Blog Juliana Astrologia: a infância na astrologia

A infância na astrologia é abordada por diversos aspectos. O signo solar da pessoa já se manifesta durante a infância e é um indicativo do temperamento e das preferências da criança.  Um menino de escorpião adora brincadeiras de adivinhação enquanto um menino de gêmeos é bastante tagarela e se encanta por jogos de palavras e histórias em quadrinhos. A menina de touro, é uma menina vaidosa que adora roupas novas e sua teimosia já se apresenta nos primeiros anos de vida. A criança de Aquário é cheia de amigos e, desde pequena ama os animais de estimação.

No mapa astral um dos setores está diretamente relacionado à nossa infância. O mapa natal é dividido em 12 partes e cada divisão se refere a uma área da nossa vida. A primeira casa do mapa astral refere-se aos nossos inícios, a nossa personalidade e a nossa infância.  O signo e os planetas que estão ali colocados nos informam como foi nossa infância, se ela foi um período bonito e repleto de afeto ou se houve restrições, traumas ou sofrimentos.

Outro aspecto abordado no mapa natal é como a criança se comunica e seu ritmo de aprendizado. Cada criança vai interagir de um jeito bem particular aos estudos e a interação social. Uma criança de Áries é muito dinâmica para aprender e não gosta de muitos rodeios para os estudos. Já uma criança de câncer precisa se sentir a vontade com os educadores e demora mais tempo a se adaptar aos novos colegas quando muda de turma.  Os pequenos leoninos gostam das atividades que envolvam criatividade como apresentações e teatros.

A infância, obviamente, vai nos marcar para o resto de nossas vidas e as experiências que tivemos nesta época vão interferir muito no nosso comportamento no período da maturidade. Alguns mapas natais revelam que a pessoa teve uma infância atípica, em que a própria criança não se sentia confortável com aquele período. Outras pessoas tiveram afastamentos significativos de entes queridos bem no inicio da vida e a maturidade chegou antes do tempo como se elas não tivessem tido a oportunidade de ser de fato uma criança.

Em qualquer etapa da vida, precisamos da presença de pessoas que se preocupam conosco e que nos dão atenção. Durante a infância, esta necessidade é ainda maior, pois é neste momento que estamos nos construindo como pessoa e, muitas vezes, quem não recebeu afeto nesta época, mais tarde, tem dificuldades para oferecer este sentimento aos outros.

A infância na astrologia é abordada por diversos aspectos. O signo solar da pessoa já se manifesta durante a infância e é um indicativo do temperamento e das preferências da criança.  Um menino de escorpião adora brincadeiras de adivinhação enquanto um menino de gêmeos é bastante tagarela e se encanta por jogos de palavras e histórias em quadrinhos. A menina de touro, é uma menina vaidosa que adora roupas novas e sua teimosia já se apresenta nos primeiros anos de vida. A criança de Aquário é cheia de amigos e, desde pequena ama os animais de estimação.

No mapa astral um dos setores está diretamente relacionado à nossa infância. O mapa natal é dividido em 12 partes e cada divisão se refere a uma área da nossa vida. A primeira casa do mapa astral refere-se aos nossos inícios, a nossa personalidade e a nossa infância.  O signo e os planetas que estão ali colocados nos informam como foi nossa infância, se ela foi um período bonito e repleto de afeto ou se houve restrições, traumas ou sofrimentos.

Outro aspecto abordado no mapa natal é como a criança se comunica e seu ritmo de aprendizado. Cada criança vai interagir de um jeito bem particular aos estudos e a interação social. Uma criança de Áries é muito dinâmica para aprender e não gosta de muitos rodeios para os estudos. Já uma criança de câncer precisa se sentir a vontade com os educadores e demora mais tempo a se adaptar aos novos colegas quando muda de turma.  Os pequenos leoninos gostam das atividades que envolvam criatividade como apresentações e teatros.

A infância, obviamente, vai nos marcar para o resto de nossas vidas e as experiências que tivemos nesta época vão interferir muito no nosso comportamento no período da maturidade. Alguns mapas natais revelam que a pessoa teve uma infância atípica, em que a própria criança não se sentia confortável com aquele período. Outras pessoas tiveram afastamentos significativos de entes queridos bem no inicio da vida e a maturidade chegou antes do tempo como se elas não tivessem tido a oportunidade de ser de fato uma criança.

Em qualquer etapa da vida, precisamos da presença de pessoas que se preocupam conosco e que nos dão atenção. Durante a infância, esta necessidade é ainda maior, pois é neste momento que estamos nos construindo como pessoa e, muitas vezes, quem não recebeu afeto nesta época, mais tarde, tem dificuldades para oferecer este sentimento aos outros.

Compartilhe

Voltar ao blog