Blog Rolando Christian Coelho: Dobradinha Daniel/Anísio é tida como certa 

São fortes as especulações dentro do Progressistas de Araranguá dando conta de que o partido lançará o presidente da Câmara Municipal de Vereadores, Daniel Viriato Afonso, como candidato a prefeito, tendo Anísio Prêmoli (PDT), como candidato a vice. Anísio disputou o último pleito municipal como candidato a prefeito pelo MDB. No início do ano migrou para o PDT, partido que agora está muito próximo dos progressistas. A expectativa é a de que Anísio traga uma fatia do MDB para dentro da campanha encabeçada pelo Progressistas, principalmente ligada ao público de simpatizantes do partido. Em princípio, o PDT tem mantido uma postura de autonomia, insistindo na tese de que Anísio será candidato a prefeito pelo partido.

Sem maioria, Carlos Moisés corre risco

Baseada em uma série de frases soltas proferidas pelo governador Carlos Moisés da Silva (PSL), CPI dos Respiradores deverá apontar o mandatário do Estado como responsável direto pela malograda compra de 200 respiradores para a saúde catarinense, ao custo de R$ 33 milhões. Os equipamentos, que serviriam para o combate a covid-19, nunca foram entregues, ainda que o pagamento tenha sido efetuado, motivo pelo qual a CPI foi instaurada.

Por ora, nenhum depoimento dado a CPI incrimina diretamente o governador. Uma série de frases soltas, no entanto, ditas por ele ao longo dos meses de março e abril, deixam a entender que Carlos Moisés tinha conhecimento da aquisição, mas não, necessariamente, dos detalhes referentes a compra, muito menos do pagamento antecipado dos respiradores. O fato é que, em se tratando de uma investigação parlamentar, isso chega a ser quase irrelevante. Quando não há maioria no parlamento, cassar um prefeito, governador ou presidente é apenas questão de vontade política. Maiores provas disto são os processos de cassação que desalojaram do poder o então presidente Collor de Mello, por conta de um Fiat Elba, e mais recentemente Dilma Rousseff, por conta das tais pedaladas fiscais.

Carlos Moisés, neste momento, está com sua cabeça na guilhotina, e corre seríssimo risco de ser cassado, talvez antes do final do ano. Não por conta de responsabilidade direta pela compra dos respiradores, mas por não ter maioria na Assembleia Legislativa. Ironicamente, esta maioria não foi construída por falta de articulação do ex-secretário da Casa Civil, Douglas Borba, que é apontado como principal responsável pela compra e pagamento dos equipamentos em voga. Em princípio, politicamente falando, Douglas primeiro cavou o buraco, e depois criou o ambiente necessário para que Carlos Moisés fosse jogado para dentro dela. Com já bem disse o ex-ministro Delfim Neto, “política não é coisa para amadores”.

Evandro Scaini já tem apoio do MDB e PV

Ex-prefeito de Balneário Arroio do Silva, Evandro Scaini (PSL), conseguiu assegurar, oficialmente, o apoio do MDB e do PV a sua pré-candidatura ao comando do executivo. De acordo com Evandro, outros três partidos também poderão fazer parte de sua coligação, mas ele ressalta que “ainda é cedo para dar detalhes destas tratativas”. Por conta das negociações que envolvem estas outras três legendas, por enquanto não está sendo realizada nenhuma discussão no que diz respeito a que sigla comporá como vice de Scaini. “Temos que primeiro formar o grupo, para então, dentro dele, trabalharmos a questão da composição majoritária em definitivo”, ressalta o ex-prefeito, que já administrou Arroio do Silva em duas oportunidades, entre 2009 e 2016.

Carlos Moisés não virá ao Sul amanhã

Governador Carlos Moisés da Silva (PSL) não virá amanhã, a Forquilhinha, assinar contrato administrativo para a liberação de recursos, objetivando a pavimentação asfáltica da rodovia Jacob Westrup, entre o município e Maracajá. O contrato será assinado em Florianópolis. O cancelamento da vinda de Carlos Moisés está ligado diretamente às restrições impostas pelo próprio governo, no que diz respeito a ações de combate a pandemia de covid-19. Basicamente, o governador quer evitar aglomerações. A pavimentação completa da rodovia está orçada em R$ 13,4 milhões, e criará um novo acesso asfáltico entre nossa região e a região de Criciúma. Hoje, o único que existe é o que liga Meleiro a Forquilhinha.

Juiz condena prefeito que beneficiou loteamento próprio

Juiz da Vara da Fazenda da Comarca de Criciúma, Pedro Aujor Furtado Júnior, que já atuou nas Comarcas de Araranguá e Sombrio, condenou o prefeito de Nova Veneza, Rogério Frigo, por improbidade administrativa. O chefe do executivo, através de processo licitatório, mandou pavimentar uma rua dentro de um loteamento de sua propriedade, além de mais outras duas ruas que davam acesso a ele. Basicamente, usou dinheiro público para valorizar seu patrimônio pessoal. O prefeito terá que devolver aos cofres públicos o dinheiro equivalente a valorização do loteamento. Se condenações deste gênero virar moda, vai ter muito prefeito de município balneário tendo que devolver dinheiro aos cofres públicos.

Dobradinha Daniel/Anísio é tida como certa

São fortes as especulações dentro do Progressistas de Araranguá dando conta de que o partido lançará o presidente da Câmara Municipal de Vereadores, Daniel Viriato Afonso, como candidato a prefeito, tendo Anísio Prêmoli (PDT), como candidato a vice. Anísio disputou o último pleito municipal como candidato a prefeito pelo MDB. No início do ano migrou para o PDT, partido que agora está muito próximo dos progressistas. A expectativa é a de que Anísio traga uma fatia do MDB para dentro da campanha encabeçada pelo Progressistas, principalmente ligada ao público de simpatizantes do partido. Em princípio, o PDT tem mantido uma postura de autonomia, insistindo na tese de que Anísio será candidato a prefeito pelo partido.

 

 

São fortes as especulações dentro do Progressistas de Araranguá dando conta de que o partido lançará o presidente da Câmara Municipal de Vereadores, Daniel Viriato Afonso, como candidato a prefeito, tendo Anísio Prêmoli (PDT), como candidato a vice. Anísio disputou o último pleito municipal como candidato a prefeito pelo MDB. No início do ano migrou para o PDT, partido que agora está muito próximo dos progressistas. A expectativa é a de que Anísio traga uma fatia do MDB para dentro da campanha encabeçada pelo Progressistas, principalmente ligada ao público de simpatizantes do partido. Em princípio, o PDT tem mantido uma postura de autonomia, insistindo na tese de que Anísio será candidato a prefeito pelo partido.

Sem maioria, Carlos Moisés corre risco

Baseada em uma série de frases soltas proferidas pelo governador Carlos Moisés da Silva (PSL), CPI dos Respiradores deverá apontar o mandatário do Estado como responsável direto pela malograda compra de 200 respiradores para a saúde catarinense, ao custo de R$ 33 milhões. Os equipamentos, que serviriam para o combate a covid-19, nunca foram entregues, ainda que o pagamento tenha sido efetuado, motivo pelo qual a CPI foi instaurada.

Por ora, nenhum depoimento dado a CPI incrimina diretamente o governador. Uma série de frases soltas, no entanto, ditas por ele ao longo dos meses de março e abril, deixam a entender que Carlos Moisés tinha conhecimento da aquisição, mas não, necessariamente, dos detalhes referentes a compra, muito menos do pagamento antecipado dos respiradores. O fato é que, em se tratando de uma investigação parlamentar, isso chega a ser quase irrelevante. Quando não há maioria no parlamento, cassar um prefeito, governador ou presidente é apenas questão de vontade política. Maiores provas disto são os processos de cassação que desalojaram do poder o então presidente Collor de Mello, por conta de um Fiat Elba, e mais recentemente Dilma Rousseff, por conta das tais pedaladas fiscais.

Carlos Moisés, neste momento, está com sua cabeça na guilhotina, e corre seríssimo risco de ser cassado, talvez antes do final do ano. Não por conta de responsabilidade direta pela compra dos respiradores, mas por não ter maioria na Assembleia Legislativa. Ironicamente, esta maioria não foi construída por falta de articulação do ex-secretário da Casa Civil, Douglas Borba, que é apontado como principal responsável pela compra e pagamento dos equipamentos em voga. Em princípio, politicamente falando, Douglas primeiro cavou o buraco, e depois criou o ambiente necessário para que Carlos Moisés fosse jogado para dentro dela. Com já bem disse o ex-ministro Delfim Neto, “política não é coisa para amadores”.

Evandro Scaini já tem apoio do MDB e PV

Ex-prefeito de Balneário Arroio do Silva, Evandro Scaini (PSL), conseguiu assegurar, oficialmente, o apoio do MDB e do PV a sua pré-candidatura ao comando do executivo. De acordo com Evandro, outros três partidos também poderão fazer parte de sua coligação, mas ele ressalta que “ainda é cedo para dar detalhes destas tratativas”. Por conta das negociações que envolvem estas outras três legendas, por enquanto não está sendo realizada nenhuma discussão no que diz respeito a que sigla comporá como vice de Scaini. “Temos que primeiro formar o grupo, para então, dentro dele, trabalharmos a questão da composição majoritária em definitivo”, ressalta o ex-prefeito, que já administrou Arroio do Silva em duas oportunidades, entre 2009 e 2016.

Carlos Moisés não virá ao Sul amanhã

Governador Carlos Moisés da Silva (PSL) não virá amanhã, a Forquilhinha, assinar contrato administrativo para a liberação de recursos, objetivando a pavimentação asfáltica da rodovia Jacob Westrup, entre o município e Maracajá. O contrato será assinado em Florianópolis. O cancelamento da vinda de Carlos Moisés está ligado diretamente às restrições impostas pelo próprio governo, no que diz respeito a ações de combate a pandemia de covid-19. Basicamente, o governador quer evitar aglomerações. A pavimentação completa da rodovia está orçada em R$ 13,4 milhões, e criará um novo acesso asfáltico entre nossa região e a região de Criciúma. Hoje, o único que existe é o que liga Meleiro a Forquilhinha.

Juiz condena prefeito que beneficiou loteamento próprio

Juiz da Vara da Fazenda da Comarca de Criciúma, Pedro Aujor Furtado Júnior, que já atuou nas Comarcas de Araranguá e Sombrio, condenou o prefeito de Nova Veneza, Rogério Frigo, por improbidade administrativa. O chefe do executivo, através de processo licitatório, mandou pavimentar uma rua dentro de um loteamento de sua propriedade, além de mais outras duas ruas que davam acesso a ele. Basicamente, usou dinheiro público para valorizar seu patrimônio pessoal. O prefeito terá que devolver aos cofres públicos o dinheiro equivalente a valorização do loteamento. Se condenações deste gênero virar moda, vai ter muito prefeito de município balneário tendo que devolver dinheiro aos cofres públicos.

Dobradinha Daniel/Anísio é tida como certa

São fortes as especulações dentro do Progressistas de Araranguá dando conta de que o partido lançará o presidente da Câmara Municipal de Vereadores, Daniel Viriato Afonso, como candidato a prefeito, tendo Anísio Prêmoli (PDT), como candidato a vice. Anísio disputou o último pleito municipal como candidato a prefeito pelo MDB. No início do ano migrou para o PDT, partido que agora está muito próximo dos progressistas. A expectativa é a de que Anísio traga uma fatia do MDB para dentro da campanha encabeçada pelo Progressistas, principalmente ligada ao público de simpatizantes do partido. Em princípio, o PDT tem mantido uma postura de autonomia, insistindo na tese de que Anísio será candidato a prefeito pelo partido.

 

 

Compartilhe

Voltar às notícias