outra legenda, de modo a ampliar o leque de alianças, evitando, também o fortalecimento da oposição.

Se o vice for do próprio MDB, é provável que a escolha recaia sobre as figuras do atual presidente da sigla, Jeriel Isoppo, ou do vereador afastado Nego Gomes. Caso outra sigla seja convidada para a majoritária, o rosário de postulantes é quase incomensurável.

Na atual conjuntura política sombriense, quase dez partidos lançaram pré-candidatos a prefeito, a grande maioria buscando espaço na majoritária de uma coligação que seja capitaneada por uma sigla mais estruturada. Para ser vice de Gislaine, por exemplo, não faltam nomes no Democratas, PDT, PSB, PSDB, PL, PTB, e por ai afora. A grande questão é que, ao escolher um, o MDB exclui os outros, o que poderia levar a uma debandada de um conjunto de siglas para a oposição, que, irmanadas ao Progressistas, do pré-candidato Cristian Rosa, passaria a ficar mais evidenciada no cenário político local.

O MDB precisará ter muita habilidade neste processo de escolha. Precisará, aliás, ter sabedoria, de modo a não criar celeumas em uma eleição que, em princípio, se mostra, no mínimo, positiva para o partido.

 Almides será lançado candidato em Santa Rosa

 Ex-secretário de Governo da Prefeitura de Santa Rosa do Sul, Almides da Rosa (PSDB), deve ser lançado nos próximos dias como pré-candidato a prefeito de seu município. Almides tem costurado uma aliança com o MDB, e espera ter o partido como seu vice. A proposta ecoa de maneira distinta dentro do MDB. Parte da sigla já está trabalhando para ser vice dos tucanos, mas há um outro grupo que ainda aposta que o PSDB possa ser vice do MDB. Em princípio, a única certeza que tanto um partido quanto o outro parece ter, é que separados nenhum dos dois ganha. A dobradinha, que representaria a oposição, deve enfrentar uma aliança entre PSD e Progressistas. Estes dois partidos, no entanto, também estão tendo dificuldades em acordar quem será o cabeça de chapa e quem será o vice na majoritária.

 Líder progressista acredita ter facilitado vinda do MDB

 Fora do processo eleitoral em Balneário Gaivota, engenheiro Carlinhos Gomes, que era a aposta do Progressistas para a eleição municipal deste ano, disse que, depois de muito refletir, optou por permanecer na iniciativa privada, onde, de acordo com ele, “os negócios estão muito bem encaminhados”. Carlinhos também acredita que, ao se retirar do processo, tenha facilitado a construção da dobradinha entre o PSD e o MDB, que pretender lançar o vice-prefeito Evânio Machado, o Machadinho (PSD), como candidato a prefeito, e o vereador Guidi Matos (MDB), como candidato a vice, com apoio de sua legenda. Várias lideranças de expressão do Progressistas estão ressentidas, pelo fato do partido não participar da majoritária neste ano. Conforme Carlinhos, no entanto, a sigla terá seu espaço em uma eventual gestão PSD/MDB.

 Justiça que não é neutra se torna um problema para o país

 Que o Supremo Tribunal Federal sempre foi um órgão político, disso ninguém parece que ter dúvidas. Não fosse assim seus membros não seriam indicados pelo próprio

presidente da República. A total politização do STF em suas decisões, neste momento, no entanto, é algo para lá de perigoso para o país. O Supremo tem deixado muito evidenciado suas preferencias, o que pode acabar dando razão mesmo aos irracionais. Não cabe a juízes proposições, nem juízo de valor. Suas competências se resumem ao julgamento a luz da legislação. Se cada macaco ficar no seu galho, pelo menos a árvore suporta os ventos que a acometem. Com muitos macacos num galho só, a tendência é que a árvore quebre.

 Controlador diz que Controladoria não pode controlar(!)

Situação seria irônica se não fosse trágica. Controlador-geral do Estado, Luiz Felipe Ferreira, disse que o órgão, que está sob sua responsabilidade, não consegue acompanhar processos de compra, do Governo do Estado, feitos através de dispensa de licitação. A função primordial da Controladoria Geral do Estado é justamente a de barrar irregularidades financeiras nas Secretarias de Estado, como a que aconteceu na Secretaria da Saúde, envolvendo a compra de 200 respiradores, não entregues, ao custo de R$ 33 milhões para a população catarinense. Como a compra se deu através de dispensa de licitação, a Controladoria, então, não tem controle. O detalhe é que são justamente nas dispensas de licitações aonde acontecem as maiores fraudes. Na prática, o controle, que deveria ser muito maior, simplesmente não existe nestes casos.

Compartilhe

Voltar ao blog