Blog Rolando Christian Coelho: Carlos Moisés cada vez mais complicado

Rolando Christian Coelho, 11/05/2020

Situação política do governador Carlos Moisés da Silva (PSL) está cada vez mais complicada, por conta da compra de 200 respiradores para o combate ao covid-19, ao custo de R$ 33 milhões, sem que nenhum deles tenha sido entregue ainda. Uma minuciosa investigação, desencadeada pelo Ministério Público de Santa Catarina, achou vários indícios de fraude no que diz respeito a aquisição dos equipamentos, o que culminou com a decretação de 35 mandatos de busca e apreensão no sábado, em quatro Estados. No embalo, o secretário de Estado da Casa Civil, Douglas Borba, pediu exoneração. Antes dele, o secretário de Estado da Saúde, Helton Zeferino, já havia sido exonerado, assim como a Superintendente de Gestão Administrativa da Secretaria da Saúde, Márcia Regina Geremias Pauli. Todos estariam, supostamente, envolvidos com o processo de compra dos respiradores.

Basicamente, o que se acredita, até o momento, é que a compra se deu de forma totalmente irregular. O grande problema é que ninguém assume a responsabilidade por isto. Márcia Regina diz que autorizou o pagamento porque esta foi a ordem que havia recebido diretamente de Helton Zeferino. Helton, por sua vez, diz que a ordem partiu de Douglas Borba. Douglas diz que pediu agilidade na compra, mas que não teria pressionado para que ela fosse feita com este ou aquele fornecedor. No resumo da ópera, R$ 33 milhões foram depositados na conta bancária de uma empresa, sem processo licitatório, e sem garantia de entrega dos respiradores, tanto é que até agora eles não foram entregues.

Amanhã uma CPI começa a investigar o caso na Assembleia Legislativa. Tecnicamente, Carlos Moisés está em péssimos lençóis. Com uma compra milionária sem licitação, sem entrega dos produtos, com indícios de corrupção e sem base alguma no parlamento, basta um assopro para o governador cair.

Cristian Rosa será o candidato do PP em Sombrio

Bioquímico e empresário Cristian Rosa foi o escolhido, na pré-convenção do Progressistas, para ser o candidato do partido ao executivo sombriense no pleito municipal deste ano. Ele disputou a indicação no sábado, contra o vereador Peri Soares. Cristian fez 29 votos e Peri 21. Encerrada a contagem dos votos, Peri parabenizou o vencedor e disse que estará em sua campanha, objetivando a conquista da Prefeitura de Sombrio. O Progressista, a partir de agora, passa a ter mais poder de fogo no cenário local para a composição de seu leque de aliança. Candidato de oposição, Cristian deverá enfrentar a candidatura emedebista da atual vice-prefeita Gislaine Dias da Cunha.

Disputa em Sombrio poderá ter mais de dois candidatos

Além das candidaturas de Gislaine Cunha (MDB) e Cristian Rosa (PP), ao executivo sombriense, questão agora é saber quem mais poderá entrar na disputa majoritária neste ano, postulando o comando da prefeitura. Em princípio, o PRTB, de Clodoaldo Patrício, está disposto a bancar uma candidatura a prefeito. Siglas como o PDT, PSDB e Democratas também levantam esta possibilidade. Afora estas, é preciso aguardar, também, a posição do PT sombriense em relação a eleição municipal deste ano. Num primeiro momento, o que parece bem encaminhado é o projeto autoral do PRTB. Os demais partidos deverão tentar se abrigar em torno de MDB ou Progressistas, buscando espaço para compor como vice.

Vida de Douglas Borba sofreu reviravolta gigante

Vida pessoal e política do ex-secretário de Estado da Casa Civil, Douglas Borba, mudou do vinho para a água em menos de 30 dias. Considerado o braço direito e esquerdo do governador Carlos Moisés da Silva (PSL), Douglas acabou sendo forçado a pedir exoneração de sua função no governo. Voltará a ser vereador em Biguaçu, mas um processo de cassação de seu mandato já está sendo montado na Câmara de Vereadores daquele município. Afora isto, o presidente estadual do PSL, deputado federal Fábio Schiochett, destitui Douglas da função de Secretário Geral do partido no Estado. Paralelo a tudo isto, ele deverá responder processo criminal no caso dos respiradores.

Carlos Moisés sugere que imprensa seja censurada

Pressionado pelos fatos, diante da compra de respiradores fantasmas ao custo de R$ 33 milhões, governador Carlos Moisés pediu que empresários usassem de sua influência para pressionar a imprensa estadual. “Liberdade de imprensa é uma coisa, mas o que estão fazendo hoje aqui em Santa Catarina, eu não tenho dúvidas de que os senhores podem me ajudar muito. Em todos esses veículos de comunicação os senhores tem propaganda, os senhores têm comerciais, os senhores vendem seus produtos. Eu acho que um recado muito claro (tem que ser dado), de um jornalismo decente, que tem que ser praticado, de responsabilizar esses veículos”, disse o governador, durante teleconferência com empresários.

Situação política do governador Carlos Moisés da Silva (PSL) está cada vez mais complicada, por conta da compra de 200 respiradores para o combate ao covid-19, ao custo de R$ 33 milhões, sem que nenhum deles tenha sido entregue ainda. Uma minuciosa investigação, desencadeada pelo Ministério Público de Santa Catarina, achou vários indícios de fraude no que diz respeito a aquisição dos equipamentos, o que culminou com a decretação de 35 mandatos de busca e apreensão no sábado, em quatro Estados. No embalo, o secretário de Estado da Casa Civil, Douglas Borba, pediu exoneração. Antes dele, o secretário de Estado da Saúde, Helton Zeferino, já havia sido exonerado, assim como a Superintendente de Gestão Administrativa da Secretaria da Saúde, Márcia Regina Geremias Pauli. Todos estariam, supostamente, envolvidos com o processo de compra dos respiradores.

Basicamente, o que se acredita, até o momento, é que a compra se deu de forma totalmente irregular. O grande problema é que ninguém assume a responsabilidade por isto. Márcia Regina diz que autorizou o pagamento porque esta foi a ordem que havia recebido diretamente de Helton Zeferino. Helton, por sua vez, diz que a ordem partiu de Douglas Borba. Douglas diz que pediu agilidade na compra, mas que não teria pressionado para que ela fosse feita com este ou aquele fornecedor. No resumo da ópera, R$ 33 milhões foram depositados na conta bancária de uma empresa, sem processo licitatório, e sem garantia de entrega dos respiradores, tanto é que até agora eles não foram entregues.

Amanhã uma CPI começa a investigar o caso na Assembleia Legislativa. Tecnicamente, Carlos Moisés está em péssimos lençóis. Com uma compra milionária sem licitação, sem entrega dos produtos, com indícios de corrupção e sem base alguma no parlamento, basta um assopro para o governador cair.

Cristian Rosa será o candidato do PP em Sombrio

Bioquímico e empresário Cristian Rosa foi o escolhido, na pré-convenção do Progressistas, para ser o candidato do partido ao executivo sombriense no pleito municipal deste ano. Ele disputou a indicação no sábado, contra o vereador Peri Soares. Cristian fez 29 votos e Peri 21. Encerrada a contagem dos votos, Peri parabenizou o vencedor e disse que estará em sua campanha, objetivando a conquista da Prefeitura de Sombrio. O Progressista, a partir de agora, passa a ter mais poder de fogo no cenário local para a composição de seu leque de aliança. Candidato de oposição, Cristian deverá enfrentar a candidatura emedebista da atual vice-prefeita Gislaine Dias da Cunha.

Disputa em Sombrio poderá ter mais de dois candidatos

Além das candidaturas de Gislaine Cunha (MDB) e Cristian Rosa (PP), ao executivo sombriense, questão agora é saber quem mais poderá entrar na disputa majoritária neste ano, postulando o comando da prefeitura. Em princípio, o PRTB, de Clodoaldo Patrício, está disposto a bancar uma candidatura a prefeito. Siglas como o PDT, PSDB e Democratas também levantam esta possibilidade. Afora estas, é preciso aguardar, também, a posição do PT sombriense em relação a eleição municipal deste ano. Num primeiro momento, o que parece bem encaminhado é o projeto autoral do PRTB. Os demais partidos deverão tentar se abrigar em torno de MDB ou Progressistas, buscando espaço para compor como vice.

Vida de Douglas Borba sofreu reviravolta gigante

Vida pessoal e política do ex-secretário de Estado da Casa Civil, Douglas Borba, mudou do vinho para a água em menos de 30 dias. Considerado o braço direito e esquerdo do governador Carlos Moisés da Silva (PSL), Douglas acabou sendo forçado a pedir exoneração de sua função no governo. Voltará a ser vereador em Biguaçu, mas um processo de cassação de seu mandato já está sendo montado na Câmara de Vereadores daquele município. Afora isto, o presidente estadual do PSL, deputado federal Fábio Schiochett, destitui Douglas da função de Secretário Geral do partido no Estado. Paralelo a tudo isto, ele deverá responder processo criminal no caso dos respiradores.

Carlos Moisés sugere que imprensa seja censurada

Pressionado pelos fatos, diante da compra de respiradores fantasmas ao custo de R$ 33 milhões, governador Carlos Moisés pediu que empresários usassem de sua influência para pressionar a imprensa estadual. “Liberdade de imprensa é uma coisa, mas o que estão fazendo hoje aqui em Santa Catarina, eu não tenho dúvidas de que os senhores podem me ajudar muito. Em todos esses veículos de comunicação os senhores tem propaganda, os senhores têm comerciais, os senhores vendem seus produtos. Eu acho que um recado muito claro (tem que ser dado), de um jornalismo decente, que tem que ser praticado, de responsabilizar esses veículos”, disse o governador, durante teleconferência com empresários.

Compartilhe

Voltar ao blog