Assembleia dá inicio ao processo de impeachment do Governador Moisés

“O processo vai tramitar com respeito e seriedade”, diz presidente da Alesc, Júlio Garcia.

Em sessão ordinária na manhã desta quinta, 30, os deputados catarinenses deram início ao processo de impeachment do governador, Carlos Moisés e sua vice, Daniela Reinehr, que inclui ainda o secretário de Administração, Jorge Tasca. A sessão foi transmitida ao vivo pela TV AL e no canal do Youtube da Assembleia Legislativa (https://bit.ly/337ijeU) .

A abertura da sessão foi feita pelo presidente da Alesc, deputado, Júlio Garcia - que atualmente é investigado pela Polícia Federal por fraude em licitações. Um de seus assessores encontra-se, inclusive, detido. Logo no início, Garcia, desabafou. “Ao longo da vida pública muitos momentos difíceis foram enfrentados, este não é menos difícil. No cargo de presidente, os encaminhamentos são jurídicos e as agressões que tenho recebido nos últimos dias devo responder no momento adequado.  Que Deus nos ilumine”, queixou-se.

O secretário da casa, deputado Laércio Shuster, fez na sequência a leitura da denúncia apresentada pelo defensor público, Ralf Zimmer Júnior, alegando que o crime de responsabilidade cometido pelo governador e a vice gerou prejuízo de R$8 milhões aos cofres públicos.

Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa este pedido de impeachment não trata ainda do caso dos respiradores, mas principalmente da autorização para equiparar o salário dos procuradores do Estado aos da Alesc que seria ilegal segundo as alegações de Ralf. Esta denúncia foi apresentada em janeiro, e depois de negada foi recorrida e voltou a assembleia. Qualquer cidadão legitimado pode propor o impeachment conforme determina a lei.

Por volta das 11 horas, o presidente, Júlio Garcia leu a decisão de iniciar o rito de processamento e julgamento do impeachment contra o governador e ainda leu o parecer que diz ser improcedente as respostas recentemente encaminhadas tanto por Moisés quanto Daniela.  “No momento o processo recebe caráter jurídico. Os prazos estão correndo já que foram intimadas as partes. As teses são jurídicas e não políticas. O processo vai tramitar com respeito e seriedade. Assim será tratado pela assembleia”, disse.

O processo seguirá envolvendo deputados e desembargadores do Tribunal de Justiça que passam a analisar o caso e julgar a situação. Não há divulgação de prazos para encerrar o procedimento, mas caso os envolvidos percam seus cargos ainda neste ano é o próprio presidente da Alesc, Júlio Garcia, que assume o governo de SC até que ocorram novas eleições.

Em sessão ordinária na manhã desta quinta, 30, os deputados catarinenses deram início ao processo de impeachment do governador, Carlos Moisés e sua vice, Daniela Reinehr, que inclui ainda o secretário de Administração, Jorge Tasca. A sessão foi transmitida ao vivo pela TV AL e no canal do Youtube da Assembleia Legislativa (https://bit.ly/337ijeU) .

A abertura da sessão foi feita pelo presidente da Alesc, deputado, Júlio Garcia – que atualmente é investigado pela Polícia Federal por fraude em licitações. Um de seus assessores encontra-se, inclusive, detido. Logo no início, Garcia, desabafou. “Ao longo da vida pública muitos momentos difíceis foram enfrentados, este não é menos difícil. No cargo de presidente, os encaminhamentos são jurídicos e as agressões que tenho recebido nos últimos dias devo responder no momento adequado.  Que Deus nos ilumine”, queixou-se.

O secretário da casa, deputado Laércio Shuster, fez na sequência a leitura da denúncia apresentada pelo defensor público, Ralf Zimmer Júnior, alegando que o crime de responsabilidade cometido pelo governador e a vice gerou prejuízo de R$8 milhões aos cofres públicos.

Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa este pedido de impeachment não trata ainda do caso dos respiradores, mas principalmente da autorização para equiparar o salário dos procuradores do Estado aos da Alesc que seria ilegal segundo as alegações de Ralf. Esta denúncia foi apresentada em janeiro, e depois de negada foi recorrida e voltou a assembleia. Qualquer cidadão legitimado pode propor o impeachment conforme determina a lei.

Por volta das 11 horas, o presidente, Júlio Garcia leu a decisão de iniciar o rito de processamento e julgamento do impeachment contra o governador e ainda leu o parecer que diz ser improcedente as respostas recentemente encaminhadas tanto por Moisés quanto Daniela.  “No momento o processo recebe caráter jurídico. Os prazos estão correndo já que foram intimadas as partes. As teses são jurídicas e não políticas. O processo vai tramitar com respeito e seriedade. Assim será tratado pela assembleia”, disse.

O processo seguirá envolvendo deputados e desembargadores do Tribunal de Justiça que passam a analisar o caso e julgar a situação. Não há divulgação de prazos para encerrar o procedimento, mas caso os envolvidos percam seus cargos ainda neste ano é o próprio presidente da Alesc, Júlio Garcia, que assume o governo de SC até que ocorram novas eleições.

Compartilhe

Voltar às notícias