Blog do Rolando Christian Coelho: O balanço das eleições deste ano na região

O balanço das eleições deste ano na região  


Eleições municipais deste ano, em nossa região, acabaram confirmando nas urnas a manutenção do tradicionalismo partidário, consolidado através das conquistas majoritárias e proporcionais de siglas com o MDB, PP, PSDB e PSD, mas também abriram flancos para novos horizontes.


De forma genérica, o que se observou em 2020 foi a permanência no poder dos partidos de tendência ideológica ligados a social-democracia, mas com um avanço significativo dos partidos conservadores e liberais nas urnas. Em contraposição, as siglas de esquerda praticamente foram pulverizados aqui no Extremo Sul.


O avanço conservador e liberal ainda não é uma ameaça aos sociais-democratas, mas esta é uma tendência. Na prática, seria o mesmo que dizer que partidos como o PSL, PRTB e PL ainda não são uma ameaça ao MDB, PP e PSDB, mas, em breve, poderão ser.


O que definirá se a ameaça passará a ser real, ou não, basicamente é o sucesso a ser alcançado, ou não, pela gestão do presidente Jair Bolsonaro. Se o seu governo emplacar, se a economia crescer, e a estabilidade política e social reinar, poderá ser iniciada uma virada de mesa na região, no Estado, e em praticamente todo o país. Do contrário, a social-democracia continuará dando as cartas. A Onda Lula, por exemplo, acabou levando ao poder milhares de vereadores, centenas de prefeitos, e dezenas de deputados estaduais e federais que sequer sonhavam em ser eleitos, tanto no pleito de 2002, quanto nos de 2004, 2006 e 2008. Não fossem os escândalos protagonizados pelo Governo Federal, a Onda teria continuado e se solidificado. Por conta dos fatos, o movimento virou marola.


A Onda Bolsonaro, por sua vez, depende de uma série de variáveis, muitos maiores do que a de Lula. Todavia, ela é muito mais racional. Pode-se afirmar que não fosse a pandemia de Covid-19 o Brasil viveria, com certeza, uma onda conservadora de pelo menos meio século. A pandemia, no entanto, desestruturou a economia nacional, trazendo eminente risco ao projeto conservador patrocinado por Bolsonaro. Não à toa o presidente nega o peso da Covid no seio da sociedade.  Cá embaixo, somos meros reflexos do que acontece lá encima.


 

Presidência da Câmara de Gaivota está acertada 


Em princípio tudo certo para a composição da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Vereadores de Balneário Gaivota, para o próximo quadriênio. A presidência, em 2021, deverá ser ocupada pela vereadora eleita Maria Nunes, a Maria da Saúde (MDB). Em 2022 a presidência caberá a Fernando Batista, o Fernando do Tide (PSL). O biênio 2023/2024 ficará sob a presidência do PSDB, através dos vereadores Felipe Santos e Josimar Ramos Borges. Com esta composição o futuro prefeito Kekinha dos Santos (PSDB) assegura maioria na Câmara Municipal, e ainda traz para junto de seu governo o MDB, que disputou o pleito deste ano, pelo menos oficialmente, pela oposição.


Covid tem tomado conta de nossa região  


Profissionais da área da saúde com quem tenho falado estão apreensivos em relação ao número dos novos casos de Covid-19 em nossa região. Só faltam afirmar que a situação está praticamente fora de controle. O proprietário de um laboratório me disse que somente em um dia realizou quase 50 coletas que acabaram positivando para o Covid. Em Balneário Gaivota, por exemplo, o número de casos pulou de menos de 200 para mais de 700 em apenas oito semanas. Com as festas de final de ano, estimativa é que haja um verdadeiro surto de Covid-19 aqui no Extremo Sul Catarinense, por conta, principalmente, das aglomerações nas praias. Paralelo a isto, nos encaminhamos a passos largos para os 200 óbitos por conta da pandemia na região da Amesc.


Jonas Souza diz que missão foi cumprida em Passo  


Prefeitos que estão encerrando mandato, sem ter conquistado a reeleição ou elegido sucessor, têm me dito que estão terminando sua jornada com a sensação do dever cumprido. Em Passo de Torres, por exemplo, prefeito Jonas Souza (MDB), que não se reelegeu, diz que só vai parar de trabalhar na véspera do ano novo. “Perdi no dia 15 de Novembro e no dia seguinte já estava no trecho. O município não pode parar”, resume. Em Arroio do Silva, Juscelino Guimarães, o Mineiro (PSDB), que não fez o sucessor, se diz orgulhoso de ter feito e encaminhado obras, assim como de ter “deixado a casa em dia”. A retórica é parecida em todos os demais casos.


Volto no dia 4 de janeiro com a coluna 


Escrevo hoje minha última coluna do ano. Volto a este espaço no dia 4 de janeiro, para reportamos as novas gestões municipais de nossa região, assim como as novas composições nos legislativos municipais. A expectativa é a de que tenhamos um 2021 bem mais alvissareiro do que 2020, até porque, dificilmente ele será pior. Em princípio, a tendência é a de que a partir do segundo semestre do ano que vem as coisas comecem a voltar ao normal. Pelo menos esta é a esperança dos cientistas. Em sendo assim, deveremos entrar em um grande período de prosperidade, pois a história prova que as sociedades sempre crescem depois das crises, desde que o mundo é muito. Em sendo assim, que tenhamos todos um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo.

O balanço das eleições deste ano na região  

Eleições municipais deste ano, em nossa região, acabaram confirmando nas urnas a manutenção do tradicionalismo partidário, consolidado através das conquistas majoritárias e proporcionais de siglas com o MDB, PP, PSDB e PSD, mas também abriram flancos para novos horizontes.

De forma genérica, o que se observou em 2020 foi a permanência no poder dos partidos de tendência ideológica ligados a social-democracia, mas com um avanço significativo dos partidos conservadores e liberais nas urnas. Em contraposição, as siglas de esquerda praticamente foram pulverizados aqui no Extremo Sul.

O avanço conservador e liberal ainda não é uma ameaça aos sociais-democratas, mas esta é uma tendência. Na prática, seria o mesmo que dizer que partidos como o PSL, PRTB e PL ainda não são uma ameaça ao MDB, PP e PSDB, mas, em breve, poderão ser.

O que definirá se a ameaça passará a ser real, ou não, basicamente é o sucesso a ser alcançado, ou não, pela gestão do presidente Jair Bolsonaro. Se o seu governo emplacar, se a economia crescer, e a estabilidade política e social reinar, poderá ser iniciada uma virada de mesa na região, no Estado, e em praticamente todo o país. Do contrário, a social-democracia continuará dando as cartas. A Onda Lula, por exemplo, acabou levando ao poder milhares de vereadores, centenas de prefeitos, e dezenas de deputados estaduais e federais que sequer sonhavam em ser eleitos, tanto no pleito de 2002, quanto nos de 2004, 2006 e 2008. Não fossem os escândalos protagonizados pelo Governo Federal, a Onda teria continuado e se solidificado. Por conta dos fatos, o movimento virou marola.

A Onda Bolsonaro, por sua vez, depende de uma série de variáveis, muitos maiores do que a de Lula. Todavia, ela é muito mais racional. Pode-se afirmar que não fosse a pandemia de Covid-19 o Brasil viveria, com certeza, uma onda conservadora de pelo menos meio século. A pandemia, no entanto, desestruturou a economia nacional, trazendo eminente risco ao projeto conservador patrocinado por Bolsonaro. Não à toa o presidente nega o peso da Covid no seio da sociedade.  Cá embaixo, somos meros reflexos do que acontece lá encima.

 

Presidência da Câmara de Gaivota está acertada 

Em princípio tudo certo para a composição da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Vereadores de Balneário Gaivota, para o próximo quadriênio. A presidência, em 2021, deverá ser ocupada pela vereadora eleita Maria Nunes, a Maria da Saúde (MDB). Em 2022 a presidência caberá a Fernando Batista, o Fernando do Tide (PSL). O biênio 2023/2024 ficará sob a presidência do PSDB, através dos vereadores Felipe Santos e Josimar Ramos Borges. Com esta composição o futuro prefeito Kekinha dos Santos (PSDB) assegura maioria na Câmara Municipal, e ainda traz para junto de seu governo o MDB, que disputou o pleito deste ano, pelo menos oficialmente, pela oposição.

Covid tem tomado conta de nossa região  

Profissionais da área da saúde com quem tenho falado estão apreensivos em relação ao número dos novos casos de Covid-19 em nossa região. Só faltam afirmar que a situação está praticamente fora de controle. O proprietário de um laboratório me disse que somente em um dia realizou quase 50 coletas que acabaram positivando para o Covid. Em Balneário Gaivota, por exemplo, o número de casos pulou de menos de 200 para mais de 700 em apenas oito semanas. Com as festas de final de ano, estimativa é que haja um verdadeiro surto de Covid-19 aqui no Extremo Sul Catarinense, por conta, principalmente, das aglomerações nas praias. Paralelo a isto, nos encaminhamos a passos largos para os 200 óbitos por conta da pandemia na região da Amesc.

Jonas Souza diz que missão foi cumprida em Passo  

Prefeitos que estão encerrando mandato, sem ter conquistado a reeleição ou elegido sucessor, têm me dito que estão terminando sua jornada com a sensação do dever cumprido. Em Passo de Torres, por exemplo, prefeito Jonas Souza (MDB), que não se reelegeu, diz que só vai parar de trabalhar na véspera do ano novo. “Perdi no dia 15 de Novembro e no dia seguinte já estava no trecho. O município não pode parar”, resume. Em Arroio do Silva, Juscelino Guimarães, o Mineiro (PSDB), que não fez o sucessor, se diz orgulhoso de ter feito e encaminhado obras, assim como de ter “deixado a casa em dia”. A retórica é parecida em todos os demais casos.

Volto no dia 4 de janeiro com a coluna 

Escrevo hoje minha última coluna do ano. Volto a este espaço no dia 4 de janeiro, para reportamos as novas gestões municipais de nossa região, assim como as novas composições nos legislativos municipais. A expectativa é a de que tenhamos um 2021 bem mais alvissareiro do que 2020, até porque, dificilmente ele será pior. Em princípio, a tendência é a de que a partir do segundo semestre do ano que vem as coisas comecem a voltar ao normal. Pelo menos esta é a esperança dos cientistas. Em sendo assim, deveremos entrar em um grande período de prosperidade, pois a história prova que as sociedades sempre crescem depois das crises, desde que o mundo é muito. Em sendo assim, que tenhamos todos um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo.

Compartilhe

Voltar ao blog