AMESC vai contra o resto do estado e não mostra redução considerável na taxa de homicídios

Região mantém baixa taxa de homicídios na maioria das cidades, enquanto Araranguá continua aumentando

Nessa segunda-feira (5) a Secretaria de Estado da Segurança Pública divulgou um boletim mensal levantando o número de homicídios no primeiro semestre dos anos de 2018 a 2020, comparando-os com os dados de 2021 no mesmo período, indicando uma queda de 21% no número de homicídios no estado. Que segundo o Governador Carlos Moisés é graças a soma de R$ 343 milhões investidos na segurança. “Este é o maior valor já aplicado na área de Segurança Pública da história de Santa Catarina. Vamos continuar investindo e trabalhando para que os índices violentos continuem em queda e o Estado seja cada vez mais seguro”, disse o Governador.

Porém, a AMESC, de forma isolada, não mostra grandes sinais de redução nos números. A região é notória por uma taxa de criminalidade já reduzida somada a um baixo número de habitantes.

Araranguá

O polo da AMESC tem apresentado um lento aumento no número de homicídios a cada ano, com 8 vítimas em 2018, 10 em 2019 e 11 em 2020, sendo que 6 dos casos do último ano aconteceram durante o primeiro semestre. 2021 segue no mesmo ritmo, já com 6 ocorrências no primeiro semestre, não mostrando sinal de melhora. Vale lembrar que a cidade possui taxa de homicídios mais elevada justamente pelo maior número de habitantes da região, com mais que o dobro do segundo lugar, Balneário Arroio do Silva.

Balneário Arroio do Silva

Mesmo com menos habitantes que Araranguá, o Arroio do Silva mostra números próximos ao do polo. Com 6 e 4 casos em 2018 em 2019 respectivamente, 2020 apresentou um aumento considerável, com 10 casos. Até o momento, em 2021, houveram 3 ocorrências.

Balneário Gaivota

Com o terceiro maior número de habitantes, Gaivota mantém a mesma média de homicídios que nos anos anteriores, maior que a maioria dos outros municípios também por causa de seu tamanho. Tendo 2 casos em 2018, 3 em 2019 e 3 em 2020, o primeiro semestre de 2021 apresentou um único caso.

Ermo, Jacinto Machado, Maracajá, Meleiro, Morro Grande, Praia Grande, Santa Rosa do Sul, São João do Sul, Timbé e Turvo

As cidades citadas mantêm sua taxa de homicídios praticamente nula, tendo uma população igualmente menor. Nenhuma apresenta grandes mudanças nos números, Santa Rosa do Sul e São João do Sul sendo os únicos munícipios a apresentar algum caso em 2021. A maioria teve apenas de 2 a 3 homicídios desde 2018.

Passo de Torres

Com um número de habitantes semelhantes ao de Jacinto Machado e menor que o de Turvo, Passo de Torres possui um número maior de casos de homicídio. Com um em 2018, 2 em 2019 e 2 em 2020, esse ano mostra uma tendência semelhante, com um caso tendo ocorrido no primeiro semestre.

Sombrio

Desde 2018 ocorre um aumento na taxa de homicídios de sombrio, com 2 casos em 2018, 3 em 2019, e 7 em 2020. Entre os casos do último ano, 5 ocorreram no primeiro semestre, já em 2021, não foi documentado nenhum caso no mesmo espaço de tempo.

Os dados completos divulgados pela Secretária estão disponíveis aqui.

Nessa segunda-feira (5) a Secretaria de Estado da Segurança Pública divulgou um boletim mensal levantando o número de homicídios no primeiro semestre dos anos de 2018 a 2020, comparando-os com os dados de 2021 no mesmo período, indicando uma queda de 21% no número de homicídios no estado. Que segundo o Governador Carlos Moisés é graças a soma de R$ 343 milhões investidos na segurança. “Este é o maior valor já aplicado na área de Segurança Pública da história de Santa Catarina. Vamos continuar investindo e trabalhando para que os índices violentos continuem em queda e o Estado seja cada vez mais seguro”, disse o Governador.

Porém, a AMESC, de forma isolada, não mostra grandes sinais de redução nos números. A região é notória por uma taxa de criminalidade já reduzida somada a um baixo número de habitantes.

Araranguá

O polo da AMESC tem apresentado um lento aumento no número de homicídios a cada ano, com 8 vítimas em 2018, 10 em 2019 e 11 em 2020, sendo que 6 dos casos do último ano aconteceram durante o primeiro semestre. 2021 segue no mesmo ritmo, já com 6 ocorrências no primeiro semestre, não mostrando sinal de melhora. Vale lembrar que a cidade possui taxa de homicídios mais elevada justamente pelo maior número de habitantes da região, com mais que o dobro do segundo lugar, Balneário Arroio do Silva.

Balneário Arroio do Silva

Mesmo com menos habitantes que Araranguá, o Arroio do Silva mostra números próximos ao do polo. Com 6 e 4 casos em 2018 em 2019 respectivamente, 2020 apresentou um aumento considerável, com 10 casos. Até o momento, em 2021, houveram 3 ocorrências.

Balneário Gaivota

Com o terceiro maior número de habitantes, Gaivota mantém a mesma média de homicídios que nos anos anteriores, maior que a maioria dos outros municípios também por causa de seu tamanho. Tendo 2 casos em 2018, 3 em 2019 e 3 em 2020, o primeiro semestre de 2021 apresentou um único caso.

Ermo, Jacinto Machado, Maracajá, Meleiro, Morro Grande, Praia Grande, Santa Rosa do Sul, São João do Sul, Timbé e Turvo

As cidades citadas mantêm sua taxa de homicídios praticamente nula, tendo uma população igualmente menor. Nenhuma apresenta grandes mudanças nos números, Santa Rosa do Sul e São João do Sul sendo os únicos munícipios a apresentar algum caso em 2021. A maioria teve apenas de 2 a 3 homicídios desde 2018.

Passo de Torres

Com um número de habitantes semelhantes ao de Jacinto Machado e menor que o de Turvo, Passo de Torres possui um número maior de casos de homicídio. Com um em 2018, 2 em 2019 e 2 em 2020, esse ano mostra uma tendência semelhante, com um caso tendo ocorrido no primeiro semestre.

Sombrio

Desde 2018 ocorre um aumento na taxa de homicídios de sombrio, com 2 casos em 2018, 3 em 2019, e 7 em 2020. Entre os casos do último ano, 5 ocorreram no primeiro semestre, já em 2021, não foi documentado nenhum caso no mesmo espaço de tempo.

Os dados completos divulgados pela Secretária estão disponíveis aqui.

Compartilhe

Voltar às notícias