Após ter casa destelhada por Ciclone Bomba, família ganha reforma da casa

Através da matéria do Portal W3, empresário se sensibilizou com situação de Marlon

A matéria que mostrava a situação de Marlon após a passagem do Ciclone Bomba por Santa Catarina comoveu diversos leitores do Portal W3. A equipe visitou a casa da família, e já é possível observar que a realidade dele e de seus três filhos está prestes a mudar.

> Família tem casa destelhada durante vendaval e precisa de ajuda

Enquanto a equipe esteve no local no final da tarde de quinta, 2, pode acompanhar diversas pessoas levando doações para Marlon. A casa já estava com as telhas e os armários com comida. Marlon conta que desde que a matéria foi ao ar no dia 1º de julho, a ajuda começou a chegar. “Algumas pessoa entraram contato e trouxeram cestas básicas, um vizinho me deu as telhas e agora descobri que ganhei o material para terminar a construção da minha casa”.

O doador dos materiais para reformar a casa da família é o empresário, Everaldo de Souza (proprietário da Everaldo Imóveis). “Conheci a situação dele através do Instagram da W3 e para nós, será um prazer ajudar Marlon a reformar sua casa. Já trabalhamos com isso, temos o material e vim ver o que ele está precisando. Como ele é pedreiro e foi ele quem fez esta casa e está bem feita, vamos disponibilizar o material para que possa deixar ela pronta”, disse o empresário comovido com a situação.



Ajuda para saúde dos filhos

A atual renda da família vem através do Auxílio Emergencial e do Bolsa família. Com este dinheiro, ele compra comida para os filhos e paga as prestações do seu terreno no valor de R$ 500 – que estão atrasadas.

Durante a visita, a equipe do Portal W3 também constatou outro problema vivenciado pela família: a saúde de um dos filhos está comprometida. Marlon contou em detalhes. “Meu filho de 11 anos tem um problema de dicção e necessita de um aparelho para organizar a dentição antes que inicie o tratamento com a fonoaudióloga. Ela exigiu isso para que consiga falar. Já olhamos o valor dele e fica em torno de R$ 1000 e infelizmente não tenho condições agora. Sofro muito com isso”, conta.

Ainda que necessite de ajuda, Marlon explicou o motivo pelo qual não está trabalhando no momento, para justificar o apelo. “Gostaria de frisar que eu não estou parado porque não quero trabalhar. Estou parado porque eu não tenho com quem deixar as crianças. A escola parou, o CRAS parou, não tenho parente próximo, nem de sangue, nem emocionalmente. Minha única saída é ficar em casa e cuidar dos meus filhos. Toda ajuda que vier é bem-vinda e acredito que quando passar a pandemia volto a trabalhar e as coisas ficarão melhores”, finaliza.



 

 

 

 

A matéria que mostrava a situação de Marlon após a passagem do Ciclone Bomba por Santa Catarina comoveu diversos leitores do Portal W3. A equipe visitou a casa da família, e já é possível observar que a realidade dele e de seus três filhos está prestes a mudar.

> Família tem casa destelhada durante vendaval e precisa de ajuda

Enquanto a equipe esteve no local no final da tarde de quinta, 2, pode acompanhar diversas pessoas levando doações para Marlon. A casa já estava com as telhas e os armários com comida. Marlon conta que desde que a matéria foi ao ar no dia 1º de julho, a ajuda começou a chegar. “Algumas pessoa entraram contato e trouxeram cestas básicas, um vizinho me deu as telhas e agora descobri que ganhei o material para terminar a construção da minha casa”.

O doador dos materiais para reformar a casa da família é o empresário, Everaldo de Souza (proprietário da Everaldo Imóveis). “Conheci a situação dele através do Instagram da W3 e para nós, será um prazer ajudar Marlon a reformar sua casa. Já trabalhamos com isso, temos o material e vim ver o que ele está precisando. Como ele é pedreiro e foi ele quem fez esta casa e está bem feita, vamos disponibilizar o material para que possa deixar ela pronta”, disse o empresário comovido com a situação.

Ajuda para saúde dos filhos

A atual renda da família vem através do Auxílio Emergencial e do Bolsa família. Com este dinheiro, ele compra comida para os filhos e paga as prestações do seu terreno no valor de R$ 500 – que estão atrasadas.

Durante a visita, a equipe do Portal W3 também constatou outro problema vivenciado pela família: a saúde de um dos filhos está comprometida. Marlon contou em detalhes. “Meu filho de 11 anos tem um problema de dicção e necessita de um aparelho para organizar a dentição antes que inicie o tratamento com a fonoaudióloga. Ela exigiu isso para que consiga falar. Já olhamos o valor dele e fica em torno de R$ 1000 e infelizmente não tenho condições agora. Sofro muito com isso”, conta.

Ainda que necessite de ajuda, Marlon explicou o motivo pelo qual não está trabalhando no momento, para justificar o apelo. “Gostaria de frisar que eu não estou parado porque não quero trabalhar. Estou parado porque eu não tenho com quem deixar as crianças. A escola parou, o CRAS parou, não tenho parente próximo, nem de sangue, nem emocionalmente. Minha única saída é ficar em casa e cuidar dos meus filhos. Toda ajuda que vier é bem-vinda e acredito que quando passar a pandemia volto a trabalhar e as coisas ficarão melhores”, finaliza.

 

 

 

 

Compartilhe

Voltar às notícias