Alunos em fase final de curso retomam atividades presenciais em maio no IFSC

Primeira fase do plano prevê retorno apenas de 5% dos estudantes, sendo aqueles que estão realizando TCC ou Projeto de Pesquisa

Por Dyessica Abadi

O Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) elaborou um modelo de cinco etapas para o retorno das aulas presenciais frente ao cenário da pandemia de Covid-19 no estado. Em Araranguá, a primeira fase dessa retomada gradual deve acontecer a partir de 17 de maio, quando 5% da comunidade acadêmica volta à unidade. Neste primeiro momento, apenas os estudantes em fase final dos cursos que estão realizando o Trabalho de Conclusão de Curso (TTC) ou Projeto de Pesquisa estão liberados a receber orientação docente dentro dos laboratórios da instituição.

Em entrevista à W3 News, o diretor geral do IFSC campus Araranguá, Adriano Antunes Rodrigues, conta que o avanço para as próximas fases irá depender da avaliação da Matriz de Risco Potencial para Covid-19 da secretaria de Saúde do Estado. “Vamos sair da fase zero do plano de contingência, onde só estamos tendo atividades remotas. Agora, vamos avançar para a fase um, onde os alunos concluintes dos cursos podem receber orientação nos laboratórios da instituição. O avanço para outras fases vai depender do cenário da pandemia em cada região de Santa Catarina”, pontua.

O modelo elaborado pelo IFSC é dividido em cinco etapas e prevê na fase dois o retorno de 30% da comunidade acadêmica, principalmente para atividades práticas; na fase três, retorno de até 50%; na fase quatro, até 80%; e, finalmente, na fase cinco a retomada integral, com 100% de presença dos estudantes. “Cada fase deve permanecer por, no mínimo, 21 dias. Dessa forma, no melhor dos cenários, nós estaríamos retomando as aulas de forma integral em mais ou menos 3 ou 4 meses”, explica o diretor geral.

Além disso, Adriano aponta que o IFSC possui um comitê técnico científico que utiliza os dados da matriz de risco no estado e, a partir da avaliação regional, a instituição define as condições do campus para receber os alunos para a próxima fase. A partir disso, o comitê apresenta ao conselho superior o relatório científico que vai conter a indicação de retorno ou não. Por fim, o conselho autoriza os colegiados a decidirem sobre o retorno. “Cada campus terá seu ritmo de retomada das atividades, seguindo a matriz de risco e os parâmetros de cada região. São 22 campus em todo o estado e a realidade de cada região é diferente uma da outra”, finaliza Adriano.

As aulas presenciais estão suspensas em todos campus do IFSC desde março de 2020 em razão da pandemia. Ao todo, 41.952 estudantes de Ensino Médio, graduação, pós e de cursos técnicos estudam na instituição federal.

Quer receber notícias pelo WhatsApp? Clique aqui

Por Dyessica Abadi

O Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) elaborou um modelo de cinco etapas para o retorno das aulas presenciais frente ao cenário da pandemia de Covid-19 no estado. Em Araranguá, a primeira fase dessa retomada gradual deve acontecer a partir de 17 de maio, quando 5% da comunidade acadêmica volta à unidade. Neste primeiro momento, apenas os estudantes em fase final dos cursos que estão realizando o Trabalho de Conclusão de Curso (TTC) ou Projeto de Pesquisa estão liberados a receber orientação docente dentro dos laboratórios da instituição.

Em entrevista à W3 News, o diretor geral do IFSC campus Araranguá, Adriano Antunes Rodrigues, conta que o avanço para as próximas fases irá depender da avaliação da Matriz de Risco Potencial para Covid-19 da secretaria de Saúde do Estado. “Vamos sair da fase zero do plano de contingência, onde só estamos tendo atividades remotas. Agora, vamos avançar para a fase um, onde os alunos concluintes dos cursos podem receber orientação nos laboratórios da instituição. O avanço para outras fases vai depender do cenário da pandemia em cada região de Santa Catarina”, pontua.

O modelo elaborado pelo IFSC é dividido em cinco etapas e prevê na fase dois o retorno de 30% da comunidade acadêmica, principalmente para atividades práticas; na fase três, retorno de até 50%; na fase quatro, até 80%; e, finalmente, na fase cinco a retomada integral, com 100% de presença dos estudantes. “Cada fase deve permanecer por, no mínimo, 21 dias. Dessa forma, no melhor dos cenários, nós estaríamos retomando as aulas de forma integral em mais ou menos 3 ou 4 meses”, explica o diretor geral.

Além disso, Adriano aponta que o IFSC possui um comitê técnico científico que utiliza os dados da matriz de risco no estado e, a partir da avaliação regional, a instituição define as condições do campus para receber os alunos para a próxima fase. A partir disso, o comitê apresenta ao conselho superior o relatório científico que vai conter a indicação de retorno ou não. Por fim, o conselho autoriza os colegiados a decidirem sobre o retorno. “Cada campus terá seu ritmo de retomada das atividades, seguindo a matriz de risco e os parâmetros de cada região. São 22 campus em todo o estado e a realidade de cada região é diferente uma da outra”, finaliza Adriano.

As aulas presenciais estão suspensas em todos campus do IFSC desde março de 2020 em razão da pandemia. Ao todo, 41.952 estudantes de Ensino Médio, graduação, pós e de cursos técnicos estudam na instituição federal.

Quer receber notícias pelo WhatsApp? Clique aqui

Compartilhe

Voltar às notícias