APROC repara e entrega caminhões que foram danificados pela enchente em SP

A forte chuva que atingiu a cidade de São Paulo na última semana trouxe prejuízos para a região. O alagamento da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), a principal da América Latina, também atingiu o bolso de agricultores, empresários e motoristas.

Atingidas pela água, 7 mil toneladas de alimento foram descartadas. Um prejuízo estimado em R$ 20 milhões. Aproximadamente 280 caminhões estavam no pátio da Ceagesp, conta um dos caminhoneiros de Sombrio presente na tragédia, Fabiano Borges Cardoso. “Acredito que cinco ou seis caminhões saíram de lá inteiros, sem qualquer tipo de falha mecânica. Alguns que fizeram reparos mais leves, como troca de óleo por exemplo, e seguiram caminho, mas já estão se queixando de problemas que apareceram depois. Foi muito triste”.

Caminheiro autônomo, Fabiano conta que sustenta sua família através de seu trabalho. Já de volta às estradas, ele conta que só conseguiu retomar o trabalho graças ao trabalho realizado pela Associação dos Proprietários de Caminhões de Araranguá e Região (APROC). “Meu caminhão está associado há 11 meses. Assim que comprei, já procurei a associação. Nós que estamos na estrada, precisamos de segurança e nesta situação, sem a ajuda deles, eu estaria parado em casa porque não teria condições de colocar o caminhão no concerto”, salienta.

Cerca de 21 caminhoneiros da região que levavam frutas, verduras e cereais até a capital paulista foram pegos de surpresa. Um deles, o caminhoneiro Tiago Constante, também associado a APROC, conta como foi viver o momento de pânico. “Era 6h da manhã quando acordei e vi a água cobrindo metade da roda do meu caminhão. Ninguém que estava lá esperava. A água continuou a subir e chegou a atingir 1,5 metros de altura e causou um estrago enorme”.



APROC

Fabiano e Tiago, ambos com seus caminhões já reparados, estiveram presente na sede da APROC nesta quinta-feira, 20, para buscar os veículos. O presidente da associação, Jonathan Paganini, fala sobre a importância deste tipo de trabalho para os caminhoneiros. “A associação possui convênios com vários comércios aqui da região, sem esse tipo de proteção, acredito que cada um teria um prejuízo de R$ 20 mil. Quem é caminhoneiro sabe o quanto é difícil. A gente tem que trabalhar duro muito tempo para conseguir adquirir e ter o nosso próprio caminhão”.

Com mais de 400 caminhões associados na região, a APROC vai além da proteção veicular, salienta o presidente. “Hoje se tornando associado conseguimos oferecer uma série de benefícios, como é o caso do nosso combustível. Quem escolhe a APROC, consegue comprar o diesel em torno de R$ 0,15 centavos mais barato que os comercializados nos postos. Isso pode gerar uma economia de até R$ 250. Para se ter uma ideia, isso é quase a metade de uma de nossas mensalidades”.

Através dos convênios com lojas parceiras, a associação consegue oferecer ainda mais benefícios. “Temos desconto em troca de óleos, pneus e autopeças. Conseguimos tornar a manutenção dos caminhões mais barata e ajudar o caminhoneiro. Ainda não estamos zerando a mensalidade, mas assumo este compromisso”, finaliza o presidente.

A APROC fica localizada às margens da BR-101, no KM 423 em Araranguá. Para conhecer mais e ser um associado, acesse o site www.aprocsc.com.br ou pelo fone (48) 3524-5352.




Quer receber notícias pelo Whatsapp? Clique aqui

A forte chuva que atingiu a cidade de São Paulo na última semana trouxe prejuízos para a região. O alagamento da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), a principal da América Latina, também atingiu o bolso de agricultores, empresários e motoristas.

Atingidas pela água, 7 mil toneladas de alimento foram descartadas. Um prejuízo estimado em R$ 20 milhões. Aproximadamente 280 caminhões estavam no pátio da Ceagesp, conta um dos caminhoneiros de Sombrio presente na tragédia, Fabiano Borges Cardoso. “Acredito que cinco ou seis caminhões saíram de lá inteiros, sem qualquer tipo de falha mecânica. Alguns que fizeram reparos mais leves, como troca de óleo por exemplo, e seguiram caminho, mas já estão se queixando de problemas que apareceram depois. Foi muito triste”.

Caminheiro autônomo, Fabiano conta que sustenta sua família através de seu trabalho. Já de volta às estradas, ele conta que só conseguiu retomar o trabalho graças ao trabalho realizado pela Associação dos Proprietários de Caminhões de Araranguá e Região (APROC). “Meu caminhão está associado há 11 meses. Assim que comprei, já procurei a associação. Nós que estamos na estrada, precisamos de segurança e nesta situação, sem a ajuda deles, eu estaria parado em casa porque não teria condições de colocar o caminhão no concerto”, salienta.

Cerca de 21 caminhoneiros da região que levavam frutas, verduras e cereais até a capital paulista foram pegos de surpresa. Um deles, o caminhoneiro Tiago Constante, também associado a APROC, conta como foi viver o momento de pânico. “Era 6h da manhã quando acordei e vi a água cobrindo metade da roda do meu caminhão. Ninguém que estava lá esperava. A água continuou a subir e chegou a atingir 1,5 metros de altura e causou um estrago enorme”.

APROC

Fabiano e Tiago, ambos com seus caminhões já reparados, estiveram presente na sede da APROC nesta quinta-feira, 20, para buscar os veículos. O presidente da associação, Jonathan Paganini, fala sobre a importância deste tipo de trabalho para os caminhoneiros. “A associação possui convênios com vários comércios aqui da região, sem esse tipo de proteção, acredito que cada um teria um prejuízo de R$ 20 mil. Quem é caminhoneiro sabe o quanto é difícil. A gente tem que trabalhar duro muito tempo para conseguir adquirir e ter o nosso próprio caminhão”.

Com mais de 400 caminhões associados na região, a APROC vai além da proteção veicular, salienta o presidente. “Hoje se tornando associado conseguimos oferecer uma série de benefícios, como é o caso do nosso combustível. Quem escolhe a APROC, consegue comprar o diesel em torno de R$ 0,15 centavos mais barato que os comercializados nos postos. Isso pode gerar uma economia de até R$ 250. Para se ter uma ideia, isso é quase a metade de uma de nossas mensalidades”.

Através dos convênios com lojas parceiras, a associação consegue oferecer ainda mais benefícios. “Temos desconto em troca de óleos, pneus e autopeças. Conseguimos tornar a manutenção dos caminhões mais barata e ajudar o caminhoneiro. Ainda não estamos zerando a mensalidade, mas assumo este compromisso”, finaliza o presidente.

A APROC fica localizada às margens da BR-101, no KM 423 em Araranguá. Para conhecer mais e ser um associado, acesse o site www.aprocsc.com.br ou pelo fone (48) 3524-5352.

Quer receber notícias pelo Whatsapp? Clique aqui

Compartilhe

Voltar às notícias

Mais lidas

Leia também

Recomendadas para você

whatsapp-icon Mande sua notícia aqui